ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Orthodontic Center abre vaga para promotor de vendas em Brumado

Brumado: Ator dos filmes, 'Tropa de Elite 2' e 'Sertânia' apresentará monólogo premiado nesta terça (26) na cidade

VLI e Prefeitura de Brumado se reúnem para alinhamento de ações

Estudantes da rede estadual de Aracatu apresentam projeto sobre meio ambiente em Salvador

Últimos preparativos para o São Pedro dos Olhos D'Água

‘Aqui tem muito assalto e imagina agora sem luz’, relatam moradores da Rua Vereador Paulo Chaves

Mecânico brumadense cai em golpe aplicado por estelionatário; prejuízo foi de R$ 45mil

Solidariedade: Promoter se sensibiliza e realiza sonho de menino de ter uma bicicleta

Reumatologia é no Centro Médico São Gabriel com Dr. José Alberto Simões

Barbaridade: Homem é encontrado morto com pés e as mãos decepados em Guanambi; ex-mulher é suspeita de participação no crime

Programa de TV faz leitura labial em Neymar e revela show de xingamentos

Brumado: Caso suspeito de H1N1; paciente está internado na UTI do HMPMN em estado grave

Fonoaudiologia na Clínica Master com Drª Marcela Cássia

Copa da Rússia: Decisão do líder do Grupo A e definição do Grupo B

Rui Costa reúne ‘conselho político’ para apresentar chapa; anuncio não passa dessa semana, apostam aliados

Ministro do STF homologa duas delações fechadas pela PF; casos estão em sigilo

97NEWS deseja a todos um Feliz São João

Irresistível: As delícias do São João com uma qualidade inigualável você só encontra na Padaria Divina

A síndrome metabólica e o sedentarismo

'Fui traída por todos eles', afirmou Deborah Secco sobre polêmica envolvendo ex-namorados


Protestos: Antes do WhatsApp bombar no Brasil, Facebook era a plataforma mais usada; veja o que mudou

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Se olhasse para o Brasil, Mark Zuckerberg teria uma ótima notícia e outra nem tão boa assim. Aquela de que ele não vai gostar é que o Facebook já não é crucial para debates e mobilizações sociais, como as que ocorreram nas manifestações de junho 2013. A boa é que a rede social deu lugar a outro produto de sua empresa, o WhatsApp, que virou o canal para organizar encontros e greves, como a dos caminhoneiros, que paralisou o país por 10 dias neste ano. Segundo especialistas, acadêmicos, ativistas e empresários, em cinco anos, o aplicativo de bate-papo tornou-se a forma mais simples de se comunicar para muita gente que teve contato pela primeira vez com a internet, e deu abrigo aos insatisfeitos com as políticas de distribuição de conteúdo do Facebook, que ganha milhares de dólares dando visibilidade a grupos de conversa. Nada disso, no entanto, seria possível sem que os smartphones virassem a principal ponte entre os brasileiros e o mundo online. Um dos marcos na migração do computador para o celular foi 2014. Naquele ano, mais de 50% das casas brasileiras passaram a estar conectadas pela primeira vez. A maior inclusão online foi puxada pelos celulares que, coincidentemente, desbancaram os desktops naquele ano e viraram o aparelho mais usado pelo brasileiro na hora de entrar na internet. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Mas hoje, para entrar em rede social e mandar e-mail, você já faz em um aparelho na palma da sua mão. Se com o Facebook, o debate girava em torno dos algoritmos “que mediavam a forma como recebíamos as informações”, com o Whatsapp, essa discussão não existe. A informação circula conforme as suas redes de contato e grupos dos quais você faz parte, sem qualquer tipo de filtro editorial. Isso leva a uma outra dinâmica. Como o Facebook tem priorizado posts de pessoas e não de páginas, isso tem diminuído muito o alcance de veículos de imprensa, o que fez com que as articulações para manifestações passem mais pelo WhatsApp e YouTube. Apesar de ter nascido como aplicativo de bate-papo, o WhatsApp ganhou ares de redes sociais graças a recursos como as listas de transmissão, e aos grupos. Esse panorama já ocorre na China, onde aplicativos como o Wechat já permitem agendar corridas de táxis ou carros particulares ou mandar dinheiro a amigos. A era do WhatsApp, no entanto, está longe de acabar. Durante muito tempo, o WhatsApp vai continuar dominando o mercado de mobilização, a não ser que ele crie algum tipo de nova burocracia ou dificuldade para os usuários.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário