ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Jornalista Daniel Simurro morre aos 58 anos em Brumado

Brumado: Há 19 dias município não registra morte por Covid-19

Guanambi: Rui entrega reforma de estrada e autoriza R$ 35 milhões em ações

Brumado: Blogueiro Daniel Simurro é internado após mal súbito em sua residência

Brumado: Sindicato dos Mineradores denuncia assédio moral em empresa de refino de talco

Brumado retoma vacinação de adolescentes com 16 e 17 anos nesta terça-feira (21)

Novas chamas atingem Chapada Diamantina entre Mucugê e Lençóis

Caetité lidera produção mineral baiana em agosto

Em carta, governadores desmentem Bolsonaro sobre alta da gasolina

Brumado: Manifestantes protestam contra Bolsonaro e prefeito Eduardo Vasconcelos em praça pública

Brumado: Após 1 ano e cinco meses, grupos de capoeira retornam com encontros em praças

Brumadenses são presos em Goiás por roubo de carga avaliada em R$ 180 mil

Brumado vacina contra a Covid nesta segunda-feira, pessoas de 12 a 17 anos com comorbidades

Bombeiros continuam em combate a incêndios na Bahia

Brumado: Mulher fica ferida após acidente entre carro e moto no bairro Santa Tereza

Vítima de câncer, morre ator Luis Gustavo aos 87 anos

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado


Guajeru: Município perdeu 10% de sua população entre 2017 e 2018; educação, emprego e saúde estão entre os principais motivos

Foto: Divulgação

O município de Guajeru, a 63 km de Brumado teve um decréscimo de 10% entre os anos de 2017 e 2018. Segundo a Estimativa de População 2018, divulgada pelo IBGE esta semana, a cidade apresentou queda de 842 moradores. Apesar do número parecer pequeno,  por causa do decréscimo na população, o município perderá no repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e alguns programas federais. A distribuição dos recursos aos Municípios é feita de acordo com o número de habitantes. Em 2017, Guajeru tinha uma população de 8.081, já na última estimativa, o município tem hoje cerca de 7.239 moradores. O contingente populacional encontrado pelo IBGE frequentemente é contestado por prefeituras porque, dentre outras coisas, é ele quem define a verba que cada cidade recebe do FPM. O principal motivo apontado pelas autoridades locais é a ausência de atividade econômica e a conseqüente falta de postos de trabalho. Basicamente rural e administração pública, o município está encravado numa área seca e de poucas chuvas, o que limita investimentos. Outro fator questionado pela população, é a falta de investimentos na área da educação, o município só dispõe do ensino fundamental e médio. Para ter acesso ao ensino superior, os moradores tem que se deslocarem à outras cidades distantes, como Brumado, Caetité e Guanambi.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário