16.Mai.2017 - 11:07
 
Guajeru: Passeata promove dia contra o abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes
Por Redação
 
 

Foto: Divulgação
 

Em apoio ao Dia Nacional de Luta contra o Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (18 de maio), Conselho Tutelar, estudantes da rede estadual e municipal de ensino, professores e sociedade em geral, realizaram na manhã desta segunda-feira (15) na cidade de Guajeru, uma passeata pelas principais ruas da cidade convocando toda a sociedade para combater os atos de violência e abusos contra crianças e adolescentes. Mais de 500 pessoas participaram da passeata que percorreu as principais ruas da cidade e encerramento na praça Deoclides Sobrinho. O movimento foi organizado pelo Conselho Tutelar, e teve o apoio de toda a sociedade. “Esta passeata contribui para a conscientização da comunidade em relação ao fato de que nenhuma criança merece ser violentada e nossa população deve ser protagonista no sentido de não permitir que estes abusos aconteçam, a final de contas, criança não combina com violência”, comentou a delegada da cidade, Hellen Larges. A delegada comentou ainda que poucos têm a possibilidade de denunciar os abusos, principalmente pelo fato do agressor ser normalmente uma pessoa da própria família, o que inibe as denúncias.    

Dia Nacional de Luta contra o Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

 

O Dia Nacional de Luta contra o Abuso e a Exploração Sexual, 18 de maio, instituído pela Lei Federal nº 9970/00, mobiliza todo o país com o objetivo de promover atividades de conscientização para o enfrentamento da violência sexual infanto-juvenil. A mobilização é articulada pelo Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes, com o apoio do Governo Federal, Estadual, Municipal e de parceiros. A data foi escolhida porque em 18 de maio de 1973, em Vitória-ES, um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o “Crime Araceli”. Esse era o nome de uma menina de apenas oito anos de idade que foi raptada, drogada, estuprada, morta e carbonizada por jovens de classe média alta daquela cidade. Esse crime, apesar de sua natureza hedionda prescreveu impune.

 

Foto: Divulgação