ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado Sunset: Virada de preço vai acontecer hoje à meia-noite; corra e garanta já o seu ingresso

SindComerciários: Horários especiais de funcionamento das lojas

Dermatologia e medicina estética na Clínica Master com Drª. Stephane Spínola

Ações trabalhistas caem quase 70% com indefinições sobre nova legislação

Tragédia em Belo Campo: Identificada mulher que morreu eletrocutada ao tocar em varal

Lula e Ciro fazem acordo para 2018

Caculé: Trágico acidente tira a vida de jovem de apenas 22 anos; amigos e familiares estão abalados

Morre aos 98 anos a atriz Eva Todor

Convenção do PSDB tem confusão e até cadeiras voando

Conquista: Fogo atinge casa no bairro Brasil; ninguém se feriu

E agora? Exército destitui general de cargo por ter criticado Temer

'Acontece de tudo': Jatinho do cantor Leonardo atola em pista do aeroporto de Barreiras

Comitê do Contas toma nova deliberação sobre irrigação do agronegócio em Piatã

De goleada: Bellintani vence as eleições e é o novo presidente do Bahia

SindComerciários: Poções e Região também abraçou a Campanha Salarial 2017/2018

Repórteres, ouçam o que estão falando alto nas mesas dos botecos

Estação Noel abre suas portas no Arquivo Histórico Municipal Memória de Brumado

Polêmica: Filho de Bolsonaro critica professora da Uesb que 'simulou sexo' com camisinha

Rui eleva tom e dispara contra opositores: 'menininhos ricos, mimados e que só vivem no luxo'

Sócios definem neste sábado futuro presidente e Conselho Deliberativo do Bahia


Eliana Calmon faz projeção que a 'Lava Jato' poderá atingir o Poder Judiciário

(Foto: Daniel Simurro | Arquivo de Conteúdo)

Ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a baiana Eliana Calmon acredita que a Operação Lava Jato ainda vai atingir o Poder Judiciário, mas em um "segundo momento". Durante entrevista à Folha de S. Paulo, ela disse que existe muito a ser investigado no setor. "Entendo que a Lava Jato pegará o Judiciário, mas só numa fase posterior, porque muita coisa virá à tona. Inclusive, essa falta tem levado a muita corrupção mesmo. Tem muita coisa no meio do caminho. Mas por uma questão estratégica, vão deixar para depois", declarou. Calmon acusou o corregedor nacional do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), João Otávio de Noronha, de tentar blindar juízes em entrevistas e criticou a ideia de que não se deve punir o Poder Judiciário. "Ele diz que é preciso dar mais autoridade aos juízes, para que se sintam mais seguros. Caminha no sentido bem diferente do que caminharam os demais corregedores", avaliou. A ministra aposentada do STJ ainda comentou a lista de investigados a partir das delações premiadas da Odebrecht e disse se surpreender apenas com os nomes do senador José Serra (PSDB-SP) e do ministro das relações exteriores, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP). "Pelo que já estava sendo divulgado, praticamente todos os grandes políticos estariam envolvidos, em razão do sistema político brasileiro que está apodrecido", afirmou.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário