ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brasil: Número de mulheres presas é oito vezes maior em 16 anos

Violência: Casal é morto a tiros na tarde de hoje (16) em Vitória da Conquista

Brumado: Queda de sistema suspende cadastro de biometria do TRE e eleitores sofrem em fila

Brumado: Família procura por Edinha que está desaparecida desde a última quinta-feira (12)

TRE garante recadastramento de eleitor em Planalto

Comunicado: Poder Legislativo de Brumado

Pioneirismo: Prefeitura de Brumado desenvolve segunda etapa do rastreamento dos veículos que realizam o Transporte Escolar

Tragédia na Lapa: Pai e filho morrem afogados durante banho no Rio São Francisco

Presidente da Câmara de Vereadores de Brumado, Léo Vasconcelos entrega convite de sessão solene a presidente da OAB de Brumado

BA-148: Veículo com placa de Brumado se envolve em acidente com uma S10

Campeonato de Futebol de Itaquaraí 2017: Após intensa disputa, equipe da casa se sagra campeã em disputa de pênaltis

Empresa de Vitória da Conquista dá exemplo e ganha o mercado brasileiro

PF encontra digitais de secretário parlamentar de Lúcio Vieira nos R$ 51 milhões

Chapada: Focos de incêndio atingem regiões em Andaraí e na divisa de Barra da Estiva e Ituaçu

Angiologia na Clínica Master com Dr. Thiago Marques Coelho

Salvador: PF faz busca em endereço de Lúcio Vieira Lima

Café da Manhã: As delícias com uma qualidade inigualável você só encontra na Padaria Divina

PF cumpre mandado de busca e apreensão no gabinete do deputado Lúcio Vieira Lima

Para se afastar do Z4, Bahia recebe o líder Corinthians na Arena Fonte Nova

Moradores da Rua Senhora Santana são vítimas de refluxo de esgoto; 'a água está voltando contaminada', relatam


Eliana Calmon faz projeção que a 'Lava Jato' poderá atingir o Poder Judiciário

(Foto: Daniel Simurro | Arquivo de Conteúdo)

Ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a baiana Eliana Calmon acredita que a Operação Lava Jato ainda vai atingir o Poder Judiciário, mas em um "segundo momento". Durante entrevista à Folha de S. Paulo, ela disse que existe muito a ser investigado no setor. "Entendo que a Lava Jato pegará o Judiciário, mas só numa fase posterior, porque muita coisa virá à tona. Inclusive, essa falta tem levado a muita corrupção mesmo. Tem muita coisa no meio do caminho. Mas por uma questão estratégica, vão deixar para depois", declarou. Calmon acusou o corregedor nacional do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), João Otávio de Noronha, de tentar blindar juízes em entrevistas e criticou a ideia de que não se deve punir o Poder Judiciário. "Ele diz que é preciso dar mais autoridade aos juízes, para que se sintam mais seguros. Caminha no sentido bem diferente do que caminharam os demais corregedores", avaliou. A ministra aposentada do STJ ainda comentou a lista de investigados a partir das delações premiadas da Odebrecht e disse se surpreender apenas com os nomes do senador José Serra (PSDB-SP) e do ministro das relações exteriores, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP). "Pelo que já estava sendo divulgado, praticamente todos os grandes políticos estariam envolvidos, em razão do sistema político brasileiro que está apodrecido", afirmou.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário