ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Estudo indica que zika pode provocar infertilidade em homens

Municípios baianos recebem repasse extra de R$ 377 milhões da União

78 supostas vítimas de João de Deus já procuraram o MP de Goiás

BA-148: Motorista não respeita sinalização de rodovia em obra e capota veículo entre Brumado e Livramento

Justiça mantém decisão e ‘Carcará do Sertão’ tem contas reprovadas e ainda terá que devolver cerca de R$ 11 mil ao FEFC

'Rally' entre carros da Coelba era treinamento afirma empresa

SP: Homem mata quatro pessoas na Catedral de Campinas e comete suicídio

BR-030: Vítima fatal em capotamento ocorrido na manhã desta terça-feira (11)

Perícia técnica confirma que ossada encontrada na BA-263 é da adolescente Keliane Oliveira que estava desaparecida

Criatividade fiscal: Governadores promovem ‘tratoradas’ a fim de cumprir a LRF e escapar da prisão

Otorrinolaringologia é no Centro Médico São Gabriel

Policiais civis de Brumado não devem aderir aos protestos e a paralisação da categoria

Justiça determina prisão de médicos que cobravam até R$ 8 mil para furar fila do SUS

Insatisfeitos com as medidas tomadas pelo governador Rui Costa, policiais civis da Bahia devem paralisar atividades a partir de hoje (11)

Brumado: Solenidade de formação da turma do Proerd 2018 é marcada por emoção, alegria e conscientização

Modera participa da elaboração do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Contas

Juiz processa advogado por ser chamado de 'capitão gay' e 'depravado'

Livramentense é encontrado morto em Caetité; vítima sofria de depressão

Brumado: Voluntários participam de ação solidária na comunidade de Pedra Preta

Homens invadem posto de saúde e fazem reféns por mais de 3h


Protestos: Antes do WhatsApp bombar no Brasil, Facebook era a plataforma mais usada; veja o que mudou

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Se olhasse para o Brasil, Mark Zuckerberg teria uma ótima notícia e outra nem tão boa assim. Aquela de que ele não vai gostar é que o Facebook já não é crucial para debates e mobilizações sociais, como as que ocorreram nas manifestações de junho 2013. A boa é que a rede social deu lugar a outro produto de sua empresa, o WhatsApp, que virou o canal para organizar encontros e greves, como a dos caminhoneiros, que paralisou o país por 10 dias neste ano. Segundo especialistas, acadêmicos, ativistas e empresários, em cinco anos, o aplicativo de bate-papo tornou-se a forma mais simples de se comunicar para muita gente que teve contato pela primeira vez com a internet, e deu abrigo aos insatisfeitos com as políticas de distribuição de conteúdo do Facebook, que ganha milhares de dólares dando visibilidade a grupos de conversa. Nada disso, no entanto, seria possível sem que os smartphones virassem a principal ponte entre os brasileiros e o mundo online. Um dos marcos na migração do computador para o celular foi 2014. Naquele ano, mais de 50% das casas brasileiras passaram a estar conectadas pela primeira vez. A maior inclusão online foi puxada pelos celulares que, coincidentemente, desbancaram os desktops naquele ano e viraram o aparelho mais usado pelo brasileiro na hora de entrar na internet. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Mas hoje, para entrar em rede social e mandar e-mail, você já faz em um aparelho na palma da sua mão. Se com o Facebook, o debate girava em torno dos algoritmos “que mediavam a forma como recebíamos as informações”, com o Whatsapp, essa discussão não existe. A informação circula conforme as suas redes de contato e grupos dos quais você faz parte, sem qualquer tipo de filtro editorial. Isso leva a uma outra dinâmica. Como o Facebook tem priorizado posts de pessoas e não de páginas, isso tem diminuído muito o alcance de veículos de imprensa, o que fez com que as articulações para manifestações passem mais pelo WhatsApp e YouTube. Apesar de ter nascido como aplicativo de bate-papo, o WhatsApp ganhou ares de redes sociais graças a recursos como as listas de transmissão, e aos grupos. Esse panorama já ocorre na China, onde aplicativos como o Wechat já permitem agendar corridas de táxis ou carros particulares ou mandar dinheiro a amigos. A era do WhatsApp, no entanto, está longe de acabar. Durante muito tempo, o WhatsApp vai continuar dominando o mercado de mobilização, a não ser que ele crie algum tipo de nova burocracia ou dificuldade para os usuários.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário