ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Moradores relatam o aparecimento de cobras em suas residencias no bairro Olhos D'água

Brumado: Em nota, Câmara informa que sessão será somente para votação do andamento ou não do impeachment ao prefeito Eduardo Vasconcelos

Motorista de BMW é preso ao transportar 1,5 mil comprimidos de ‘rebite’

PMs suspeitos de sequestros e roubos são alvos de operação na Bahia

Brumado: Quarentena tem sido obstáculo para que mulheres realizem denúncias e número de notificações cai no CREAS

Brumado: Diagnosticada com fibromialgia, seis meses depois, vendedora de cachorro-quente fala de tratamento e agradece comunidade por ajuda

Pela primeira vez na história o município de Brumado, poderá ou não, ter o pedido de 'impeachment' contra um gestor

Brumadense Alan Pinheiro quer alcançar marca dos duzentos jogos no futebol japonês

BR-30: Homem de 49 anos morre atropelado no distrito de Ibitira

Polícia apreende homem por embriaguez ao volante com quase R$ 6 mil em carro de luxo

Brumado: Cadastro para o auxílio à artistas brumadense está garantido após nomeação de novo secretário da cultura

Brumado ultrapassa os 200 casos de Covid-19

Mesmo após encerramento de atualizações, Caixa Tem continua com problemas de instabilidade

Número de casos da Covid-19 na Bahia ultrapassa os 80 mil; curados se aproximam de 55 mil

Covid-19: Mais dois pacientes estão curados do coronavírus em Brumado

Após adiamento de eleição, TSE posterga prazos eleitorais de julho em 42 dias

Fabrício Abrantes denuncia e secretário interino de Cultura é nomeado pelo prefeito de Brumado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado


Ator que vive político corrupto na TV é condenado a devolver R$ 340 mil

Foto: Reprodução l SBT

Conhecido por interpretar o político corrupto João Plenário no humorístico “A Praça É Nossa“, do SBT, o ator Saulo Pinto Muniz (Saulo Laranjeira), de 62 anos, foi condenado a devolver 341.619,69 reais aos cofres do governo mineiro. A decisão é do Tribunal de Contas do Estado de Minas (TCE/MG) e se deve a recursos recebidos da lei estadual de incentivo à cultura. A prestação de contas ocorreu só 15 anos depois e com recibos que não teriam ligação com o caso. O ator que também é humorista, apresentador de TV e rádio, cantor, narrador e compositor – recebeu em 2001, através do poder público, 100 mil reais, mas o valor a ser ressarcido foi corrigido e acrescido de juros. A quantia se destinava à realização de um projeto de televisão. O TCE condenou o ator de forma unânime, em decisão proferida pela 1ª Câmara na sessão de terça-feirs (26), envolvendo o processo instaurado inicialmente pela Secretaria de Estado da Cultura, em dezembro de 2016, quando o artista prestou contas.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário