ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Rui Costa fará visita técnica ao Aeroporto de Vitória da Conquista nesta quinta-feira (18)

Criança é hospitalizada após ingerir entorpecentes enquanto brincava na varanda do apartamento

Cipe Nordeste erradica cerca de 10 toneladas de maconha em Euclides da Cunha

Brumado: Mãe de paciente faz elogios a médico de hospital mas critica atuação de outros profissionais

Internauta filma ninho de cobras de perto e as imagens chamam a atenção

TCE desaprova contas da EBDA e ex-gestores irão pagar R$ 39,3 mil em multas

Carreta de Brumado se envolve em acidente no Norte de Minas; uma pessoa morreu

Ortopedia na Clínica Master com Dr. Claudio Freitas

Brumado: Moradores esperam por dois anos reforma de ponte na comunidade do Jacaré

New Kenko Purificadores: Beba água de qualidade e garanta a saúde para sua família

Ituaçu: Polícia prende homem por cárcere privado e Maria da Penha

Ministério da Saúde suspende contratos de distribuição gratuita de remédios

Reforma tributária pode criar maior imposto do mundo

Aplicativo que envelhece ameaça a privacidade; dizem especialistas de segurança

No aniversário de 50 anos do lançamento da Apollo 11, eclipse lunar encanta brumadenses

Bahia: Governador anuncia realização de concurso para polícias Civil e Militar ainda neste ano

Brumado: Advogado Tiago Amorim lança nome como pré-candidato a prefeito

Prefeitura de Brumado pavimentará cerca de 150 ruas no município; ordem de serviço já foi assinada

Projeto Pequeno Cidadão será realizada pela quarta vez no posto do Sac em Brumado

Bahia: Homem é preso suspeito de invadir escola e esfaquear mulher 12 vezes


Aumenta para 165 o número de mortos em Brumadinho; 160 estão desaparecidos

Foto: Divulgação

Dezessete dias após o rompimento da barragem em Brumadinho, a Defesa Civil de Minas Gerais informou que o número de mortos subiu para 165. Há 156 vítimas já identificadas, e 160 pessoas continuam desaparecidas. A operação de busca conta com 35 equipes em campo pela região. No total, há 352 profissionais engajados na busca por desaparecidos. Os focos são na usina de Instalação de Tratamento de Minério (ITM), na parte administrativa -refeitório, casa e estacionamento-, na área da ferrovia e em locais com acúmulo de rejeito. Segundo os profissionais envolvidos, as buscas seguirão até sejam retirados todos os corpos ou até que não seja mais possível encontrá-los. Para efeito de comparação, as buscas em Mariana duraram três meses. A ideia é fazer um pente-fino pela área devastada --cera de 3,96 quilômetros quadrados. Apesar dos esforços, internamente, alguns militares cogitam a hipótese de não ser possível encontrar todas as vítimas. A barragem que se rompeu liberou cerca de 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro, que já chegaram ao rio Paraopeba, que passa pela região. Era uma estrutura de porte médio para a contenção de rejeitos de minério de ferro da Vale e estava desativada. Seu risco era avaliado como baixo, mas o dano potencial em caso de acidente era alto.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário