ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Caminhão tomba em ribanceira e deixa feridos em Conquista

Brumado: Irregularidades em Licitação pode ser um dos motivos de impeachment do Prefeito

Polícia desarticula quadrilha de receptação de caminhões furtados em Guanambi

Brumado: Em patrulhamento pelo bairro Dr. Juracy, Polícia apreende drogas

LEM: Homem é suspeito de agredir companheira e colocar fogo na casa

46ª CIPM inicia campanha contra a violência doméstica na região de Livramento de Nossa Senhora

Embasa lança Agência Virtual com diversos serviços

Auxílio de R$ 600 tira temporariamente 72% da extrema pobreza, diz ministério

Pagamento do Fies está suspenso até dezembro

Hemoba tem estoque crítico de bolsas de sangue por causa de queda nas doações

Faça seu exame de PSA no LAB

Brumado chega a 247 casos do novo coronavírus e 56 em tratamento

Cerca de meia tonelada de maconha é apreendida em Campo Formoso e Curaçá

Rui diz que cidades com aumento de casos da Covid-19 terão medidas mais duras de restrição

Tanhaçu registra primeiros casos de contaminação pelo novo coronavírus

86% das prefeituras baianas estão irregulares na transparência dos gastos com Covid-19, aponta TCM

Homem ateia fogo em residência e tira a própria vida no município de Livramento de Nossa Senhora

Brumado: Mesmo sendo na modalidade 'pregão presencial', população questiona contrato entre Câmara e casa de peças no valor de 122 mil

Pré-candidato a vereador é preso com carro de luxo roubado em Contendas do Sincorá


TSE pode barrar nomes de filhos de desembargadores para vaga de juiz do TRE-BA

(Foto: Divulgação)

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) poderá barrar a lista tríplice formada pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) pra vaga de juiz eleitoral efetivo do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA). A lista foi eleita nesta quarta-feira (19), em sessão plenária do TJ-BA. Dos três nomes, dois são de filhos de desembargadores. Carlos Henrique Magnavita Júnior é filho da desembargadora Ivone Bessa e Rui Barata é filho da desembargadora Lígia Ramos. Os nomes podem ser barrados por nepotismo. O formulário de inscrição de advogados para concorrer à vaga pergunta se há relação familiar ou “de parentesco em linha reta, colateral ou por afinidade, até o 3º grau, com membro do Tribunal de Justiça ou do TRE do estado”. Em caso de haver a relação, o formulário pede ao candidato para especificar o grau de parentesco, com nome do familiar e o órgão em que atua. Até outubro deste ano, não era considerada nepotismo a indicação de parente em lista tríplice. Entretanto, em uma sessão realizada no dia 23 de outubro, o TSE modificou o seu entendimento anterior, para declarar como nepotismo a indicação de parentes, sobretudo, de filhos de desembargadores. Os ministros do TSE definiram que não serão admitidos nas listas tríplices nomes de parentes dos membros dos tribunais. Antes, a lista tríplice eleita por desembargadores passa por uma análise no TSE. Logo depois, se estiver tudo nos conformes, é encaminhada para o presidente da República escolher qual nome ocupará o cargo na Corte Eleitoral. Desde junho de 2017, o TSE recebeu 48 listas tríplices, sendo que 10 apresentavam o nome de algum parente de membro de Tribunal de Justiça. Na época do julgamento, os ministros Admar Gonzaga e Luís Roberto Barroso entenderam que havia nepotismo. Barroso afirmou na sessão que “há um padrão de conduta” em nomear “a parentada do TRE”. Somente o ministro Tarcísio Vieira afirmou que a indicação de parentes não configurava nepotismo. Para se candidatar à vaga, um dos requisitos é que o postulante deve ter exercido a advocacia por pelo menos dez anos, mas sem necessidade de que sejam ininterruptos.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário