ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Guajeru: Homem de 40 anos morre após passar a noite ingerindo bebida alcoólica

Gusttavo Lima toma atitude surpreendente ao levar bebida na cara durante show; veja o vídeo

Idoso de 76 anos é encontrado morto dentro de residência na cidade de Guajeru

Feriado de Corpus Christi e São João registrou 16 mortes nas rodovias estaduais, diz PRE

Super reflexo: Mãe salva filho de cair do quarto andar de prédio; veja o vídeo

Brumado: Escolas da rede municipal recebem projeto musical gratuito

Estudantes de engenharia se unem e revitalizam Apae em Brumado

Município de Caetité recebe 'Rota da Independência'

Ministro da Economia estima que preço do gás pode cair 40% em dois anos

Médicos brasileiros operam intestino de feto dentro do útero da mãe

Bandidos roubam R$ 12 mil em joias de salão de beleza em Brumado

Previsão do Tempo: Mínima pode chegar aos 12ºC na madrugada de quarta-feira (26)

Brumado: Prefeito terá que devolver mais de R$ 4 milhões com recursos pessoais

Serviço do Disque-Denúncia passa a ser disponibilizado na internet e permite envio de fotos e vídeos de suspeitos

Caetité: Família oferece recompensa para quem encontrar motorista desaparecido após roubo de veículo

Pai é preso após agredir com arma namorado da filha em Itapetinga

Sob vaias, Banda Calcinha Preta sobe ao palco em show na cidade de Dom Basílio

Livramento de Nossa Senhora: Motociclista morre em acidente na rodovia BA-152

Prefeitura de Brumado celebra termo com a Apae para atendimento especial com pessoas com deficiência

Iphan deseja declarar forró como patrimônio imaterial


PF investiga participação de coronel e tenente em golpe no desarmamento

Um tenente e um coronel da Polícia Militar são suspeitos de participar do esquema de fraude na campanha do desarmamento do Ministério da Justiça. O tenente e o coronel já foram ouvidos e liberados na quinta-feira (28).

De acordo com a investigação da Polícia Federal, o coronel, que já foi comandante do primeiro batalhão da Polícia Militar, tinha a senha para emitir as guias de pagamento do programa de desarmamento. Ele foi ouvido pela polícia e liberado após pagamento de fiança.

“Tanto o coronel como o tenente foram acusados também de crime, que é o crime de negligência, pelo fato de ter entregue a sua senha pessoal e intransferível para terceiros, mas volto a dizer, até o momento da investigação não há nada que comprove de que eles praticaram algum tipo de crime no sentido de obterem lucros dessa prática criminosa”, disse o delegado da Polícia Federal, Wal Goulart, que investiga o esquema de fraude contra o sistema nacional de desarmamento do Ministério da Justiça.

A investigação da Polícia Federal, que durou três meses, apurou que das 8.800 armas de fogo que geraram indenizações no sistema de desarmamento do ministério da Justiça, 4 mil não existiam e outras 4.400 eram de fabricação artesanal e por isso não deveriam ser indenizadas pelo programa. As indenizações variavam entre R$ 150 e R$ 400. Segundo a polícia, a fraude gerou um prejuízo de um R$ 1,3 milhões.

A operação Vulcano foi realizada durante a madrugada de quinta-feira em três cidades da Bahia, e em Fortaleza. Foram cumpridos 23 mandados, sendo seis de prisão temporária, cinco de condução coercitiva e 12 de busca e apreensão.

O coordenador nacional da ONG Mov Paz Brasil, Clóvis nunes, foi apontado como o principal chefe do esquema. Ele foi preso em Fortaleza e chegou à Feira de Santana na quinta-feira. Ele deve ser encaminhado para o presídio da cidade, segundo informações do delegado.

“Nossa divisão de armas em Brasília detectou que Feira de Santana estava arrecadando 14% de todas as armas arrecadadas no país. É algo meio ilógico porque proporcionalmente estaria se arrecadando mais de que a cidade de São Paulo e a cidade do Rio de Janeiro”, disse o delegado.

De acordo com a Polícia Federal, Clóvis Nunes é suspeito de comandar a fraude. Clóvis era o responsável pela campanha de desarmamento em Feira de Santana e em mais 27 cidades de dez estados do país.

“Não tenho nenhuma explicação ainda legal sobre o assunto porque as armas que chegam no posto de Feira de Santana são todas pagas pela polícia militar e autorizadas pelo ministério da justiça. Penso que é algum mal-entendido da campanha produziu essa ação”, disse Clóvis Nunes.

Segundo a polícia, Clóvis contava com a ajuda do irmão, Carlos Nunes, preso durante a madrugada de quinta em Feira de Santana.

Na quinta-feira, os policiais federais fizeram a apresentação de 150 armas recolhidas durante a operação Vulcano. A maioria delas foi encontrada na casa de um dos suspeitos, em Cícero Dantas, que já foi encaminhado para o Presídio Regional de Feira de Santana, juntamente com outro acusado de participar do esquema, da cidade de Antas.

G1



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário