ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brasil registra 1.840 mortes em 24 horas e volta a bater recorde da pandemia

PRE/Brumado distribui 300 máscaras de proteção individual padronizadas para efetivo

Brumado registra 63 óbitos por conta da Covid-19 e 134 novos casos em 24h

'Cheque em branco': Prefeito envia novo projeto à Câmara para 100% de remanejamento no orçamento 2021

Brumado: Faculdade de medicina e condomínio às margens da BA-262 vão receber rotatória

Idosos acima de 90 anos recebem 2ª dose da vacina CoronaVac/Butantan, em Brumado

Brumado: Homem é preso por porte ilegal de arma de fogo e acusado de ameaçar mulher com divulgação de imagens íntimas

Avião com doses da vacina da Covid-19 bate em jumento que estava na pista em Ibotirama

Durante restrições da pandemia, o trabalhador pode ser prejudicado?; advogado trabalhista esclarece pontos

Artistas bumadenses são selecionados para Mostra Cênica Motin Bahia

Bahia recebe 6ª remessa de vacinas contra Covid-19

Brumado: Novas restrições ampliam dificuldades do 'chapa de caminhão' em conseguir levar sustento para casa

Rui Costa estende toque de recolher na Bahia até 31 de março

Paulo Guedes diz que Brasil pode virar Venezuela em 1 ano e meio

Casos de reinfecção por Covid-19 preocupam Secretaria de Saúde na Bahia

Brumado chega à 400 casos ativos de Covid-19;; 34 estão hospitalizados

Lockdown é suspenso em Brumado e toque de recolher é antecipado para às 19h

Médico é espancado por familiar após alertar sobre riscos da covid-19

Variante brasileira da Covid-19 é mais transmissível, diz pesquisa

Rui Costa e Prefeitos se reúnem para discutir prorrogação de medidas restritivas



BUSCA PELO ARQUIVO "08/2020"

Homem mata esposa após briga por Auxílio Emergencial em Belém

Foto: Reprodução l SBT

Uma mulher de 32 anos, foi assassinada a facadas pelo marido, de 28, em Belém. Imagens da câmera de segurança de um estacionamento registraram o crime. Nas imagens, é possível ver o casal discutindo e o agressor golpeando a vítima com uma faca no peito. Ela chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. A mulher deixa duas filhas. Parentes da vítima contaram que o homem já respondia a um processo por agressão à mulher. Ele foi preso em um shopping no final de semana e confessou a ação. À polícia, ele afirmou que eles haviam discutido por ele não repassar o valor do auxílio emergencial de R$ 600 para ela. As informações são do canal SBT.

 



Pesquisa aponta que 28% dos jovens não voltarão às aulas após pandemia

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Uma pesquisa divulgada no dia 23 de julho apontou que 28% dos jovens e 15 a 29 anos pensam em deixar os estudos quando as escolas e universidades reabrirem, após suspensão das aulas devido à pandemia do novo coronavírus. O vice-presidente do Conselho Nacional da Juventude (Conjuve) e coordenador da pesquisa "Juventudes e a pandemia do Coronavírus", Marcus Barão, disse à Agência Brasil que o processo visa construir uma base sólida de evidências, de dados, que sejam capazes de apoiar tomadores de decisão das esferas pública e privada na formulação de políticas públicas e projetos “para e com a juventude no período de pandemia, tanto para o enfrentamento dos desafios de agora, como para a construção de perspectivas para o futuro”. Os 33.688 jovens que responderam ao questionário são oriundos de todos os estados da Federação e do Distrito Federal. Outro dado da pesquisa aponta que, em relação ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), quase 50% manifestaram dúvida em fazer as provas. Para os organizadores da pesquisa, isso significa um risco ao processo de pleno desenvolvimento da juventude nessa etapa-chave da vida. “Isso é crítico não só quando a gente olha para o indivíduo, mas quando a gente olha para a condição de país, isso fica muito sério porque, basicamente, a gente tem hoje a maior geração de jovens da história do Brasil”. Barão lembrou, porém, que antes da pandemia, a juventude já enfrentava grandes desafios. A taxa média de desemprego entre a população de 18 a 24 anos de idade, por exemplo, era de 27,1%, o que significa mais que o dobro da taxa média de desemprego da população em geral, de 12,2%, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Quando a pandemia vem e interrompe o processo educativo, as alternativas apresentadas de educação remota e à distância elevam as desigualdades de acesso à internet, com bandas limitadas e infraestruturas deficitárias. Os próprios sistemas educacionais não estavam preparados para uma situação desse nível, o que interrompe e atrapalha o processo educacional, observou.

Promovida pelo Conjuve, em parceria com a Organização em Movimento, Fundação Roberto Marinho, Mapa Educação, Porvir, Rede Conhecimento Social, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e Visão Mundial, o levantamento “Juventudes e a Pandemia do Coronavírus" entrevistou jovens de todo o país entre os dias 15 e 31 de maio, por questionário online. A elaboração desse questionário contou com a mobilização de 18 jovens de diferentes realidades e origens, indicados pelas entidades parceiras e de cujos projetos já haviam participado. Todas as fases da pesquisa tiveram os jovens como protagonistas, destacou Marcus Barão. Do universo de respondentes, 66% eram do sexo feminino e 33% do sexo masculino. Segundo os organizadores, isso revela maior engajamento, disponibilidade e interesse das jovens para dialogar com esse questionário e expressar suas opiniões. Barão apontou que isso reforça a importância da construção desse papel de pensar a sociedade das mulheres no Brasil. Com a inovação que a pandemia vai trazer, Barão acredita que escolas vão ter que se adequar e isso pode criar uma nova perspectiva para a juventude. Do total de respondentes, 40% estão na Região Sudeste, 28% no Nordeste, 14% no Sul, 10% no Norte do país e 8% no Centro-Oeste. A maior parte se encontra na faixa etária de 18 a 24 anos (47%), 52% são negros, incluindo pardos e pretos, e 46% são brancos. Do total de consultados, 32% trabalham e estudam, 40% estudam e não trabalham, 18% trabalham e não estudam e 10% não estudam nem trabalham. Desse percentual, 8% disseram estar em busca de trabalho. Trinta e sete por cento moram na capital e 40% no interior. Sessenta e nove por cento participam de algum grupo religioso ou organização social. A pesquisa mostra que o acesso à internet em computador durante o isolamento é menor entre os jovens negros (54%), do que entre os brancos (78%). Os mais jovens dependem financeiramente da família: são 72% na faixa dos 15 aos 17 anos de idade, enquanto os mais velhos são mais independentes financeiramente: 34% entre 18 e 24 anos de idade e 27% entre 25 e 29 anos. Cinquenta por cento trabalhavam antes da pandemia, sendo 40% com trabalho remunerado e carteira assinada. A renda pessoal diminuiu com a pandemia para 33% dos jovens e a renda familiar caiu para 49%. A pesquisa revela também que devido aos efeitos da pandemia sobre a carga de trabalho e a renda, três a cada dez jovens disseram ter buscado complementação para sua renda enquanto seis a cada dez contaram que eles, ou alguém de suas famílias, estão cadastrados para receber a o auxílio emergencial. De forma geral, o sentimento é ruim ou muito ruim em termos de ansiedade, tédio, impaciência. Apesar da predominância dos sentimentos negativos durante o distanciamento social, os jovens se dividem entre otimistas ou pessimistas em relação ao futuro após a pandemia: 27% estão otimistas, contra 34% pessimistas. A maior parte dos jovens que responderam ao questionário está no ensino médio ou na faculdade. As redes sociais e aplicativos de mensagens de WhatsApp e Telegram são os meios em que os jovens menos confiam (67%). Já os sites e aplicativos de órgãos oficiais têm confiança de 65% dos respondentes. Setenta e nove por cento concordam que as medidas de distanciamento social são corretas para evitar a disseminação da covid-19, 65% acham que o comércio e outras atividades não deveriam reabrir sem que o coronavírus esteja controlado e 55% disseram ter medo de sair de casa, mesmo que o comércio e os serviços reabram. Apesar de 72% dos jovens acharem que a pandemia vai piorar a economia do Brasil, 36% acreditam que a organização da sociedade vai melhorar pós-crise, da mesma forma que esperam que o sistema público de saúde do país vai melhorar (40%). Também o modo como trabalhamos vai melhorar um pouco ou muito (49%), com novas oportunidades de trabalho para quem mora afastado dos grandes centros urbanos, por conta do aumento do trabalho remoto. Quarenta e oito por cento também creem que surgirão novas formas de estudar mais dinâmicas e acessíveis que as atualmente em vigor. Os participantes da pesquisa valorizam as ações em relação à ciência e saúde: 96% confiam na descoberta da vacina contra o coronavírus como uma ação importante para a retomada depois da pandemia; 44% dos jovens ainda acham que a sociedade vai reconhecer mais os educadores; e 46% preveem que a ciência e a pesquisa terão mais prestígio e receberão mais investimentos. Além disso, 48% acreditam que as relações humanas e a solidariedade terão mais atenção pós-pandemia.

 

CONTINUE LENDO


Estados perdem R$ 16 bilhões em arrecadação no 1º semestre

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Em meio à crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus, os estados brasileiros atravessaram o primeiro semestre de 2020 com uma queda na arrecadação de R$ 16,4 bilhões em comparação com o mesmo período do ano passado. Levantamento da Folha com base nos relatórios de execução orçamentária dos estados aponta que, das 27 unidades da federação, 20 registraram queda na arrecadação nos primeiros seis meses deste ano. Seis estados e o Distrito Federal tiveram arrecadação maior que no ano passado, com destaque para Mato Grosso e Amapá. Ao todo, os estados tiveram uma receita com impostos, taxas e contribuições de R$ 251 bilhões entre janeiro e junho de 2020 contra R$ 267,6 bilhões no mesmo período de 2019, em valores atualizados pela inflação; uma queda de 6%. A perda de receita aprofundou a crise em estados que já vinham enfrentando um cenário de dificuldade nas contas públicas, caso de Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Os três estados mantêm o pagamento escalonado de servidores públicos. O tempo de atraso para quitar os salários dos servidores, que havia sido reduzido para 13 dias em janeiro deste ano, alcançou 39 dias em maio. Dessa forma, os salários que deveriam ter sido pagos até 31 de maio só foram totalmente quitados em 9 de julho. Em geral, o impacto da perda de receita dos estados só não será pior por causa da aprovação das medidas de auxílio financeiro do governo federal aos estados e municípios. Estados e DF receberão, juntos, R$ 22,3 bilhões. O benefício, contudo, vai compensar apenas entre 30% e 40% da perda de arrecadação dos entes, conforme estudo feito pela Secretaria da Fazenda de São Paulo.



Aeroporto de Vitória da Conquista volta a receber alguns voos nesta segunda (03)

Foto: Luciano Santos l 97News

Nesta segunda-feira (03) o Aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista, vai voltar a receber mais voos suspensos desde março. A partir de agora, vai ser possível viajar direto da cidade para Campinas (SP). No aeroporto atualmente, apenas dois voos estão em operação, um para Salvador e outro para São Paulo. Com isso, a empresa deve operar 303 voos diários em agosto, um crescimento de 290% no comparativo com a malha operada em abril. As passagens para os destinos já estão disponíveis para compra. Segundo a Azul, além de Vitória da Conquista e Ilhéus, outras seis bases serão reabertas neste mês em Dourados (MS), Presidente Prudente (SP), Campina Grande (PB), Governador Valadares (MG), Juiz de Fora (MG) e Joinville (SC).



Bahia registrou mais 1.550 novos casos da Covid-19 nas últimas 24 horas

Foto: Reprodução

A Bahia registrou nas últimas 24 horas 1.550 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,9%) e 2.125 curados (+1,4%). As 55 mortes (+1,6%) registradas neste boletim não representam o quantitativo de óbitos nas últimas 24 horas. Dos 170.476 casos confirmados desde o início da pandemia, 153.598 já são considerados curados, 13.306 encontram-se ativos e 3.572 tiveram óbito confirmado para Covid-19. Os casos confirmados ocorreram em 408 municípios baianos.



Município de Brumado registra mais de 450 pacientes curados da Covid-19

Foto: Divulgação

No boletim de domingo (02), o município de Brumado registrou 453 pessoas curadas da Covid-19, o novo coronavírus. Desde o início da pandemia, a cidade já registrou 525 casos da doença. O número representa 18,64% do total de 2.816 notificações. Entre os diagnósticos: 3 internações, 4 óbitos, 68 pacientes em tratamento e 453 recuperados. No momento, 50 ainda aguardam resultado laboratorial e 1028 já foram descartados. As notificações suspeitas abrangem pacientes com quadros de síndromes gripais diversas, dentre os quais alguns se encaixam nos critérios para realização do exame RT-PCR ou via teste rápido. Estes últimos estão sendo usados de forma criteriosa, em casos excepcionais, como estratégia para ampliar e tornar mais eficaz o enfrentamento à pandemia no município.



Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Foto: Divulgação

Com o objetivo de facilitar a marcação de consultas, a Clínica Mais Vida criou um quadro com as datas de atendimento dos especialistas e procedimentos. A clínica funciona de segunda a sábado. Confira o quadro acima e marque a sua consulta através dos telefones (77) 3441-4545 / (77) 99951-4755 / (77) 99180-9496 / (77) 3441-4500 / (77) 99989-6868. A nossa matriz está localizada na Avenida Otávio Mangabeira, 265 (Próximo a Biblioteca) e nossa filial na Rua Coronel Paulino Chaves, 160, Centro.