ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Petrobras põe direitos de potássio na Amazônia à venda

MP autoriza exploração de minérios nucleares por setor privado

Psicóloga atende na Pax Nacional; agende já sua consulta

Petrobras reduz preços de venda de gasolina para as distribuidoras a partir desta terça-feira (16)

Brumado: Vitimas do grave acidente na BR-030 foram identificadas

FGTS vai distribuir R$ 13,2 bilhões em lucro aos trabalhadores

Chegou em Brumado, Auto Diesel: O melhor preço da Bahia!

Brumado: Dois jovens morrem na BR-030 após moto ser atingida por carro

Pai tenta matar o próprio filho com golpe de faca em Tanque Novo

Brumado: Professora de matemática do IFBA sofre AVC e morre cinco dias depois

RotSat: Rastreamento de veículos ou de sua frota!

Eleitor tem até quinta-feira (18) para pedir voto em trânsito

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 27 milhões

Universidades Estaduais Baianas apoiaram Carta Aberta à Democracia

Brumado: Duas mulheres ficam feridas em acidente na BA-148

Deputados e senadores querem aumentar os seus salários para R$ 36,8 mil


Temeroso, Temer fará pronunciamento para rechaçar especulações

(Foto: Reprodução)

O presidente Michel Temer avalia fazer uma declaração nesta terça-feira, 3, durante a festa de filiação do ministro Henrique Meirelles (Fazenda) ao MDB, para se defender das investigações do Decreto dos Portos, que prenderam três amigos dele na última quinta-feira. Nesta Sexta-feira da Paixão, o emedebista se reuniu no Palácio do Jaburu com ministros e o advogado Antonio Claudio Mariz. Eles decidiram divulgar uma nota contestando as investigações e avaliaram também a necessidade de um pronunciamento para se defender. Sem que ministros tenham, até o momento, saído em sua defesa, Temer considera necessário um discurso que municie a base aliada a defendê-lo sobretudo no debate no âmbito da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), caso Raquel Dodge faça nova denúncia. A exemplo do que fez com o Rodrigo Janot, quando o acusou de tentar condená-lo sem provas, o presidente vai voltar a dizer que “não há absolutamente nada de irregular” no decreto que justifica um novo pedido de investigação pela procuradora-geral, Raquel Dodge. Outro ponto que Temer pretende explorar é o já mencionado em nota oficial divulgada pelo Planalto de que “querem tirá-lo da vida pública”. “O atropelo dos fatos e da verdade busca retirar o presidente da vida pública, impedi-lo de continuar a prestar relevantes serviços ao país”, diz o texto.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário