ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Com ouro no salto, Rebeca Andrade é a primeira campeã olímpica da ginástica artística brasileira

Casos ativos da Covid-19 caem pelo 9º dia seguido na Bahia

Estelionatários são presos na Bahia com R$ 1,2 mil em notas falsas

Brumado: 5 pessoas estão hospitalizados por conta da Covid-19

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Butantan pede à Anvisa autorização para aplicar CoronaVac em crianças

Criança de 9 anos fica ferida após ser atacada por pitbull em Brumado

Brumado: Jovem resiste à prisão e quebra vidro de viatura policial com chute

Prefeito de Brumado: Projeto para cobrar taxa de lixo nas zonas urbana e rural é enviado a Câmara

Brumado registra mais uma morte por conta da Covid-19; esse é 191º óbito

Subsecretário da Segurança Pública da Bahia é exonerado

Número de pacientes internados diminui e ocupação se estabiliza abaixo de mil na Bahia

Anagé: Sétimo 'cigano' suspeito por homicídio de PMs em Conquista morre em ação policial

Orthodontic celebra 5 anos de sucesso e parcerias em Brumado

TJ-BA cria núcleo para combater conflitos e disputas de terras no estado

Vitória da Conquista: Viralizou na internet o vídeo em que criança reclama de diácono durante batizado; 'Não está sabendo batizar, não?'

Receita Federal paga 3º lote de restituição nesta sexta-feira

Brumado: Homem pelado é visto andando tranquilamente na Avenida Lindolfo Azevedo Brito

Imagens ajudam Polícia Civil na conclusão das investigações que apreendeu quase 90 kg de maconha em Brumado

Brumado chega aos 9.517 casos confirmados de Covid-19


CCJ aprova proposta que criminaliza injúria por questões de gênero e orientação sexual

Emenda da relatora, senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), inclui a orientação sexual ou a identidade de gênero na lista de agravantes do crime de injuria | Pedro França/Agência Senado

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou, nesta quarta-feira (28), proposta que torna crime a injúria praticada por questões de gênero e de orientação sexual. O projeto (PLS 291/2015) é da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e seguirá para a Câmara dos Deputados se não houver recurso para que seja votado pelo Plenário do Senado. Atualmente, o Código Penal pune o ato de injuriar alguém, com ofensas à dignidade ou ao decoro da vítima, com detenção de um a seis meses ou multa. O PLS 291/2015 altera o dispositivo que estabelece como agravante desse crime o uso de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou condição de pessoa idosa ou com deficiência, acrescentando a questão de gênero entre esses agravantes. Emenda da relatora, senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), inclui ainda a orientação sexual ou a identidade de gênero. Em todos esses casos, a pena é de um a três anos de reclusão mais multa. Ao justificar a proposta, Gleisi explicou a necessidade de inserção da questão de gênero no rol de agravantes por ver como inadmissíveis atos que desqualifiquem ou desprezem um gênero em detrimento de outro. “Sobretudo porque o tratamento igualitário de homens e mulheres é uma das bases de qualquer Estado Democrático de Direito”, frisou. Já a relatora defendeu a inclusão de orientação sexual e identidade de gênero graças ao incremento do discurso do ódio e das atitudes e ações contra pessoas que se identificam com o grupo LGBT verificados nos últimos anos no Brasil. Some-se a isso, destacou ainda, a demora do Congresso Nacional em aprovar legislação que reprima de forma contundente tal conduta a minorias que precisam ver seus direitos constitucionais assegurados. “Espera-se desestimular a prática desse delito que gera grande indignação e se constitui numa verdadeira violência moral, que atinge em cheio sua autoestima e se constitui numa violência verbalizada, tão grave e lamentável, pois resulta na nulificação psicológica dos ofendidos e, muitas vezes, no prenúncio da violência física, com graves agressões, quando não a morte das vítimas”, disse Marta.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário