ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: 'População que cobra, também é a que depreda bens públicos', diz morador do Brisa I

Associação do Campo Seco se destaca na produção de vassouras e artesanatos em Brumado

Nova vítima do golpe com 'falso depósito' perde carro avaliado em R$ 7 mil

Barreiras: Bombeiros são atacados a tiros enquanto combatia incêndio

Hemoba esclarece falta de 'bolsas' de coleta no hemocentro de Brumado

Clínica Master: Cirurgião Geral Dr. Pedro Thiébaut

Especialistas alertam para risco de pandemias globais em assembleia da ONU

RotSat: Rastreamento veicular com qualidade, eficiência e segurança

Brumado: Câmara vota hoje (23) projeto de lei que insere, altera e revoga dispositivos da Zona Azul

Brasileiros de alta renda são menos tributados na média dos países do G7, diz pesquisa

Inovare Odontologia & Saúde: O que é Gengivite e Periodontite

Brumado: Moradores do bairro São Jorge denunciam queimadas provocadas pela população na margem do Rio do Antônio

Caculé: Homem que estava desaparecido à três dias é encontrado morto; choque elétrico pode ter provocado o óbito

BR-030: Caminhão carregado com maracujina tomba próximo ao distrito de Ibitira

Brumado: Homem é baleado em tentativa de assalto na BA-148, próximo à entrada de Pedra Preta

Homem se afoga após pedido de casamento debaixo d'água

Homem é detido transportando mais de cem celulares sem nota fiscal em Jacobina

Moradora de Guajeru relata susto com roda de ônibus escolar que se soltou enquanto transportava alunos da zona rural

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Livramento de Nossa Senhora: Polícia investiga casos de clonagem de números de telefone na cidade


Brumado: Com mais de 40 anos de história, moradores cobram revitalização do Mercado do São Felix

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Uma parte essencial da história de Brumado pode perder seu capítulo após o esquecimento do poder público. O Mercado do São Felix, localizado na praça Dr. Chagas Diniz, agora com 42 anos preserva uma estrutura que já abrigou vários comerciantes, não só do próprio bairro, mas como outros feirantes de Brumado e Região. Construído em 1977, o local funcionava na época como uma feira em que os produtores rurais vendiam suas mercadorias. Com o passar do tempo, naturalmente o Mercado se tornou o grande centro de compras do bairro, e agora se encontra praticamente um deserto, ao não ser pelos poucos clientes que ainda entram para comprar na barraca de dona Maria Ribeiro de Sá, que resiste ao tempo vendendo frutas e verduras em seu box. Em entrevista ao 97NEWS, a comerciante diz que o Mercado ainda está limpo e organizado graças ao seu filho, que por conta própria realiza pequenas reformas na estrutura do prédio. "Aqui a gente cuida de tudo, compramos material de limpeza, pagamos para limpar, até a energia somos nós que pagamos, com exceção apenas da água, que ainda é a prefeitura que paga", relata a comerciante. Maria que há 25 anos trabalha no Mercado, disse ainda que os moradores cobram melhorias do local, trazendo mais conforto aos clientes. "Tem muitos boxes vazios aqui, mas para os comerciantes trabalharem, é preciso uma melhoria no local, e muitos preferem ficar do lado de fora com as barracas montadas por eles", disse ao 97NEWS. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

O filho de dona Maria, o açougueiro Mazinho afirmou que todos os anos paga do próprio bolso para pintar e realizar pequenos reparos na estrutura do prédio. "Desde que os comerciantes foram saindo daqui, ficando apenas eu e minha mãe, faço reformas no local. Já trocamos a fiação, pintura, reforçamos a segurança com alarmes, tudo isso porque não temos um guarda aqui para proteger o prédio", afirmou o açougueiro que ainda completou destacando que luta dia a dia para manter a tradição para os moradores. "Por está mais próximo deles, os moradores preferem vir aqui, ao invés de ir a feira livre, que fica um pouco distante do bairro", esclareceu Mazinho. Moradora do bairro há mais de 40 anos, Edinalva Rosa lembra que o Mercado do São Felix já ajudou a matar a sede de muita gente em Brumado na escassez de água. "Aqui tinha um poço, que na época de seca, os moradores vinham para pegar água, já peguei vários e vários baldes de água aqui, muita saudade desse Mercado", lembrou a moradora. Outro morador da localidade, Djalma Silva Sinval, de 69 anos conta que o Mercado para muitos era a diversão de domingos, onde o fluxo de clientes era muito grande. "Infelizmente uma história de Brumado que está se acabando aos poucos. Muito triste isso. Sabemos que tudo se modernizou, mas a nossa cultura e a nossa história jamais deve morrer", alertou o aposentado.

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário