ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 27 milhões

Universidades Estaduais Baianas apoiaram Carta Aberta à Democracia

Brumado: Duas mulheres ficam feridas em acidente na BA-148

Deputados e senadores querem aumentar os seus salários para R$ 36,8 mil

PMs de Contendas do Sincorá e Vitória da Conquista são investigados por homicídios em 2018 e 2019

Bahia confirma mais dois casos da varíola dos macacos nesta sexta

Badalado restaurante de Livramento é demolido pelos proprietários após decisão Judicial

Brumado: Câmera flagra homem furtando caixa de som em loja de utilidades do centro; assista

Brumado: 34ª CIPM intensifica segurança e realiza blitz na cidade

Criança de 2 anos e oito meses morre após ser atropelada em Guajeru

Xiaomi apresenta robô humanoide que reconhece tristeza e 'consola'

Carta pela democracia atinge 1 milhão de assinaturas

Preço dos alimentos puxa inflação e salário mínimo é defasado

Justiça manda prender goleiro Bruno por atraso na pensão alimentícia

Acidente deixa três mortos na BA-142 entre os municípios de Ituaçu e Barra da Estiva

Brumado: Audiência discute intolerância religiosa e ataques a religião de matriz africana

Polícia descobre desmanche de carros durante operação em Caetité

Bahia tem nova redução e gasolina fica quase 10% mais barata; em Brumado o valor chega a R$ 5,09


Brumado: Mãe usa tribuna da Câmara para denunciar negligência médica no Hospital Municipal

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

A bacharel em enfermagem, Erica Luz denunciou, em sessão plenária realizada na noite desta segunda-feira (30), uma negligência médica após seu filho de nove meses dar entrada com um quadro de convulsão no Hospital Municipal Professor Magalhães Neto, em Brumado. Segundo a mãe de Davi Meira Luz, no último dia 19 deste mês, ela deu entrada na unidade hospitalar após a criança sofrer uma crise convulsiva no período da manhã. Ao chegar no Hospital por volta de 11h, Erica disse que foi recebida por estudantes de medicina sem a supervisão de estágio. "Fui recepcionada por estudantes de medicina, ou seja, exercendo de forma ilegal a profissão por que estes estavam dentro do consultório realizando atendimento aos pacientes que ali [hospital] entravam", afirmou. De acordo com a mãe, ela fez questionamentos aos estudantes sobre a supervisão, sendo informada que eles não tinham. "Eu questionei pelo plantonista e fui informada que os estudantes assumiram o pronto-socorro. Assim eu acionei a Polícia, e então, o médico surgiu no pronto-socorro. Ele sugeriu a medicação, um antitérmico, e eu pedi uma avaliação pediátrica. Ele solicitou a avaliação e o pedido de exames laboratorial em caráter de urgência, porém o médico não comparecia no serviço de saúde quando era requisitado", acusou a mãe. Ainda no seu pronunciamento aos vereadores na Câmara Municipal, a mãe denunciou ainda a demora nos procedimentos de laboratório. "O laboratório não descia pra fazer a coleta dos exames, o pediatra não aparecia", diz. Ainda segundo a denúncia, o bebê já estava entrando em um quandro de desidratação por conta da 'morosidade' do atendimento. "Ela já estava entrando em um quadro de desidratação porque ele fez vinte e cinco evacuações no pronto-socorro, e o pediatra não ressurgia para reavaliar Davi". Erica ainda detalhou que foi necessário consultar outra médica via telemedicina, uma alternativa de amenizar sua angústia. "Fiz o contato com outra médica via celular com a pediatra de Davi que não se encontra mais nesse município, para passar o resultado dos exames. E ela me orientou que não removesse o bebê do hospital sem uma reavaliação pediátrica. Durante esse período, foi requisitado incessantemente por uma enfermeira, e constantemente ela ligava, e o médico não aparecida", disse. 

 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Naquela ocasião, Davi teve novamente mais uma crise no corredor do Hospital. "Ele voltou a começar a fazer vômitos em jato, eu pedi a médica que estava no balcão para realizar uma prescrição e ela fez a que já estava no prontuário pra que ele não entrasse numa nova crise convulsiva", diz. Conforme a mãe do bebê, cerca de dez horas depois, o médico pediatra chegou à unidade hospitalar e tratou o caso com "deboche". "Sabendo que meu filho estava com uma infecção bacteriana, os exames laboratoriais comprovam isso, a enfermeira informou pra ele que os resultados estavam alterados, e ele surgiu com [ar] de deboche dizendo que iria manter a medicação via oral por conta da dificuldade do acesso venoso periférico em Davi. E eu questionei se ele não entraria com uma Terapia de Antibiótico, e ele me disse que não, que eu confiasse na colega [médica] de Guanambi, sendo que em momento algum eu questionei sobre o seu atendimento. Eu fiquei ali, esperando a reavaliação, sabendo que fui negligenciada, que meu filho estava sofrendo uma negligência", afirmou. Erica Luz também fez críticas a Secretaria Municipal de Saúde, onde segundo ela, usa as redes sociais para propagar investimentos de milhões de reais em equipamentos, mas esquece dos profissionais. "Infelizmente foi onde eu poderia procurar, porque eu achava que era uma saúde de milhões, como prega na rede social. Só que essa saúde, mães, pais, tios que tem crianças no domicílio, é uma saúde de centavos. Não adianta secretário pregar máquinas, bisturi de última geração, colchões pneumáticos e não ter um quadro de funcionários que estão satisfeitos dentro do ambiente de trabalho", explanou a bacharel de enfermagem. Por fim, a enfermeira denunciou o descaso ao Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (CREMEB), na Delegacia Regional de Brumado, e também levou o caso ao Diretor do Hospital Municipal Professor Magalhães Neto. " Já fiz uma denúncia contro o profissional na CREMEB e também informei ao Diretor do Hospital no qual me ouviu e colheu informações, para segundo ele, levar o caso ao Secretário Municipal de Saúde do Município", finalizou Erica Luz, mãe de Davi Meira Luza, de apenas nove meses.



Comentários

  • Genilson Pereira

    "Meus parabéns, Erica!!! Creio que qualquer mãe vendo o filho nesta situação, faria o mesmo. Isso mesmo, precisa denunciar mesmo quantas vezes forem necessárias, pois falar é fácil, colocar equipamentos em redes sociais também é, mas gostaria se fosse o filho dele e precisasse utilizar dos atendimentos do hospital. Tens todo o meu apoio, vamos fazer o possível que as coisas mudem internamente ou mudar o secretário. "

Deixe seu comentário