ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Menino que era torturado por pai e madrasta é resgatado em Manaus

Operação Grande Serra captura 29 pessoas, apreende drogas e dinheiro

Brumado: Esgotamento sanitário será o tema de uma audiência pública na Câmara

Governo Federal anuncia quarentena de cinco dias para viajantes não vacinados

Criadores do SGE Bravo participam de imersão empresarial em São Paulo

Programa para conter aumentos de preço de combustíveis é aprovado na CAE e vai a Plenário

Brumado: Após o sonho da casa própria, família não consegue ter água tratada em residência

Bancários reivindicam melhores condições de trabalho em agências de Vitória da Conquista

Em protesto, moradores cobram ações da prefeitura de Vitória da Conquista após transtornos gerados por chuvas

Galeria Pop é inaugurada e recebe aprovação máxima dos brumadenses

Brumado: Empresas se unem e realizam a maior confraternização entre funcionários

WhatsApp libera função para mensagens que desaparecerem automaticamente

Pesquisa aponta Viagra como medicamento candidato a prevenir Alzheimer

Foragidos de SP, MG e DF são alvos de operação em 5 cidades da Chapada

Caculé: Polícia prende homem que ajudou na ocultação do corpo de advogado

Atletas de Caetité conquistam quatro medalhas no Campeonato Mundial de Jiu-jitsu em São Paulo

Corpo em estado avançado de decomposição é encontrado na zona rural de Malhada de Pedras

Corpo de advogado desaparecido é encontrado na zona rural de Caculé

Gabinete de Segurança Institucional autoriza avanço de projetos de exploração de ouro na Amazônia

Morre Mila Moreira, 72, uma das primeiras modelos a se tornar atriz no Brasil


'Tendência é vetar', diz Bolsonaro sobre fundo eleitoral de R$ 2 bilhões

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro declarou nesta quinta-feira (19) que, caso encontre uma “brecha”, a “tendência” é vetar no Orçamento de 2020 com previsão de R$ 2 bilhões para financiar campanhas eleitorais. O fundo eleitoral, bancado por dinheiro público, foi criado por lei em 2017, após a proibição de doações de empresas para campanhas políticas. Segundo o site G1, o Congresso aprovou na terça (17) o Orçamento com os R$ 2 bilhões propostos pelo próprio governo para o fundo. Para justificar o eventual veto, Bolsonaro disse que a legislação o obrigava a enviar uma proposta. O presidente ressaltou que discorda do uso de recursos públicos para financiar campanhas. “Aquela proposta que foi R$ 2 bilhões é em função de uma lei que tinha, não é que quero isso. Em havendo brecha para vetar, eu vou fazer isso. Porque eu não vejo, com todo respeito, como justos recursos para fazer campanha [...] A tendência é vetar, sim”, disse o presidente ao G1. Na análise de Bolsonaro, o fundo eleitoral “dificilmente vai para um jovem candidato” e, com isso, ajuda a “manter no poder quem já está”. Para o presidente, os R$ 2 bilhões teriam um destino mais adequado, por exemplo, em obras de infraestrutura. “A peça orçamentária chegando, eu tenho poder de veto. Não quero afrontar o parlamento, mas pelo amor de Deus, dá 2 bilhões para o Tarcísio [Freitas, ministro da Infraestrutura], e vê o que ele faz no Brasil”, afirmou.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário