ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Eleitor tem até quinta-feira (18) para pedir voto em trânsito

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 27 milhões

Universidades Estaduais Baianas apoiaram Carta Aberta à Democracia

Brumado: Duas mulheres ficam feridas em acidente na BA-148

Deputados e senadores querem aumentar os seus salários para R$ 36,8 mil

PMs de Contendas do Sincorá e Vitória da Conquista são investigados por homicídios em 2018 e 2019

Bahia confirma mais dois casos da varíola dos macacos nesta sexta

Badalado restaurante de Livramento é demolido pelos proprietários após decisão Judicial

Brumado: Câmera flagra homem furtando caixa de som em loja de utilidades do centro; assista

Brumado: 34ª CIPM intensifica segurança e realiza blitz na cidade

Criança de 2 anos e oito meses morre após ser atropelada em Guajeru

Xiaomi apresenta robô humanoide que reconhece tristeza e 'consola'

Carta pela democracia atinge 1 milhão de assinaturas

Preço dos alimentos puxa inflação e salário mínimo é defasado

Justiça manda prender goleiro Bruno por atraso na pensão alimentícia

Acidente deixa três mortos na BA-142 entre os municípios de Ituaçu e Barra da Estiva

Brumado: Audiência discute intolerância religiosa e ataques a religião de matriz africana


Brumado: Decreto proíbe venda de fogos de artifício em local não autorizado

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

No último dia 20 de junho, a Prefeitura Municipal de Brumado emitiu um decreto proibindo a venda de fogos de artifício em locais não autrizados. Surpresos com a decisão, vendedores da região do Mercado Municipal, criticaram a decisão do prefeito Eduardo Lima Vasconcelos. Ao site 97NEWS, os ambulantes disseram que eles trabalham na localidade há vários anos. “Todo mundo aqui tem contas a pagar. Aproveitamos esse período pra fazer um extra”, disse um dos ambulantes. Eles ainda aproveitaram para dizer ao gestor que a prefeitura poderia se organizar e cobrar dos ambulantes um imposto para utilização da área, bem como oferecer aos mesmos um curso de segurança para manipular os fogos. “Eles poderiam se organizar e colocar a gente aqui ao lado do casebre. O prefeito só precisa olhar com bons olhos e ter cuidado com o trabalhador. Aqui todo mundo tem responsabilidade”, destacou. Os ambulantes têm até 72 horas para deixarem o local.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário