ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Homem ateia fogo em carro e morre queimado ao entrar no veículo no Ceará

Caetité: Presos que arrombaram celas, furtam munições e armas de grosso calibre morrem em confronto com a Caesg

Caetité: Presos arrombam celas, furtam munições, armas de grosso calibre e fogem da delegacia

Cipe Sudoeste realiza 'Operação Tiradentes' para coibir delitos durante o feriado de Páscoa

Dois suspeitos de manter 10 venezuelanos em situação de trabalho escravo são presos em Itabuna

Conquista: Mãe de recém-nascido abandonado é localizada após denúncia anônima

Bolsonaro defende que invasão de terra pode ser tratada como terrorismo

Batida entre van e caminhão deixa quatro mortos e quatro feridos em Barreiras

Barra da Estiva: Jovem baleado durante feminicídio não resiste e morre

Brumado: 34ª CIPM realiza 'Operação Semana Santa' durante o feriado prolongado

Começou nesta quinta (18) o recadastramento de clientes com celulares pré-pagos

Homem mata namorada grávida de três meses e fere mais duas pessoas em Barra da Estiva

PRE inicia operação da Semana Santa nas rodovias do Sudoeste

RHI Magnesita abre processo seletivo para vaga de emprego em Brumado; inscrições até 23/04

Brumado: Mulher atropelada por motocicleta não resiste aos ferimentos e vem a óbito; veja o vídeo

Brumado: Mulher sofre forte impacto na cabeça após ser atropelada por motocicleta

Brumado: Comércio à espera das vendas de Páscoa

Clínica Master: Ultrassonografia

Brumado: Vem ao a '2ª Meia Maratona do Terrão' na comunidade de Campo Seco I

Brumado: Aula inaugural marca o retorno do Programa AABB Comunidade


Aumenta para 165 o número de mortos em Brumadinho; 160 estão desaparecidos

Foto: Divulgação

Dezessete dias após o rompimento da barragem em Brumadinho, a Defesa Civil de Minas Gerais informou que o número de mortos subiu para 165. Há 156 vítimas já identificadas, e 160 pessoas continuam desaparecidas. A operação de busca conta com 35 equipes em campo pela região. No total, há 352 profissionais engajados na busca por desaparecidos. Os focos são na usina de Instalação de Tratamento de Minério (ITM), na parte administrativa -refeitório, casa e estacionamento-, na área da ferrovia e em locais com acúmulo de rejeito. Segundo os profissionais envolvidos, as buscas seguirão até sejam retirados todos os corpos ou até que não seja mais possível encontrá-los. Para efeito de comparação, as buscas em Mariana duraram três meses. A ideia é fazer um pente-fino pela área devastada --cera de 3,96 quilômetros quadrados. Apesar dos esforços, internamente, alguns militares cogitam a hipótese de não ser possível encontrar todas as vítimas. A barragem que se rompeu liberou cerca de 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro, que já chegaram ao rio Paraopeba, que passa pela região. Era uma estrutura de porte médio para a contenção de rejeitos de minério de ferro da Vale e estava desativada. Seu risco era avaliado como baixo, mas o dano potencial em caso de acidente era alto.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário