ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado registra 61 óbitos por conta da Covid-19; município ultrapassa 5 mil casos confirmados e 335 em tratamento

Brumado: Uma pessoa é flagrada desrespeitando toque de recolher

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Restrição de atividades: Saiba o que poderá funcionar na Bahia de sexta a segunda

Bahia: Rui Costa prevê que Brasil vai ‘mergulhar no caos em duas semanas’ por causa de Covid-19

Auxílio deve voltar em março com parcelas de R$ 250, diz Governo

Dono do hit ‘Gordinho Gostoso’, Neto LX é detido com carro roubado

Vacinação contra o coronavírus é retomada nesta sexta-feira (26)

Prosel 2021: Abertas inscrições para o Processo Seletivo do Ifba/Brumado

Brumado: É Fake o vídeo que circula nas redes sociais na qual torcedores do Flamengo estariam nas ruas em comemoração ao título

Governador proíbe cirurgias eletivas em hospitais públicos e privados da BA por 7 dias

Flamengo é campeão brasileiro mesmo após perder para o São Paulo no Morumbi

Brumado: Incêndio destrói casa na Rua Nazaré no bairro Dr. Juracy; não havia ninguém na residência

Brumado: Mãe de empresário é atropelada por motocicleta na Avenida Centenário

Brumado: Jovem de 24 anos é morto a tiros na Av. Antônio Mourão Guimarães

Brumado: Município registra 59 mortes por conta da Covid-19; 30 estão hospitalizados



BUSCA PELA CATEGORIA "Mundo"

NASA está pronta para explorar o asteroide de ouro que poderia causar colapso na economia mundial

Foto: Reprodução

A missão da NASA que irá estudar o asteroide de ouro Psyche 16, cujo valor é milhares de vezes maior que a economia mundial, ingressou na última fase de operações. Segundo os responsáveis pelo projeto, a nave espacial e os equipamentos de bordo estão em fase de montagem e logo se submeterão às últimas provas, antes do lançamento, previsto para agosto de 2022. O Psyche 16 é formado por ouro, ferro e níquel, entre outros metais pesados, que valeria 700 quintilhões de dólares. Se fosse dividido igualmente entre todos os habitantes da Terra, cada um receberia 93 bilhões de dólares. Infelizmente, isso não resolveria a vida de ninguém, pois caso o asteroide fosse trazido para Terra, ele faria a economia mundial entrar em colapso. Como qualquer pessoa com conhecimentos básicos de economia sabe, um dos elementos para a definição dos preços é a escassez: se o mercado for inundado de ouro, o metal deixará de ser uma raridade para ser algo comum. A oferta aumenta, o preço cai. A NASA já planejou, desenhou e construiu o corpo da nave espacial que será usada na Missão Psyche. Além disso, a agência espacial também desenvolve seu sistema de propulsão solar elétrico, instrumentos científicos, computador de bordo e demais equipamentos que serão montados no Laboratório de Propulsão a Jato. Atualmente, a produção de ouro na Terra fica entre 2500 e 3000 toneladas por ano, uma quantidade ínfima se comparada ao que poderia ser produzido no espaço. Ainda falta muito tempo para o boom da mineração espacial, mas calcula-se que, em 2040, este mercado poderá atingir os 2,7 bilhões de dólares.



OMS recomenda vacina de Oxford para idosos e contra variantes da Covid-19

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou o uso da vacina de Oxford, desenvolvida pela Fiocruz, em parceria com a AstraZeneca, para imunizar contra a Covid-19 todos os adultos, inclusive idosos, de acordo com declaração do Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas em Imunização (SAGE, na sigla em inglês), dada nesta quarta-feira (10). “Não há qualquer razão para não recomendar seu uso”, pontuou o órgão. Uma polêmica nascida na Alemanha espraiou para outros países europeus, que decidiram não utilizar a vacina em idosos, pois haveria poucos dados referentes à sua eficácia sobre este grupo. A Fiocruz, no Brasil, garante a capacidade de imunização sobre pessoas com mais de 65 anos. A OMS também reafirmou que a vacina deve continuar sendo usada em regiões onde há mutações do vírus, como África do Sul ou Brasil. No país africano, as autoridades entenderam melhor suspender o uso, pois entenderam que poderia não ter eficácia sobre a nova cepa.



Cinco morrem em incêndio em prédio do Instituto Serum, fabricante de vacinas contra Covid-19 na Índia

Foto: Reprodução l AFP

Um incêndio atingiu um edifício do Instituto Serum, a empresa da Índia que produz vacinas com tecnologia da AstraZeneca e da Universidade de Oxford, nesta quinta-feira (21), na cidade de Pune. Pelo menos cinco pessoas morreram. O estoque de vacinas e a indústria onde elas são feitas estão seguras, segundo o jornal "Times of India". Atualmente, o Instituto Serum produz cerca de 50 milhões de doses da vacina por mês em outras unidades do complexo. Cinco pessoas morreram no incêndio, segundo o "Times of India". O prefeito da cidade de Pune, Murlidhar Mohol, disse que os mortos são provavelmente trabalhadores de construção civil que estavam no prédio. O diretor-executivo da empresa, Adar Poonawalla, confirmou que houve mortes. A empresa também vai começar a produzir as vacinas desenvolvidas pela empresa norte-americana Novavax. Poonawalla afirmou que a unidade que pegou fogo produz vacinas para o rotavírus. Ele estima que a perda nessa linha de produção será de até 40% do volume de doses. As redes de TV indianas mostram uma coluna de fumaça cinza acima da sede da empresa. Em uma rede social, Poonawalla, o diretor-executivo, agradeceu a todos pela preocupação e pelas orações. Os bombeiros afirmaram que ao menos cinco caminhões foram enviados para combater o fogo no prédio e que o incêndio foi controlado. Ainda não se sabe o que causou o incêndio, mas o prefeito disse que o fogo pode ter começado com um trabalho de soldagem.



EUA: Congresso confirma vitória de Biden após plenário ser invadido por apoiadores de Trump

Foto: Reprodução l Rede Social

O Congresso dos Estados Unidos da América (EUA) confirmou a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais de novembro em uma sessão que adentrou a madrugada desta quinta-feira (7), após a sede do Legislativo americano ter sido invadida por extremistas insuflados pelo presidente Donald Trump. A sessão, que ocorre duas semanas antes da cerimônia de posse de Biden, foi marcada pela violência dos apoiadores de Trump e pelas tentativas fracassadas de legisladores republicanos de invalidar os votos de estados vencidos pelos democratas. A sessão foi presidida pelo vice-presidente Mike Pence (nos EUA, o vice-presidente ocupa também a função de presidente do Senado). Mais cedo, na quarta-feira (6), Pence havia rejeitado os pedidos de Trump para invalidar a votação do Colégio Eleitoral - o presidente insiste nas falsas alegações de que as eleições de 3 de novembro foram fraudadas.



Uso emergencial da Sputnik V e da vacina da Pfizer é autorizado na Argentina

Foto: Reprodução

A Administração Nacional de Medicamentos, Alimentos e Tecnologia Médica da Argentina (Anmat), agência reguladora de medicamentos da Argentina, autorizou o registro de uso emergencial da vacina da Pfizer contra a Covid-19 e da Sputnik V, imunizante produzido pela Rússia. A entidade de saúde indicou que esta vacina atende a “uma relação risco-benefício aceitável”, o que permitiu a concessão do registro. A autorização foi concedida pelo prazo de um ano e estará na condição de “venda sob prescrição”. A Argentina é o primeiro país latino-americano a registrar oficialmente a vacina Sputnik V para uso em seu território. O país já contabilizou 1.555.279 casos de Covid-19 e 42.254 mortes pelo vírus.



Comissão da ONU retira maconha da lista de drogas consideradas mais perigosas

Foto: Reprodução l Pixabay

A Comissão de Drogas Narcóticas da Nações Unidas, ligado à Organização Mundial de Saúde (OMS), aprovou nesta quarta-feira (2) a retirada da cannabis, popularmente conhecida como maconha, da lista de drogas consideradas mais perigosas. A reclassificação, contudo, não dispensa a necessidade de políticas para o controle do uso da planta, que agora está no mesmo patamar da morfina. Antes, a cannabis estava ao lado de outras substâncias "suscetíveis a abusos e à produção de efeitos danosos" e "sem capacidade de produzir vantagens terapêuticas". A cada dia cresce o número de países que flexibilizam as leis sobre o uso de maconha. Recentemente, Uruguai, Canadá e alguns estados dos EUA, como a Geórgia, extinguiram as punições para os usuários ou legalizaram completamente o uso. O México, um dos países que mais sofrem com o avanço do narcotráfico, aprovou no Senado o texto da legalização da maconha no mês passado, tanto para o uso medicinal quanto recreativo.



Impactos sociais da pandemia serão ainda mais graves em 2021, prevê ONU

Foto: Divulgação

Os reflexos já sentidos pela população em relação a pandemia da Covid-19 neste ano podem se agravar em 2021, prevê a ONU. Segundo a Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e Caribe, a previsão é de 231 milhões dos 656 milhões de habitantes da região estarão em situação de pobreza no início de 2021. Esse será o pior patamar desde 2005. A ONU ainda alerta que sobre o risco de que a vacina contra a covid-19 chegue apenas para uma parcela rica do planeta e que milhões de pessoas ainda tenham de esperar meses ou anos para serem imunizados. Traz reportagem de Jamil Chade para o portal Uol. Diante disso, é grande a possibilidade da crise humanitária se agravar e atingir um número recorde de 235 milhões de pessoas, exigindo um esforço inédito na história da organização. "Se todos aqueles que precisarem de ajuda humanitária no próximo ano vivessem num país, seria a quinta maior nação do mundo, com uma população de 235 milhões de habitantes", afirmou a ONU. A entidade, segundo a reportagem, planeja uma operação com o objetivo de alimentar e dar abrigo para 160 milhões de pessoas em 2021. A operação de resgate vai precisar de US$ 35 bilhões para sair ao socorro de um verdadeiro exército de famintos, destituídos e abandonados em locais como Síria, Venezuela, Paquistão, Haiti, Afeganistão, Iêmen, Colômbia, Ucrânia e outros países.



Mãe tem Covid na gravidez e bebê nasce com anticorpos contra doença em Singapura

Foto: Reprodução

Um bebê nasceu em Singapura com anticorpos contra a Covid-19, após a mãe ser infectada pelo novo coronavírus na gestação. O nascimento aconteceu esse mês, e a mãe, Celine Ng-Chan, de 31 anos, testou positivo no mês de março, no início da gestação. A informação foi publicada no jornal "Straits Times" neste domingo (29). Na época em que testou positivo Celine apresentou sintomas leves e recebeu alta do hospital após duas semanas e meia, traz reportagem do G1. Sobre a possibilidade de uma grávida passar anticorpos para o filho, a Organização Mundial de Saúde (OMS) fez uma declaração em que afirma que ainda não se sabe. Até o momento, o vírus ativo não foi encontrado em amostras do fluido que fica ao redor dos bebês durante a gestação, bem como no leite durante a gestação.



Portugal: Brasileiro é acusado de matar a própria mãe usando faca de cozinha

Foto: Ilustrativa

Um brasileiro de 23 anos é acusado de matar a facadas a própria mãe na casa em que eles moravam nos arredores de Lisboa. Ele não resistiu à prisão. O marido da mulher a encontrou caída no chão da cozinha, já sem vida. Ele chamou socorro e acionou a polícia. O corpo apresentava várias marcas defensivas que mostravam que a mulher provavelmente tentou se defender. O crime teria sido cometido com faca de cozinha. O marido da vítima, que é ex-bispo de uma igreja, agradeceu ao apoio que vem recebendo e anunciou que fará uma live em breve para falar sobre o ocorrido.



Vacina russa é segura e induz resposta imune, aponta 1º estudo

Foto: Reprodução

O primeiro estudo referente a vacina russa contra a covid-19, chamada de Sputnik V, foi publicado nesta sexta-feira (4), pela revista científica Lancet. De acordo com a pesquisa, que apresenta resultados referente às fases 1 e 2, o imunizante parece seguro, e não causa efeitos adversos importantes, além da capacidade de induzir a resposta imune (produção de anticorpos) no organismo dos voluntários. Por outro lado, pesquisadores alertam que uma vacina desenvolvida de maneira precipitada pode ser perigosa, uma vez que a fase final dos testes (3), que normalmente dura meses e envolve milhares de voluntários, começou apenas recentemente. Os autores da pesquisa, porém, fazem uma ressalva. Não houve grupo de controle, aquele que recebe uma substância inativa, o placebo. Com isso, não foi possível comparar os efeitos da vacina russa em quem a recebeu com os que não a receberam, o que é considerado pelos pesquisadores como uma limitação do estudo.



Russos querem usar Brasil e outros 3 países como base para a produção da Sputnik V

Foto: Reprodução

Os responsáveis pelo desenvolvimento da vacina russa Sputnik V, contra o novo coronavírus, pretendem usar o Brasil e outros três países -- Índia, Coreia do Sul e Cuba- como um "hub" para a produção e a exportação da nova imunização. Em entrevista coletiva virtual com jornalistas do mundo inteiro nesta quinta-feira (20), os pesquisadores e o representantes do Fundo de Investimento Direto da Rússia também anunciaram que a testagem clínica da nova vacina em 40 mil voluntários vai ter início na próxima semana. Questionado sobre a capacidade de produção da vacina para atender a demanda, Kirill Dmitriev, diretor-presidente do Fundo de Investimentos Diretos da Rússia, respondeu que a solução será recorrer a países estrangeiros. "Nós estamos vendo que o fator-chave é a produção da vacina em outros países. E vou aqui destacar Índia, Brasil, Coreia do Sul e Cuba. Eles têm potencial para produzir a vacina e servir de hub, de base, para a produção", disse o diretor. Dmitriev também afirmou que os responsáveis pela vacina já possuem os resultados dos testes clínicos das fases 1 e 2, mas que esses dados só serão compartilhados com os países "parceiros". Os pesquisadores russos também adiantaram que pretendem fazer alguns testes clínicos fora de seu país, como na Arábia Saudita e "talvez" no Brasil. No entanto, não ficou claro se esses testes fariam parte da aplicação da vacina nos 40 mil voluntários.



Recuperação econômica global pode ser mais rápida com vacina. diz OMS

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

A recuperação econômica em todo o mundo pode vir mais rápido se uma vacina contra a covid-19 for disponibilizada a todos como um bem público, afirmou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, na quinta-feira (6). “O compartilhamento de vacinas ou o compartilhamento de outras ferramentas efetivamente ajuda o mundo a se recuperar junto. A recuperação econômica pode ser mais rápida e os danos da covid-19 podem ser menores”, disse Tedros, que participou de um painel de discussão online com membros do Fórum Aspen Security, dos Estados Unidos, moderado pela rede NBC. “O nacionalismo com vacinas não é bom, não vai nos ajudar”, acrescentou Tedros, em alusão à disputa competitiva entre diversas nações e seus laboratórios para criar uma vacina eficaz e pedir o máximo de doses possível com antecedência. Na segunda-feira (3), Tedros disse que o coronavírus é a maior emergência de saúde desde o início do século 20, e que a corrida internacional por uma vacina também é “sem precedentes”. “Precisamos aproveitar este momento para nos juntarmos em unidade nacional e solidariedade global para controlar a covid-19”, afirmou ele no fórum. “Nenhum país estará seguro até todos estarmos seguros.” O diretor de Emergências da OMS, Michael Ryan, questionado sobre a proposta da vacina russa, disse ao painel que são necessários dados de estudo para garantir que os produtos sejam seguros e eficazes. 



Número de mortos em explosão no Líbano passa de 100; equipes buscam desaparecidos

Foto: Divulgação

A Cruz Vermelha libanesa informou nesta quarta-feira (5) que passa de 100 o número de mortos na enorme explosão que atingiu a área portuária de Beirute, capital do Líbano. Equipes de resgate buscam agora por desaparecidos, estimados em 100. Mais de 4 mil pessoas ficaram feridas na tragédia. Agências de notícias internacionais informam que ainda há fumaça saindo do local da explosão nesta quarta. Imagens de drones mostram que a explosão atingiu silos de trigo que ficavam no porto. Estima-se que cerca de 85% dos grãos do país, que são majoritariamente importados, estavam alocado nos armazéns que foram destruídos. As principais ruas do centro da cidade amanheceram cheias de escombros, com as fachadas dos edifícios destruídas e veículos danificados. A suspeita das autoridades é que a explosão tenha ocorrido em um armazém que guardava nitrato de amônio, um tipo de fertilizante, com grande potencial explosivo quando submetido a altas temperaturas. Apesar de o país já ter sido alvo de terroristas e viver período de instabilidade política, não há evidência de que se trate de um atentado terrorista.



Beirute: Explosão em armazém causa destruição no Líbano

Foto: Reprodução

A cidade de Beirute, capital do Líbano, foi atingida por uma grande explosão na tarde de terça-feira (4). Vários vídeos do incidente foram compartilhados nas redes sociais por internautas. De acordo com a agência de notícias estatal NNA, a origem da explosão foi de um armazém de fogos de artifícios. Diversos armazéns ficam localizados na região onde ocorreu a explosão. O número de mortos ocasionadas pela explosão chega a 50, e mais de 2.700 pessoas ficaram feridos.



Número de infectados por coronavírus no mundo é superior a 9 milhões

Foto: Divulgação

O número total de infectados pelo novo coronavírus no mundo superou a marca de nove milhões. De acordo com o painel da universidade norte-americana  Jhons Hopinks, 9.003.042 pessoas já testaram positivo para a Covid-19 até o início da tarde desta segunda-feira (22). O número global de óbitos é de 469.122. Os dados da universidade revelam ainda que mais de 4,4 milhões de pessoas são consideradas recuperadas da doença. Nas três categorias, sendo número de casos, de óbitos e de recuperados, os Estados Unidos e o Brasil ocupam o primeiro e segundo lugar no ranking mundial, respectivamente. Os EUA totalizam 2.289.168 casos registrados, com 120.044 mortes e 622.133 recuperados. O Brasil, por sua vez, registra 1.083.341 casos positivos, 50.591 óbitos e 588.338 recuperados. 



Novo coronavírus já pode ser classificado como pandemia, diz OMS

Foto: Reprodução l Getty Images

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou no início da tarde desta quarta-feira (11) que a proliferação do novo coronavírus já atingiu o patamar de pandemia, em um reconhecimento de que as estratégias até aqui adotadas para conter a expansão da doença não foram suficientes. Essa classificação sinaliza que transmissões recorrentes estão acontecendo em distintas partes do mundo e de forma simultânea. De acordo com a OMS, o número de casos, mortes e países afetados deve subir nos próximos dias e semanas. Nas últimas duas semanas, o número de casos fora da China aumentou 13 vezes e o número de países afetados triplicou. De acordo com o mais recente balanço do órgão, há mais de 118 mil casos em 114 países e 4.291 pessoas morreram. "A descrição da situação como uma pandemia não altera a avaliação da OMS sobre a ameaça representada por esse vírus. Isso não muda o que a OMS está fazendo, nem o que os países devem fazer", afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus, o diretor-geral da entidade. Na prática, contudo, ao anunciar uma pandemia, a organização sinaliza que os governos devem trabalhar não mais para apenas conter um caso, mas para atender parcelas mais amplas de suas populações.



Base militar dos EUA no Iraque é alvo de bombardeio iraniano

Foto: Reprodução l Twitter

Mísseis iranianos foram disparados na terça-feira (7) contra bases norte-americanas no Iraque, segundo informações da TV Globo. Um dos alvos atingidos está a base de Al-Asad, no oeste do Iraque. O local é utilizado de forma conjunta entre iraquianos e americanos. Ainda não há informações sobre possíveis vítimas. Segundo o G1, o Irã lançou "dezenas" de mísseis contra a base. A ação teria sido denominada “Mártir Soleimani”, em referência à morte do general Qasem Suleimani, em Bagdá. Ele foi morto após uma ação autorizada pelo presidente norte-americano Donald Trump, na última semana. O militar era comandante da Força Quds, braço de elite da Guarda Revolucionária do Irã responsável por conduzir operações militares secretas no exterior. Ele era considerado o número dois na hierarquia do Irã, atrás apenas do líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei. Após a ação que culminou com o falecimento do general, lideranças iranianas prometeram uma “severa vingança” contra os Estados Unidos. De acordo com a Folha de S. Paulo, a porta-voz da Casa Branca, Stephanie Grisham, informou que o presidente Donald Trump está a par do ocorrido e monitorando a situação junto a especialistas de segurança do governo.



Homem se afoga após pedido de casamento debaixo d'água

Foto: Reprodução l Rede Social

Um homem americano se afogou após pedir sua namorada em casamento debaixo d'água, na Tanzânia. Steven Weber e sua namorada, Kenesha Antoine, estavam em uma cabana submersa no Manta Resort, perto da ilha de Pemba. As imagens mostram Weber mergulhando para pedir Antoine em casamento. No vídeo, Weber segura um bilhete contra a janela de vidro da cabine, enquanto Antoine observa por dentro. Weber e Antoine haviam reservado quatro noites na cabine subaquática do resort, a cerca de 250 m da costa. A cabine fica dentro da água, a cerca de 10 m de profundidade. No terceiro dia de sua estadia, Weber, que é de Baton Rouge, Louisiana, nos Estados Unidos, mergulhou na água para fazer o pedido. Usando óculos e nadadeiras, ele segurou um bilhete contra a janela de vidro da cabine, enquanto Antoine observava por dentro. O bilhete dizia: "Não consigo segurar o fôlego o suficiente para contar tudo o que amo em você. Mas... tudo o que amo em você, amo mais todos os dias!" 

 

Foto: Reprodução l Rede Social

Mais adiante no vídeo, Weber vira a folha de papel para revelar o pedido, tira um anel de noivado do short e sai nadando. Em seu post no Facebook, a namorada disse que Weber "nunca soube qual seria sua resposta", que teria sido "um milhão de vezes, sim". "Não conseguimos nos abraçar e celebrar o início do resto de nossas vidas juntos, pois o melhor dia de nossas vidas se tornou o pior, na reviravolta mais cruel do destino que se possa imaginar", escreveu ela. "Tentarei me consolar com o fato de termos desfrutado de uma experiência incrível, e de que nós dois estávamos tão felizes e absolutamente emocionados nos nossos momentos finais juntos." 



Aplicativo que envelhece ameaça a privacidade; dizem especialistas de segurança

Foto: Reprodução

O aplicativo FaceApp se tornou a grande sensação do momento, levando milhões de pessoas por todo o mundo a usarem a tecnologia de reconhecimento facial para mostrarem aos seus amigos como seriam se fossem mais velhos ou mais novos. Porém, também têm surgido vários avisos e suspeitas de roubo de dados privados através da FaceApp, notícias que foram recebidas com alguma apreensão dado que o aplicativo lidera as tabelas do Google Play e da App Store. Estas preocupações não são de agora e já duram desde 2017, quando o FaceApp também fez sucesso com outro filtro de imagem. Segundo a ABC Austrália, o app foi criada por developers russos entre os quais Yaroslav Goncharov, que em 2017 contou que o app fazia uso de “redes neurais para modificar qualquer fotografia ao mesmo tempo que a mantinha fotorrealista”. Apesar de ser bem-sucedida naquilo que se propõe a fazer, o FaceApp se tornou o alvo de especialistas em privacidade que apontaram que o aplicativo “pedia mais direitos daquilo que precisava para oferecer o serviço”. “A resposta curta: não usem”, afirmou o presidente da Fundação de Privacidade da Austrália, David Vaile. “É impossível dizer o que acontece quando carrega [uma fotografia] e isso é um problema. Eles dizem que permite o envio para qualquer lugar e para quem queira, desde que haja uma ligação podem fazer muita coisa”. O FaceApp alcançou novamente o status de viral do momento mas, dado que voltou a levantar questões sobre privacidade, é natural que volte a ser visto com desconfiança.



Nasa anuncia duas missões para estudar o Sol e sua influência no espaço

Foto: Divulgação l Nasa l SDO

A agência espacial dos Estados Unidos (Nasa) anunciou duas novas missões para estudar o Sol do nosso sistema solar. O objetivo é aumentar o conhecimento sobre ele e seus "efeitos dinâmicos no espaço" ao seu redor. A Nasa divulgou nota afirmando que uma das missões vai estudar como o Sol exerce influência sobre partículas e energia no sistema solar. A outra pesquisa vai estudar a reação da Terra. "O Sol gera uma vasta efusão de partículas solares conhecidas como vento solar, o que pode criar um sistema dinâmico de radiação no espaço chamado de 'clima espacial'", explicou a agência segundo o G1. O motivo dado pela Nasa, é da necessidade de melhorar os conhecimentos sobre o "clima espacial" e sua interação com a Terra e a Lua para poder minimizar seus eventuais efeitos negativos. A eficácia do programa espacial Ártemis, por exemplo, que pretende enviar uma missão tripulada à Lua, depende desse tipo de descoberta. Nasa estima que próxima missão tripulada na Lua custará US$ 30 bi. A primeira missão das duas anunciadas, chamada "Polarimeter to Unify the Corona and Heliosphere" (PUNCH), vai se concentrar na atmosfera que está ao redor do Sol, a "corona", e estudar a forma como produz o vento solar. Ela vai analisar as emissões que saem da massa solar, como erupções que podem ter algum impacto na Terra.