ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Mãe tenta vender filho por R$ 400 e foge do hospital após parto

Brumado: Homem é preso após matar companheiro da ex-namorada com golpes de faca no bairro do Mercado

Planejamento das Eleições Gerais 2022 é debatido na sede do TRE-BA

Barra da Estiva: PM apreende seis carros com suspeita de serem clonados

CGU aponta R$ 2,6 bi em desvios do Farmácia Popular

Eleições no Clube Social de Brumado: Chapa 2 quer renovação e inclusão das mulheres na gestão

Estados dizem que cumpriram lei e vão recorrer no STF sobre ICMS no diesel

Em mais uma decisão, justiça suspende licitação que pretendia privatizar serviços de água e esgoto em Brumado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Neste domingo (15) haverá o fenômeno 'Lua de Sangue' triplamente especial

Sabadão! Tudo pronto para a festa 'Apaixona Brumado' no espaço Popeye Prime

STF suspende políticas estaduais sobre o ICMS do diesel a pedido do Governo Federal

Anvisa e Butantan se reúnem para tratar da CoronaVac para crianças

Idosa que passou 72 anos em situação análoga à escravidão é resgatada no rio no Rio

TSE conclui etapa de testes nas urnas eletrônicas sem encontrar falhas

PC desmonta quadrilha que roubou R$ 820 mil em joias e celulares no Oeste da Bahia

Veja os mais de 40 episódios do Tema Livre Podcast no nosso canal no Youtube

Cliente é indenizado em R$ 40 mil após ser chamado de 'Gaylileu' em cadastro de farmácia


Joaquim Barbosa na disputa eleitoral tira votos de Lula e Bolsonaro

(Foto: Reprodução)

A quase certa entrada do ex-presidente do STF Joaquim Barbosa vai impactar a corrida eleitoral. As pesquisas revelam que o eleitor está atrás de um nome "novo", e o virtual candidato do PSB à presidência da República tem condições de tornar palpável essa abstração política. E deve sangrar, principalmente, o capital de votos acumulado por Lula e Bolsonaro.  Embora esteja longe há um bom tempo dos holofotes, Joaquim Barbosa ainda é o magistrado mais identificado com a faxina feita pelo Judiciário nos desmandos praticados pelo governo Lula. O antipetismo escancarado molda muitos dos que seguem Bolsonaro. Não obstante, Barbosa carrega uma história que o aproxima da agenda de esquerda. Negro e pobre, superou as adversidades gigantescas impostas a quem nasce na sua condição no Brasil para ocupar um dos mais altos cargos da República. E, para isso, recebeu a ajuda fundamental do próprio Lula, que o indicou para o Supremo. Dito isso, não é fantasioso supor que Joaquim Barbosa possa erguer uma ponte inimaginável, hoje, que una seguidores de Lula e Bolsonaro. No período em que comandou a mais alta corte do País, ele não esmagou a coerência dos seus votos nem foi acusado de favorecer interesses privados. Barbosa passou intacto pelo escrutínio da opinião pública, e isso pode ser determinante numa época em que o brasileiro, de modo geral, procura alguém distante do terreno corroído da política tradicional. Se vai chegar lá é outra coisa completamente diferente. Até porque, a política é feita para quem gosta de política. E Joaquim Barbosa já demonstrou em inúmeras ocasiões que, assim como Dilma Rousseff, não tem traquejo e paciência para jogar esse jogo, onde as máscaras caem com uma velocidade impressionante. Pesam contra ele, ainda, um temperamento mercurial e um autoritarismo latente.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário