ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Frustração: Eclipse não pode ser visto em Brumado

'Tem idoso aqui de 75 anos levando lata d´água na cabeça', protestam moradores da Comunidade de Roça de Baixo

Brumado: Fábrica de postes é furtada na madrugada de hoje (21); é a décima vez

Vereador José Carlos de Jonas realiza visitas em comunidades rurais na companhia do Secretário de Agricultura e Recursos Hídricos

Itabuna: Jovens Vicentinos promovem tarde de recreação em orfanato

Psiquiatria na Clínica Master com Dr. Renato Franco

Brumado: Polícia realiza reconstituição de possível tentativa de homicídio

Brasil: Apenas 30% das cidades têm planos municipais de saneamento

Como acompanhar o eclipse solar de hoje (21)

Quem recebe auxílio-doença tem até hoje (21) para agendar nova perícia

Intermunicipal 2017: Seleção de Brumado vence Palmas de Monte Alto fora de casa

Câmara tentará votar reforma política nesta semana; PEC prevê fundo eleitoral

Criança de 5 anos toma coice de cavalo, não resistiu ao ferimento e veio a óbito

Cinema: Jerry Lewis morre aos 91 anos

Interior da Bahia poderá ver eclipse parcial do Sol nesta segunda-feira (21)

Com dois gols de Mendoza, Bahia vence o Vasco na Arena Fonte Nova

Protetora acolhe 84 cães em casa e provoca polêmica com vizinhos em Moema, na Zona Sul de SP

Cachaças artesanais da Bahia conquistam destaque na produção associada ao turismo

Como saber se uma notícia é falsa?

Em troca de tiros com guarnição da CIPE/Sudoeste, bandido é morto em Barra da Estiva


Eliana Calmon faz projeção que a 'Lava Jato' poderá atingir o Poder Judiciário

(Foto: Daniel Simurro | Arquivo de Conteúdo)

Ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a baiana Eliana Calmon acredita que a Operação Lava Jato ainda vai atingir o Poder Judiciário, mas em um "segundo momento". Durante entrevista à Folha de S. Paulo, ela disse que existe muito a ser investigado no setor. "Entendo que a Lava Jato pegará o Judiciário, mas só numa fase posterior, porque muita coisa virá à tona. Inclusive, essa falta tem levado a muita corrupção mesmo. Tem muita coisa no meio do caminho. Mas por uma questão estratégica, vão deixar para depois", declarou. Calmon acusou o corregedor nacional do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), João Otávio de Noronha, de tentar blindar juízes em entrevistas e criticou a ideia de que não se deve punir o Poder Judiciário. "Ele diz que é preciso dar mais autoridade aos juízes, para que se sintam mais seguros. Caminha no sentido bem diferente do que caminharam os demais corregedores", avaliou. A ministra aposentada do STJ ainda comentou a lista de investigados a partir das delações premiadas da Odebrecht e disse se surpreender apenas com os nomes do senador José Serra (PSDB-SP) e do ministro das relações exteriores, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP). "Pelo que já estava sendo divulgado, praticamente todos os grandes políticos estariam envolvidos, em razão do sistema político brasileiro que está apodrecido", afirmou.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário