ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 27 milhões

Universidades Estaduais Baianas apoiaram Carta Aberta à Democracia

Brumado: Duas mulheres ficam feridas em acidente na BA-148

Deputados e senadores querem aumentar os seus salários para R$ 36,8 mil

PMs de Contendas do Sincorá e Vitória da Conquista são investigados por homicídios em 2018 e 2019

Bahia confirma mais dois casos da varíola dos macacos nesta sexta

Badalado restaurante de Livramento é demolido pelos proprietários após decisão Judicial

Brumado: Câmera flagra homem furtando caixa de som em loja de utilidades do centro; assista

Brumado: 34ª CIPM intensifica segurança e realiza blitz na cidade

Criança de 2 anos e oito meses morre após ser atropelada em Guajeru

Xiaomi apresenta robô humanoide que reconhece tristeza e 'consola'

Carta pela democracia atinge 1 milhão de assinaturas

Preço dos alimentos puxa inflação e salário mínimo é defasado

Justiça manda prender goleiro Bruno por atraso na pensão alimentícia

Acidente deixa três mortos na BA-142 entre os municípios de Ituaçu e Barra da Estiva

Brumado: Audiência discute intolerância religiosa e ataques a religião de matriz africana

Polícia descobre desmanche de carros durante operação em Caetité


Paraná: Pedreiro adapta cano em perna amputada para trabalhar após acidente de moto

Fernando Ramos Leonel, adaptou canos de PVC como se fosse uma prótese, para trabalhar (Foto: Pedro Machado)

Uma foto está chamando a atenção da cidade de Paranaí, no Paraná e também do Brasil, a foto de um pedreiro chapiscando uma construção com uma "prótese" improvisada, feita com cano de PVC e fita adesiva. O pedreiro Fernando Ramos Leonel, de 34 anos, em entrevista a uma rádio local disse ter sofrido um grave acidente no dia 17 de março deste ano, na BR-376 no Paraná. O acidente aconteceu quando ele voltava com sua motocicleta para o distrito onde ele mora. Fernando disse que foi atingido por um caminhão na rodovia, e após o acidente ele ficou quatro meses internado. Leonel teve que amputar parte da perna direita (do joelho para baixo depois que contraiu uma bactéria no hospital. “Se não fizesse a amputação correria sério risco de morrer." Casado e com uma filha de nove anos para sustentar, o pedreiro se viu obrigado a achar alternativa para não deixar a família em situação financeira difícil. Sem dinheiro para comprar a prótese, que custa cerca de R$ 10 mil, o pedreiro comprou um cano de 100 milímetros e um “cotovelo” da mesma medida. Usando fogo ele ligou as duas peças e com fita adesiva prendeu o artefato na perna. O problema é que o material não é adequado e provoca fortes dores ao final do dia. O pedreiro tem que tomar remédio para poder suportar a dor e dormir. “Deus deu o livramento de vida e arrancou só a perna. Era para eu estar morto. Por isso, tenho que seguir a vida”, disse Leonel.   



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário