ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Sergio Moro comemora aprovação do pacote anticrime na Câmara

'Gato de energia': Operação prende 35 pessoas e recupera 260 milhões de kilowatts este

Brumado: Moradores cobram da prefeitura recuperação de manancial do bairro Olhos D'água

Mais de 70 famílias ficam desalojadas após forte chuva em Itambé

Bahia registrou novos casos de Aids em 2018; Sesab realiza ações de conscientização

Ultrapassado: Comunidade rural de Brumado recebe orelhão 15 anos após solicitação

Profissionais da Sesoc participam de Seminário de Acolhimento Familiar do MP

Brumado: Cipe Sudoeste apreende mulher por tráfico de drogas no bairro Irmã Dulce

Eleições 2020: Fabrício Abrantes recebe apoio do ex-vereador Romar Pereira em Brumado

Menor acusado de vários arrombamentos é apreendido pela Polícia em Brumado

Brumado: Preço alto da carne já afeta o churrasquinho

Conquista: Dupla é presa transportando mais de 50 Kg de maconha em ônibus de turismo

Desembargadores elegem Lourival Trindade como novo presidente do TJ-BA

Brumado: Loja Maçônica Manoel Carvalho promoverá primeiro 'Costelão Maçônico'

Brumado: O perigo dos smartphones para os olhos das crianças; oftalmologista faz alerta

Brumado: Estudante brumadense recebe nesta quarta (4) prêmio do Concurso Agenda 2020

Jequié: Polícia Civil descobre abatedouro de clandestino de cavalos; carne era vendida na região como bovina

'Operação Assepticus': PF cumpre mandados contra acusados de fraude em bancos

Brumado: Após parecer favorável do MPE sobre sua cassação, prefeito afirma que está confiante na Justiça

ONU e UNFPA fazem apelo pelo fim da violência contra a mulher


Temer faz ofensiva sobre aliados de Renan para evitar chapa de oposição

(Foto: Divulgação)

Disposto a costurar um acordo com adversários internos para permanecer no comando do PMDB pelos próximos dois anos, o vice-presidente da República, Michel Temer, deu início a uma ofensiva sobre aliados do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a fim de evitar o lançamento de uma chapa de oposição na eleição que irá escolher o novo presidente do partido. A votação que elegerá a nova direção do PMDB está prevista para março, durante a convenção nacional da sigla, em Brasília. Algumas lideranças peemedebistas, como o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), defendem que a legenda aproveite o encontro partidário para discutir o rompimento com o governo Dilma Rousseff. Atualmente, o PMDB controla, além da Vice-Presidência da República, seis ministérios e diversos cargos de segundo e terceiro escalão do governo federal. Até o momento, o único candidato para o cargo de presidente do PMDB é Michel Temer. Ele está no comando do partido desde 2001. No entanto, depois da troca de farpas protagonizada publicamente em dezembro pelo vice-presidente da República e pelo presidente do Senado, aliados de Renan passaram a ventilar o interesse do senador alagoano em patrocinar uma candidatura de oposição a Temer.

Os dois se estranharam após Eduardo Cunha autorizar, no início de dezembro, a abertura do processo de impeachment de Dilma. Mesmo pressionado por integrantes do Palácio do Planalto a manifestar apoio à presidente da República, Temer optou por não criticar a tentativa de oposicionistas de afastar a petista da Presidência. Renan, entretanto, aproveitou a ocasião para se aproximar ainda mais de Dilma. Além de ajudar o Planalto a aprovar no apagar das luzes de 2015 a mudança da meta fiscal e o Orçamento da União para 2016, o presidente do Senado surpreendeu o PMDB ao criticar a postura do presidente do partido no episódio da destituição do deputado Leonardo Picciani (RJ) como líder do PMDB na Câmara. Simultaneamente, senadores ligados a Renan acusaram o vice-presidente de ter operado uma intervenção na bancada da Câmara para afastar Picciani, que havia indicado apenas deputados afinados com o governo para a comissão especial do impeachment. À época, Renan acusou Temer e o próprio PMDB – partido comandado pelo vice há 14 anos – deterem "muita culpa" na crise política que o país enfrentou no fim do ano passado. Em resposta à provocação do presidente do Senado, Temer declarou, por meio de uma nota, que o PMDB "não tem dono nem coronéis". O mal-estar gerado pelas declarações rachou o partido. Diante do risco de ver surgir uma candidatura de oposição, Temer passou a se movimentar nos bastidores. A primeira reação do atual presidente do PMDB, relataram ao G1 pessoas próximas a Temer, foi procurar o senador Romero Jucá (RR-PMDB) para pedir que ele intermediasse junto ao grupo de Renan Calheiros uma chapa que contemplasse os aliados do parlamentar alagoano e tivesse o aval dos demais caciques da bancada. A direção nacional do PMDB é formada por um presidente, três vices, três secretários e dois tesoureiros. Na composição atual, a primeira vice-presidência, a terceira e a tesouraria estão sob o comando de senadores próximos a Renan Calheiros – Valdir Raupp (RO), Romero Jucá e Eunício Oliveira (CE), respectivamente. Peemedebistas dizem que o objetivo de Romero Jucá é trocar o atual posto de terceiro vice-presidente do PMDB pela presidência ou pelo cargo de primeiro vice – que assume o comando do partido em uma eventual licença do presidente. Para isso ocorrer, entretanto, o atual primeiro vice, Valdir Raupp, teria de aceitar a troca em uma chapa ainda a ser formada – segundo pessoas próximas ao senador de Rondônia, ele espera ser consultado por Temer antes de a mudança ser definida.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário