ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Modelo brumadense realiza sonho de desfilar na São Paulo Fashion Week

Maetinga: Motorista de 36 anos morre em capotamento na BA-263

Lagoa Real: Idoso morre carbonizado após tentar apagar fogo em lavoura

Perseguição policial na BR-116 termina com 200 kg de maconha apreendidos em Conquista

RotSat: Rastreamento veicular com qualidade, eficiência e segurança

Primeira missa a Santa Dulce dos Pobres leva milhares de fiéis à Salvador

Livramento de Nossa Senhora: Jovem de 29 anos é morto a facada durante briga com amigo

Brumado: Recém-nascido com problemas respiratórios é transferido de UTI aérea para Salvador

Com máscara de oxigênio suja, hospital usa copo descartável como substituto e reanima bebê

Idosa de 75 anos dá a luz a um bebê; pai da criança tem 80 anos

Brumado: 'A situação política está muito favorável para o PT', afirma ex-prefeito

Bahia: Tribunal de Justiça derruba liminar e restabelece uma única inspeção veicular por ano

Correios e Telebras entraram oficialmente no programa de privatizações

Brumado: Homem é preso por agredir a mãe, o padrasto e um vizinho no residencial Brisa 3

Brumado: Primeiro dia D de vacinação contra o sarampo acontece neste sábado (19)

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado


Brumado: Produtor musical é vítima do golpe que usa a sigla do INPI

O produtor musical Joaquim Paulo da Silva, mais uma vítima do golpe que usa a sigla do INPI (Foto: Marcos Paulo / 97NEWS)

Um golpe antigo, que está sendo reeditado e que vem causando novas vítimas, acende o alerta para os produtores e músicos que fecham contratos com empresas e promoters para a realização de shows. A reportagem do 97NEWS foi procurada pelo produtor brumadense Joaquim Paulo da Silva, que é responsável pela dupla sertaneja Jéssica e Patrick. Segundo o seu relato, ele foi contatado por um promoter, que a princípio se identificou ser da HP Produções, uma empresa que é de Feira de Santana, a qual, inclusive, segundo Joaquim, já teria feito contratos anteriores com ele. Devido a isso, ele não desconfiou e atendeu os pedidos do suposto promoter, que informou a ele que teria que tirar com urgência o documento da INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial, que é responsável pelas marcas e patentes. Ele ainda foi avisado que para que o prazo normal da documentação para os shows que seriam realizados nos dias 15 e 16 de outubro, não daria para ser cumprido, mas que, ele teria contatos e que o preço do documento que a princípio seria de R$ 142,00, teria que ter uma elevação e, para ficar pronto rápido, a taxa nova seria de R$ 876,00, o que ele aceitou. Após fazer a transferência bancária, o produtor brumadense não conseguiu mais contato com o suposto promoter e teve a consciência que caiu num golpe, que é antigo, mas que vem sendo aplicado novamente. Ele registrou boletim de ocorrência, mas confessa ser difícil reaver o prejuízo, mas deixa o alerta para outros produtores para não caírem no golpe que usa o nome do INPI. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário