ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Trânsito: Multas por uso de celular ao volante crescem 33% em 2018

Guanambi: 'Pedinte Estuprador' é procurado pela Polícia

Bahia: Mulher se joga de prédio para escapar de incêndio

MP-BA abre inquérito contra delegado-geral da Polícia Civil

Café da Manhã: Uma variedade de delícias com uma qualidade inigualável você só encontra na Padaria Divina

O xadrez e os ensinamentos para a política

Preço da gasolina termina semana em alta, diz ANP

PF combate grande grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros

Caminhada 'Passos que Salvam' será em novembro na cidade de Brumado

TG 06/024 recebe palestra sobre a Semana Nacional do Trânsito em Brumado

Juiz proíbe uso de fogos de artifícios nos municípios de Tremedal, Belo Campo e Piripá

Mulher com bastão de 'selfie' causa confusão em evento de Alckmin em Salvador

Bahia: MPF instaura inquérito para apurar convênio entre governo e UPB a fim de implantar metodologia militar em escolas públicas

Livramento: Polícia identifica bandido morto em confronto e acusados de participarem do roubo ao carro-forte na BR-116

Royalties da mineração baterão recorde em 2018

Mega-Sena pode pagar até R$ 22 milhões em sorteio hoje (22)

Bahia: Carro da Secretaria Municipal de Saúde é flagrado transportando cerveja em Jussari

Forças Armadas foram solicitadas por 9 estados para manter segurança da eleição

Brumado comemora o 'Dia da Árvore' como uma das cidades mais arborizadas do Sudoeste Baiano

GCM de Brumado realiza no CAPS mais uma etapa do projeto ‘Missão Azul Solidária’


Temer 'quase' renunciou em maio, diz aliado

Foto: Reprodução

Auxiliares confirmaram reservadamente à imprensa que uma carta de renúncia chegou a ser redigida, mas o texto acabou nunca vindo a público. Oficialmente, ela nunca existiu. Áudio de uma sessão sigilosa da CPI da JBS revela, no entanto, um dos principais aliados de Temer afirmando ter testemunhado, dentro do gabinete presidencial, a quase renúncia. "Ele quase derrubou o presidente naquele dia 17. O complô era pro dia 18 o presidente renunciar. Quase conseguiu fazer o presidente renunciar! [eleva a voz] E quem tá lhe falando é quem tava dentro do gabinete!" A fala é do relator da CPI, o peemedebista Carlos Marun (MS), um dos mais estrepitosos defensores de Temer no Congresso, integrante da tropa que liderou a rejeição das duas denúncias da PGR (Procuradoria-Geral da República) contra o presidente. O áudio é da sessão secreta do dia 18 de outubro, quando a comissão ouviu o depoimento do advogado e delator da JBS, Francisco de Assis e Silva. O "ele" a quem Marun se refere é Joesley Batista, responsável por gravar Temer. O deputado do PMDB sugere, na sessão, que Assis e Silva aconselhe o dono da JBS, seu chefe, a fazer uma nova delação, revelando como foi o processo de negociação e obtenção de provas da colaboração que gerou uma crise política na atual gestão. O recado é para que Joesley, que está preso desde o início de setembro suspeito de ter omitido informações em sua delação, delate agora o então procurador-geral da República Rodrigo Janot, que comandou o acordo de colaboração dos executivos da gigante das carnes. Aliados de Temer sustentam que Janot tinha o objetivo de derrubar o governo e que, por isso, induziu e orientou de forma ilegal toda a produção de provas. "A flecha saiu pela culatra", ironizou Marun, em referência à frase do ex-procurador-geral -"enquanto houver bambu, lá vai flecha"- de que continuaria apresentando denúncias até o último dia de sua gestão. Janot deixou o cargo em 17 de setembro. Antes de sair, pediu a suspensão dos benefícios de dois delatores, Joesley e Ricardo Saud -também preso atualmente. A nova procuradora-geral, Raquel Dodge, é quem vai definir o futuro dos acordos. Procurado neste domingo (12), Temer negou que tenha pensado em renunciar. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário