ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Caminhão tomba em ribanceira e deixa feridos em Conquista

Brumado: Irregularidades em Licitação pode ser um dos motivos de impeachment do Prefeito

Polícia desarticula quadrilha de receptação de caminhões furtados em Guanambi

Brumado: Em patrulhamento pelo bairro Dr. Juracy, Polícia apreende drogas

LEM: Homem é suspeito de agredir companheira e colocar fogo na casa

46ª CIPM inicia campanha contra a violência doméstica na região de Livramento de Nossa Senhora

Embasa lança Agência Virtual com diversos serviços

Auxílio de R$ 600 tira temporariamente 72% da extrema pobreza, diz ministério

Pagamento do Fies está suspenso até dezembro

Hemoba tem estoque crítico de bolsas de sangue por causa de queda nas doações

Faça seu exame de PSA no LAB

Brumado chega a 247 casos do novo coronavírus e 56 em tratamento

Cerca de meia tonelada de maconha é apreendida em Campo Formoso e Curaçá

Rui diz que cidades com aumento de casos da Covid-19 terão medidas mais duras de restrição

Tanhaçu registra primeiros casos de contaminação pelo novo coronavírus

86% das prefeituras baianas estão irregulares na transparência dos gastos com Covid-19, aponta TCM

Homem ateia fogo em residência e tira a própria vida no município de Livramento de Nossa Senhora

Brumado: Mesmo sendo na modalidade 'pregão presencial', população questiona contrato entre Câmara e casa de peças no valor de 122 mil

Pré-candidato a vereador é preso com carro de luxo roubado em Contendas do Sincorá


NOS LABIRINTOS DA SAÚDE PÚBLICA

Se se imagina conhecer sobre a saúde no Brasil, favor adentrar-se um hospital público, ao menos a grande maioria deles. Não falo de um Sara Kubtischeck, tampouco de um Hospital das Clínicas em São Paulo. Afora poucos espalhados por este país continental, qualquer um em que se entre dará a medida certa da nossa saúde: filas, corredores lotados, macas pelo chão, leitos superlotados, falta de medicamentos básicos etc.

Aqui, a intenção não é apontar este ou aquele Governo. O foco está no problema em si. Talvez os números expressem tal realidade, ou, no mínimo, a justifiquem. Para não nos atermos a países europeus, ou tidos como de primeiro mundo, tomaremos por base os africanos em que, segundo a Organização mundial da Saúde (OMS), o investimento do Governo, nesta área, chega a uma média de 10,6% do seu orçamento federal. A média mundial, segundo a mesma OMS, é de 11,7%, ao passo que o Brasil se localiza no patamar de 8,7%. Num país em que (dados de 2012) 64% dos leitos hospitalares ficam com a saúde privada contra somente 36% com a pública, já se pode constatar um jogo elitista para o trato com um bem tão precioso como a vida.

 

É fato que a Carta Magna de 1988, também chamada de Constituição Cidadã, trouxe, no seu bojo de conquistas, o Sistema Único de Saúde, um modelo dos mais modernos do mundo que, dentre outros aspectos, contempla a Equidade, Universalidade, Integralidade da Atenção à Saúde, como primordiais na sua estrutura. Entretanto a realidade não condiz com o modelo idealizado.

Assim, não é de se estranhar deparar-se com um quadro perverso se o assunto for saúde. Ultimamente, vive-se uma pseudo-esperança de que o programa Mais Médicos venha reverter tal quadro. Será? Que vão fazer tais profissionais se, no dia a dia, lhes faltam medicamentos básicos para atendimento? Que milagre farão, por mais preparados que sejam, se não há infraestrutura básica em nossos Postos de Atendimento ou mesmo Hospitais? Que milagre fará um profissional de saúde na falta de uma simples dipirona, podendo levar o paciente a convulsionar-se? Que farão se, ante a necessidade de se regular um paciente (transferi-lo para uma unidade mais aparelhada), esbarram numa ambulância sem combustível, numa unidade recebedora lotada?

Há que se repensar a ordem das prioridades no trato com o dinheiro público. Há que se dar à vida o lugar que ela efetivamente merece: as raiais do sagrado.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário