ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Popó vence luta contra Bambam por nocaute em apenas 36 segundos

Pássaros silvestres e jabutis são resgatados dentro de ônibus em Vitória da Conquista

Atividade física previne declínio mental

Brumado: PM prende quatro pessoas e recupera 19 celulares furtados no circuito do Carnaval

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Após polêmica, Lula volta a chamar guerra em Gaza de genocídio e critica interpretação dada à sua fala

Metade da população não tem acesso a rede de esgoto na Bahia

Cerca de três mil pessoas ficam isoladas após rompimento de barragem na Bahia

Idoso sofre infarto e morre após bater carro contra árvore na BR-030, próximo a Brumado

Mais um veículo é recuperado pela RotSat

Três pessoas são presas por facilitar a fuga dos dois fugitivos do presídio federal de Mossoró

Com 88% da matriz elétrica limpa, Brasil já é líder da transição energética no mundo

Fibromialgia - especialista esclarece o que você precisa saber para diagnóstico precoce

Guilherme Bonfim celebra alta expectativa de público para o Carnaval de Brumado

Serasa atinge 1 milhão de acessos em ofertas do programa Desenrola Brasil

Homem é condenado a 18 anos de prisão por morte de empresária em Barra do Choça

Vítimas do acidente com ônibus na região de Itapetinga foram identificadas

Professor é preso no interior baiano acusado de importunação sexual contra alunas em Amargosa

Padrasto é preso suspeito de estuprar e engravidar enteada em Porto Seguro

Jovem é presa suspeita de queimar o rosto da própria mãe com água quente na Bahia


Um século: Maior asteroide a cruzar a Terra passará nesta sexta a 7 milhões de km

Foto: NASA/ AFP

Omaior asteroide que se aproximou da Terra em mais de um século passará nesta sexta-feira (31) a uma distância de sete milhões de quilômetros, sem representar nenhum perigo para o nosso planeta, disse a Nasa. Este asteroide, de 4,4 km de diâmetro, chamado Florence, foi descoberto em março de 1981. "É o maior objeto celeste a passar tão perto do nosso planeta dese a descoberta do primeiro asteroide nas proximidades da Terra há mais de um século", afirmou a agência espacial em seu site. "Embora muitos asteroides conhecidos tenham cruzado a Terra a uma distância mais curta do que fará Florence na sexta-feira, 1º de setembro, todos eram menores", assinalou Paul Chodas, responsável do Centro para o Estudo de Objetos Próximos à Terra, dependente da Nasa. Florence não deverá retornar às imediações da Terra até outubro de 2024 e não voltará a passar tão perto de nosso planeta até dentro de 500 anos, afirmou a Nasa. Os cientistas aproveitarão esta passagem para estudar o corpo celeste mais detalhadamente usando poderosos telescópios na Califórnia e em Porto Rico. "As imagens resultantes devem permitir determinar as dimensões exatas do asteroide e também revelar os detalhes de sua superfície com uma precisão de 10 metros", calculou a Nasa. As colisões entre grandes asteroides e a Terra são eventos incomuns. "Aproximadamente a cada 2.000 anos, um meteorito do tamanho de um campo de futebol atinge o planeta, devastando a área de impacto e os arredores", afirmou a agência espacial americana. Sobre os objetos celestes capazes de aniquilar a civilização humana, como o que provocou o fim dos dinossauros há 66 milhões de anos, estes ameaçam a Terra uma vez a cada alguns milhões de anos, acrescentou. Igualmente raro, o meteoro que provocou importantes danos e deixou 1.000 feridos em Chelyabinsk, na Rússia, em fevereiro de 2013, tinha um diâmetro de 15 a 17 metros e uma massa de 7.000 a 10.000 toneladas. Este objeto liberou uma energia estimada de cerca de 30 vezes a potência da bomba de Hiroshima.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário