ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Intermunicipal: Jogo entre Brumado e Luís Eduardo Magalhães vai acontecer em Riachão das Neves

Oficial: PT registra candidatura de Lula à Presidência no TSE

Brumado: Gincana Educativa 'Ser Honesto é Legal'´ foi realizada na escola CMEAS

Ibotirama: Músico brumadense Chiquinho Amorim conquista 2º lugar no Festival de Música Popular

Barra da Estiva: Polícia Civil elucida morte do comerciante "Moquinha"; este é o sétimo homicídio registrado na cidade

Brumado: Estudante de engenharia relata descaso e falta de respeito da Viação Novo Horizonte com passageiros

Vitória da Conquista: Taxista é acusado de sedar passageira, levar para motel e estuprá-la

Nota de Esclarecimento da Justiça de Brumado em relação à matéria de prisão preventiva de brumadense

Homem é vítima de tentativa de latrocínio no distrito de Samambaia, em Brumado

Brumado: Polícia já tem indícios da autoria das mortes em série de cães

Acidentes de moto correspondem a quase 80% do DPVAT pago só no primeiro semestre deste ano

Vila Nova comemora título e bons resultados em festa do Dia dos Pais

Brumado: População questiona, como vamos assistir o jogo entre a seleção Brumadense e São Desidério? TVE está fora do ar!

Neurologia na Clínica Master com Drª Maiara Teixeira

As doenças que os seus olhos revelam; saiba as patologias que sua íris denuncia

Seis em cada dez crianças vivem em situação precária no Brasil, diz Unicef

Com sintomas parecidos mulher e duas filhas morrem em menos de 15 dias após mal-estar; polícia investiga caso

Bebê é abandonado ainda com cordão umbilical ao lado de campo de futebol na Bahia

Ibotirama: Homem é preso por se passar por PM para obter vantagens

TRE-BA determina que Coronel deixe de veicular propaganda antecipada pelo WhatsApp


Protestos: Antes do WhatsApp bombar no Brasil, Facebook era a plataforma mais usada; veja o que mudou

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Se olhasse para o Brasil, Mark Zuckerberg teria uma ótima notícia e outra nem tão boa assim. Aquela de que ele não vai gostar é que o Facebook já não é crucial para debates e mobilizações sociais, como as que ocorreram nas manifestações de junho 2013. A boa é que a rede social deu lugar a outro produto de sua empresa, o WhatsApp, que virou o canal para organizar encontros e greves, como a dos caminhoneiros, que paralisou o país por 10 dias neste ano. Segundo especialistas, acadêmicos, ativistas e empresários, em cinco anos, o aplicativo de bate-papo tornou-se a forma mais simples de se comunicar para muita gente que teve contato pela primeira vez com a internet, e deu abrigo aos insatisfeitos com as políticas de distribuição de conteúdo do Facebook, que ganha milhares de dólares dando visibilidade a grupos de conversa. Nada disso, no entanto, seria possível sem que os smartphones virassem a principal ponte entre os brasileiros e o mundo online. Um dos marcos na migração do computador para o celular foi 2014. Naquele ano, mais de 50% das casas brasileiras passaram a estar conectadas pela primeira vez. A maior inclusão online foi puxada pelos celulares que, coincidentemente, desbancaram os desktops naquele ano e viraram o aparelho mais usado pelo brasileiro na hora de entrar na internet. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Mas hoje, para entrar em rede social e mandar e-mail, você já faz em um aparelho na palma da sua mão. Se com o Facebook, o debate girava em torno dos algoritmos “que mediavam a forma como recebíamos as informações”, com o Whatsapp, essa discussão não existe. A informação circula conforme as suas redes de contato e grupos dos quais você faz parte, sem qualquer tipo de filtro editorial. Isso leva a uma outra dinâmica. Como o Facebook tem priorizado posts de pessoas e não de páginas, isso tem diminuído muito o alcance de veículos de imprensa, o que fez com que as articulações para manifestações passem mais pelo WhatsApp e YouTube. Apesar de ter nascido como aplicativo de bate-papo, o WhatsApp ganhou ares de redes sociais graças a recursos como as listas de transmissão, e aos grupos. Esse panorama já ocorre na China, onde aplicativos como o Wechat já permitem agendar corridas de táxis ou carros particulares ou mandar dinheiro a amigos. A era do WhatsApp, no entanto, está longe de acabar. Durante muito tempo, o WhatsApp vai continuar dominando o mercado de mobilização, a não ser que ele crie algum tipo de nova burocracia ou dificuldade para os usuários.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário