ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Universitários de Brumado fazem campanha para ajudar amiga com câncer

Polícia Militar apreende produtos falsificados em farmácia de Brumado

Delegado Arilano Botelho fala dos seus planos de trabalho à frente da 20ª Coorpin

Mal de Alzheimer: Cuidados essenciais para quem sofre com essa doença

Brumadenses superam a distância entre o sonho e a realidade do futebol feminino

Mineração de urânio da INB traz à tona memória de contaminação nos municípios de Caetité e Lagoa Real

Pax Nacional fecha parceria com faculdade Faveni

Chuva em Brumado surpreende moradores e ameniza temperatura no 'Sertão Produtivo'

Gás de cozinha aumenta nas distribuidoras a partir de hoje (22)

Brumado: PSD não deverá sair das mãos do advogado Thiago Amorim

Brumado: Projeto de Lei que prevê empréstimo de R$ 5 milhões volta à pauta do Legislativo

Auditoria vai apurar como 17 municípios baianos fizeram gastos em saúde

Apae de Brumado realizará assembleia geral ordinária para eleição da nova diretoria executiva

BA-148: Motociclista de 37 anos morre após sofrer acidente próximo ao distrito de 'Fazendinha'

Incêndio de grandes proporções atinge área de vegetação em Rio de Contas

PodoClin, Podologia Avançada em Brumado

Brumado: Tempo continua quente na Região Sudoeste e pode chover na quinta-feira (24)

Modelo brumadense realiza sonho de desfilar na São Paulo Fashion Week

Maetinga: Motorista de 36 anos morre em capotamento na BA-263

Lagoa Real: Idoso morre carbonizado após tentar apagar fogo em lavoura


Alta de combustível deve ter impacto em outros preços

O aumento dos combustíveis deve levar a uma alta de preços em outros segmentos como transportes, alimentação e até mesmo nos serviços, de acordo com economistas. Para eles, a alta determinada para os distribuidores de combustível deverá ser repassada, ainda que parcialmente, ao consumidor. A tendência é que o aumento seja repassado às bombas, chegue ao preço do frete e, com isso, ajude a elevar os preços de produtos que dependem de transporte – como os agrícolas, diz o professor da Escola de Economia da FGV-SP, Samy Dana. Assim, o combustível tem impacto imediato em outros produtos e serviços, diz ele. “Tem o que a gente chama de aumento em cascata. O produto sai do produtor para o distribuidor com frete mais caro; vai de lá para o supermercado mais caro; e vira uma bola de neve. É transferência de custo quase imediata”, afirma. O repasse para produtos e serviços não deve ser integral, no entanto, por conta da concorrência e o ritmo fraco da atividade econômica.

Após semanas de muita expectativa e forte oscilação das ações da Petrobras, a estatal anunciou, ontem à noite, ter aprovado uma política de reajuste de preços para os dois principais combustíveis, além de um aumento imediato para diesel (8%) e gasolina (4%) nas refinarias.

O impacto imediato do reajuste de preços da gasolina na inflação poderá ficar entre 0,08 e 0,10 ponto percentual, calcula o economista André Braz, do Ibre/FGV, se o repasse para o consumidor final ficar em torno de 2% a 2,5%, como calcula a consultoria LCA.

Em Salvador, o preço médio nas bombas, segundo o site da Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP), era de R$ 2,84, até ontem. Com o aumento de 2,5% (R$ 0,071 por litro), o preço médio nos postos deve passar para R$ 2,91. Ou seja, para encher um tanque de 40 litros, o consumidor gastará R$ 116,44, R$ 2,84 a mais do que gastava antes do aumento.

Anteontem, a expectativa do mercado financeiro em torno do reajuste dos combustíveis levou as ações da estatal a subir 6% na bolsa. Depois reduziram a alta. Os papéis com preferência no recebimento de dividendos (PN) fecharam ontem em alta de 2,47% e os ordinários (ON), a 3,33%.

O método de reajuste gerou embates acalorados entre Petrobras e governo nas últimas semanas. De um lado, a presidente da Petrobras, Graça Foster, e sua diretoria; de outro o ministro da Fazenda e presidente do Conselho de Administração da Petrobras, Guido Mantega, e parte dos conselheiros indicados pela União.

A política geral de preços foi divulgada, mas a metodologia de cálculo, não. A reserva pode frustrar o mercado em um primeiro momento, mas foi uma forma que o governo encontrou para não gerar gatilho automático para o reajuste e evitar, por exemplo, corrida de motoristas a postos de gasolina cada vez que houvesse expectativa de aumento.

O reajuste anunciado também ficou abaixo do esperado pelo mercado, que previa entre 5% e 6% para a gasolina e 10% para o diesel. O CBIE calcula que a defasagem esteja em 15% para a gasolina e 20% para o diesel.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário