ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Morre João Souza, aos 80 anos, pai do editor do Achei Sudoeste

Aracatu: Vereadores denunciam prática de nepotismo na prefeitura

Caminhão é recuperado após identificação de roubo pelo sistema da RotSat

Em busca de votos, candidatos ao governo visitam mais de 20 municípios durante São João

Reconhecimento facial ajuda na captura de 12 foragidos nos festejos de São João na Bahia

Professor de 42 anos morre atropelado no município de Caculé

OMS diz que, 'no momento', varíola dos macacos não é uma emergência de saúde

PM morre em acidente envolvendo carro e motocicleta na BR-030, em Brumado

Bahia tem 6,1 mil casos de Covid-19 e 83% das UTIs pediátricas estão ocupadas

Novo presidente da Petrobras teve nome aprovado com ressalvas

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado


‘Já estamos começando a passar fome seu prefeito e Guard Secure’, declara vigilante ao 97NEWS

O vigilante Juraci Campos Moura relatou a sua indignação ao 97NEWS (Foto: Marcos Paulo / 97NEWS)

O impasse entre vigilantes, Guard Secure e prefeito de Brumado chegou ao limite e os cerca de 30 vigilantes que atuavam na empresa até o dia 30 de novembro de 2015 já começam a mostrar uma grande revolta com a situação. Na tarde desta quinta-feira, 22/01, o vigilante Juraci Campos Moura recebeu o repórter Marcos Paulo, do 97NEWS, para explicar a sua situação. “Estamos desde o dia 30 de novembro sem receber, estão nos devendo férias, 13º salário, tempo de serviço e nada, além do que não foi dada baixa na carteira o que nos está impedindo de arrumar um novo trabalho”, expressou. Muito indignado ele ainda citou que “esta indefinição entre a prefeitura e a Guard Security está nos prejudicando demais, já estamos começando a passar fome, porque estamos devendo na praça e ninguém já quer nos vender mais fiado, então prefeito Aguiberto e representantes da empresa, nos digam como vai ficar a nossa situação, já que vocês não se manifestam com uma decisão”. A esposa do vigilante também relatou a sua preocupação ao dizer que “estão acabando com a nossa vida, temos filhos que pedem comida e não podemos dar, temos dinheiro para receber, temos os nossos direitos e eles não estão nem ai, nos tratando como se fôssemos cachorros”. Ela foi mais além e disse que “se não for dada uma solução urgente para a questão vamos ter que tomar medidas drásticas, pois o desespero toma conta de nós”. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário