ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Prefeitura antecipa 50% do 13º salário dos servidores para o dia 20 de junho

Donos de lotéricas cobram o fim de impasse entre a Caixa Econômica e Coelba; empresários pedem a população para acionar o Ministério Público

Alternativa FM em Luto: Faleceu na noite desta segunda-feira a 'Dona Neuza' mãe do secretário Ivan Oliveira

Salvador: Policial é preso por negociar armas com suspeitos de tráfico

Equivocados: Brasil tem a 2ª população mais fora da realidade do mundo

Crea realiza da Caravana BIM em Brumado e mais 16 cidades da Bahia

Comandante da PM não confirma que mortes em Feira tenham relação com homicídio de policial

Salvador: Homem é preso em flagrante acusado de espionar mulheres em banheiro de igreja

Forró do Sítio Novo 2018: Valeu Brumado!

Agricultores de Palmas de Monte Alto recebem trator agrícola

‘Sertânia’: Filme que retrata o cangaço está sendo rodado em Brumado

RotSat: Contrate o rastreamento de seu veículo ou de sua frota onde você tem confiança e qualidade

Brumado: Coelba vai autorizar novos postos de pagamento para conta de luz; transtornos continuam

Brumadense é preso transportando cocaína na BR-030, próximo a Caetité

Fonoaudiologia na Clínica Master com Drª Marcela Cássia

Conquista: Lojistas protestam contra feira de negócios

Mega-Sena acumula e pode premiar R$ 35 milhões na próxima quarta

Polícia apreende pendrives e anotações em cela de Geddel Vieira Lima

Píton gigante mata e engole mulher na Indonésia

MEC divulga nesta segunda o resultado do Sisu


Temer 'quase' renunciou em maio, diz aliado

Foto: Reprodução

Auxiliares confirmaram reservadamente à imprensa que uma carta de renúncia chegou a ser redigida, mas o texto acabou nunca vindo a público. Oficialmente, ela nunca existiu. Áudio de uma sessão sigilosa da CPI da JBS revela, no entanto, um dos principais aliados de Temer afirmando ter testemunhado, dentro do gabinete presidencial, a quase renúncia. "Ele quase derrubou o presidente naquele dia 17. O complô era pro dia 18 o presidente renunciar. Quase conseguiu fazer o presidente renunciar! [eleva a voz] E quem tá lhe falando é quem tava dentro do gabinete!" A fala é do relator da CPI, o peemedebista Carlos Marun (MS), um dos mais estrepitosos defensores de Temer no Congresso, integrante da tropa que liderou a rejeição das duas denúncias da PGR (Procuradoria-Geral da República) contra o presidente. O áudio é da sessão secreta do dia 18 de outubro, quando a comissão ouviu o depoimento do advogado e delator da JBS, Francisco de Assis e Silva. O "ele" a quem Marun se refere é Joesley Batista, responsável por gravar Temer. O deputado do PMDB sugere, na sessão, que Assis e Silva aconselhe o dono da JBS, seu chefe, a fazer uma nova delação, revelando como foi o processo de negociação e obtenção de provas da colaboração que gerou uma crise política na atual gestão. O recado é para que Joesley, que está preso desde o início de setembro suspeito de ter omitido informações em sua delação, delate agora o então procurador-geral da República Rodrigo Janot, que comandou o acordo de colaboração dos executivos da gigante das carnes. Aliados de Temer sustentam que Janot tinha o objetivo de derrubar o governo e que, por isso, induziu e orientou de forma ilegal toda a produção de provas. "A flecha saiu pela culatra", ironizou Marun, em referência à frase do ex-procurador-geral -"enquanto houver bambu, lá vai flecha"- de que continuaria apresentando denúncias até o último dia de sua gestão. Janot deixou o cargo em 17 de setembro. Antes de sair, pediu a suspensão dos benefícios de dois delatores, Joesley e Ricardo Saud -também preso atualmente. A nova procuradora-geral, Raquel Dodge, é quem vai definir o futuro dos acordos. Procurado neste domingo (12), Temer negou que tenha pensado em renunciar. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário