'A nossa arma é a palavra e o nosso fuzil é a Constituição Federal', diz presidente da CAAB

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Em participação da cerimônia de posso do advogado Kleber Lima Dias como novo presidente da 21ª Subseção da OAB/Brumado na última semana, o presidente da Caixa de Assistência dos Advogados (CAAB) Bahia, o advogado Luiz Coutinho, comentou sobre o atual momento em que o país vem enfrentando, no que se refere a segurança pública e os direitos humanos. Para ele, o momento é de abrir os olhos para o futuro. "O futuro não é um país que se prega a violência como regra, e a paz como exceção. Como eu disse em meu discurso, a nossa arma é a palavra e o nosso fuzil é a Constituição Federal. Então eu não aceito que militares sejam pautados e preparados para matar indivíduos inocentes. Sobretudo quando esse poder se dirige aos jovens, aos negros e as pessoas menos favorecidas", disse Coutinho, que ainda enfatizou no qual essa é uma preocupação da OAB, a luta pelos Direitos Humanos. O presidente da CAAB também deixou bem claro que é contra o armamento do advogado e do cidadão comum. "Eu venho da cultura da paz. Nós só podemos construir uma sociedade em que as pessoas convivam com tranquilidade se as pessoas estiverem a paz como regra. E assim, não sou favorável, nem mesmo para os advogados", relatou. Conforme Coutinho, já se passaram 100 dias de gestão do atual presidente, e segundo ele, o país tem a pior rejeição de todos os tempos. "O Brasil está dividido, nesses cem dias de gestão, essa é a pior aprovação de um presidente. O que mostra o seguinte, ou se dá uma guinada a esquerda para se fazer uma manobra diferente para este país, ou todos que votaram no presidente eleito deve ter cometido um grande equívoco, e não sairá barato por tão cedo, até se terminar essa gestão", criticou o advogado, fazendo questão de ressaltar que o seu partido é a OAB, e sua ideologia é o Estado Democrático de Direito.