ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Polícia encontra depósito clandestino de combustíveis em Itapetinga

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Abastecimento em bairros e localidades rurais de Brumado registra irregularidade por falta de energia elétrica

Preço da gasolina sobe quase 60 centavos e chega a R$ 5,09 em Brumado

Clínica Mais Vida traz para Brumado o que há de mais moderno em Ultrassonografia de qualidade e alta definição

Barra do Choça: Mulher é encontrada morta dentro de casa; suspeito possuía dívida de R$15 mil

Acusado de furtar seringas, servidor foi encontrado morto antes de ser ouvido em Conquista

Fim de semana com alimentos saudáveis é na Bete Fruits

47 novos casos de coronavírus são registrados nas últimas 24h em Brumado

Brumado; Presidente da Câmara afirma que áudio em que ele pede 'farra' no primeiro salário, 'não passou de uma brincadeira entre eles'

Índia autoriza exportação de vacina para o Brasil, diz agência Reuters

Municípios atendidos pela Central de Atendimento Covid em Brumado registram aumento nos casos de coronavírus

Cinco morrem em incêndio em prédio do Instituto Serum, fabricante de vacinas contra Covid-19 na Índia

Em suposto áudio gravado no aplicativo de mensagens, presidente da Câmara de Brumado informa primeiro pagamento dos edis e ironiza; 'galera é pra fazer farra viu'

Mutuípe: Médico de 95 anos escolhido para ser primeiro vacinado contra Covid-19 morre horas antes de ser imunizado

Mais de 19 mil baianos já tomaram a primeira dose da vacina contra Covid-19

Vitória da Conquista: Juiz autoriza paciente a plantar maconha para tratar fibromialgia

Bahia: MP aciona prefeito de Candiba por improbidade; prefeito 'furou' fila da vacinação

Brumado: Casal morre e três ficam feridos em grave acidente na rotatória da BA-262 e BR-030


Projeto de regulamentação do Uber é alterado e volta para a Câmara

Marcos Oliveira/Agência Senado

O Plenário do Senado aprovou com alterações, nesta terça-feira (31), o projeto (PLC 28/2017) para regulamentar os serviços de transporte que usam aplicativos, como Uber, Cabify e 99. Foram 46 votos favoráveis, 10 contrários e uma abstenção. O relator de Plenário, senador Eduardo Lopes (PRB-RJ), acatou três das 20 emendas apresentadas e o texto volta para análise da Câmara dos Deputados. Duas das mudanças aprovadas foram decididas por acordo dos líderes partidários. Elas retiram a obrigatoriedade do uso de placas vermelhas e a exigência de que o condutor seja proprietário do veículo. Também foi aprovada emenda que atribui ao município apenas a competência para fiscalizar o serviço dos aplicativos. A prefeitura não terá o papel de autorizar o exercício da atividade como estava previsto no texto original da Câmara. — O aplicativo será obrigado a mandar para a prefeitura a sua base de dados, o seu cadastro. A prefeitura vai ter acesso a quantos são os motoristas do Uber, onde estão e quem são. Se houver alguma dúvida do poder público em relação a algum ponto, ele entra em contato com o Uber e decide se a pessoa sai do serviço ou continua — explicou o relator. Com essa alteração, caiu o ponto principal do PLC 28/2017, do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), que estabelecia que empresas como o Uber são prestadoras de serviço público, dependentes de regulamentação, e que os motoristas precisariam de permissão para trabalhar.  Pelo texto, cada município (e o governo do Distrito Federal) cobrariam os devidos impostos. O texto ainda prevê que os motoristas devem possuir Carteira Nacional de Habilitação na categoria B (automóvel, caminhonete, utilitário) ou superior; inscrição como contribuinte individual no INSS; e contratação de seguros de Acidentes Pessoais a Passageiros (APP) e Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT). A favor do projeto da Câmara, os senadores do PT Lindbergh Farias (RJ), Gleisi Hoffmann (PR) e Humberto Costa (PE) declararam que o partido não quer a extinção do Uber. No entanto, eles defenderam a regulamentação do serviço para proteção dos direitos dos trabalhadores e dos usuários. Eles ainda criticaram a empresa pelo valor percentual cobrado dos motoristas. — Não pode o Uber entrar aqui e achar que pode levar 25% do trabalhador, até porque o motorista é responsável pela manutenção do carro, pelo seguro, pela gasolina. Não tem direito trabalhista, não paga INSS, não vai ter direito à previdência e ainda tem que pagar 25% para usar uma plataforma? — questionou Gleisi Hoffmann. Contra o PLC 28, os senadores Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e Reguffe (sem partido–DF) entendem que a proposta é uma forma de estatizar o serviço dos aplicativos e interfere na livre escolha dos usuários, podendo reduzir a oferta, causar desemprego e restringir o uso do transporte pelo aplicativo. — O PLC tem viés intervencionista em atividade privada. Não estamos tratando de concessão pública, não devemos ultrapassar o limite do bom senso. Não afastemos a capacidade empreendedora e a liberdade das pessoas decidirem



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário