ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Covid-19: cai de 12 para 8 semanas prazo entre as doses da AstraZeneca

Presidente da Alba assume interinamente o governo da Bahia após viagem de Rui e Vice

MP-BA recomenda que Guanambi desalugue prédio da Cultura após erros em licitação

Brumado tem 100,3% da população acima de 12 anos vacinada com a primeira dose

Bahia: Menino de 11 anos cria simulador para jogos de celular com materiais recicláveis

SSP-BA recebe empresas para contratação de câmeras corporais

Psicóloga Paula Machado aborda o tema: Sabemos lidar com as perdas?

Brumado: Um ano depois, 'funileiro' termina veículo inspirado no modelo WT

Operação Nossa Senhora Aparecida: PRF apreende cerca de R$ 2,5 milhões em drogas nas estradas da Bahia

Brumado: Após bloqueio de moradores, SMTT remove pneus de via no Apertado do Morro

Bahia: No combate a violência doméstica e tráfico de drogas, Polícia deflagra ação no interior

Brumado: Presidente da Câmara é vítima de fake news e denuncia crime à Polícia Cívil

STF derruba lei que liberava venda de remédios para emagrecer

Salvador: PM apreende armamento e drogas durante evento de paredão

Durante live, Bolsonaro volta a defender 'kit covid'

Bahia: Cerca de 14 mil processos de suspensão de CNHs serão arquivados

Brumado: Sindsemb homenageia os professores com mensagem de agradecimento e valorização

STJ autoriza retorno de Maurício Barbosa ao cargo de delegado da PF

Major Leila Silva realiza visita institucional a presidente da Câmara de Brumado

Brumado: TOR apreende produtos eletrônicos sem nota fiscal na BR-030


Facebook admite que redes sociais podem ameaçar democracia

(Foto: Reprodução)

O Facebook admitiu nesta segunda-feira (22/01/2018) que não pode oferecer garantias de que as redes sociais não representam um perigo para a democracia. A empresa, no entanto, afirmou que está fazendo de tudo para reduzir riscos de interferências em eleições. “Apesar de ser um otimista, não ignoro os perigos que a internet pode provocar, mesmo no seio de uma democracia que funciona bem”, disse o diretor de produto do Facebook Samidh Chakrabarti, num texto divulgado na rede social. O Facebook é alvo de críticas por fazer pouco para impedir a propagação de notícias falsas, as chamadas fake news, na plataforma. O tema tornou-se uma questão global após as acusações de que a Rússia tentou desta maneira influenciar as eleições nos Estados Unidos, França e Reino Unido. Moscou nega as acusações. Segundo Chakrabarti, o Facebook, que possui mais de 2 milhões de usuários, tem o dever moral de entender como sua tecnologia está sendo usada e o que deve ser feito para se tornar uma plataforma mais confiável possível. O diretor admitiu também que a empresa demorou em perceber que “pessoas mal-intencionadas estavam utilizando a plataforma de maneira abusiva”. Ele assegurou que o Facebook está trabalhando para neutralizar esses riscos. Chakrabarti lamentou ainda a maneira como a plataforma foi usada durante as eleições americanas em 2016. O Facebook identificou 80 mil mensagens criadas por agentes russo que alcançaram 126 milhões de pessoas em dois anos. Em um comunicado distinto, a encarregada das questões ligadas à política do grupo baseado na Califórnia, Katie Harbath, afirmou que a plataforma continua determina a combater as influências negativas e contribuir para o bem da democracia. Recentemente, a empresa anunciou que dará prioridade aos conteúdos publicados por familiares e amigos em detrimento dos perfis de empresas, marcas ou meios de comunicação social. No início do ano, fundador e presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, reconheceu ter subestimado em 2016 o seu papel na propagação de informações falsas.

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário