ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Governo do Estado anuncia licitação para gestão de presídio de Brumado

Brumado: Promotoria de Justiça acompanha atividades da Secretaria de Educação

25 de novembro: Dia Internacional da não violência contra a mulher

Novo vírus letal surgido na Bolívia pode ser confundido com a dengue

Governo libera R$ 409 milhões para projetos de tecnologias da internet

Major Leila é nomeada comandante da 2ª CIPRv de Brumado

Casal é preso por estuprar as filhas em Itaberaba

Brumado: 237 pacientes estão em tratamento do novo coronavírus

Quadro de especialistas da Clínica Mais Vida é ampliado passando a oferecer mais um cardiologista e ecografista

Partido pede expulsão de vereador eleito por infidelidade partidária

Apresentador Fernando Vannucci morre aos 69 anos

Abrace essa Causa: ‘Projeto O Bom Samaritano’ ajudando quem mais precisa em Brumado

Polícia Civil deflagra operação contra homens e um adolescente que estupraram uma criança de 10 anos em Carinhanha

Nota Fiscal Eletrônica já está presente em 417 municípios da Bahia; já são 70 mil emissores

Auxílio Emergencial: 'Não haverá prorrogação', afirma ministro da economia

Pai de Zezé di Camargo e Luciano morre aos 84 anos

Foguete chinês é visto no céu da Bahia e chama atenção de moradores

Saiba os cuidados em possíveis fraudes no dia da 'Black Friday'

Conquista: PRF apreende pistolas, fuzis e carregadores na BR-116

Brumado confirma a 38ª morte em decorrência da Covid-19


Ex-prefeito Aguiberto Lima Dias tem contas aprovadas em relação ao mandado de 2016

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) aprovou com ressalvas, com os votos da maioria dos conselheiros, as contas da prefeitura municipal de Brumado, em relação ao mandato de 2016, sob a responsabilidade do ex-prefeito Aguiberto Limas Dias (PDT). As contas foram julgadas pelo TCM no mês de novembro deste ano. Diante das ressalvas contidas no parecer, o ex-gestor foi penalizado com multa de R$ 5 mil - Ainda cabe recurso na decisão. O conselheiro Plínio Carneiro Filho questionou falhas contidas no relatório, em razão da inobservância às regras introduzidas na contabilidade pública pelo MCASP, demonstrações contábeis com incorreções e baixa recuperação da Dívida Ativa com incorreções. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário