ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Segunda tentativa de homicídio é registrada em menos de 8 horas em Brumado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Brasil registra mais de 35 mil mortes por covid-19 e ultrapassa mil óbitos nas últimas 24 horas

Homem de 40 anos é encontrado morto na zona rural de Guanambi

Covid-19: Brumado registra 47 casos confirmados, 28 em tratamento, um óbito e quatro pacientes internados

Correios serão opção para fazer cadastro para auxílio emergencial

Brumado: Homem é alvejado com vários disparos de arma de fogo no bairro Santa Tereza

2ª parcela do vale-alimentação estudantil começa na segunda-feira (8)

Eclipse lunar acontece nesta sexta-feira (5) e pode ser acompanhado no Brasil

Brumado: MP abre inquérito para pacientes com Covid-19 que não estão cumprindo medidas de isolamento

Brumado: Confirmada primeira morte por coronavírus no munícipio

Brumado: Servidor público tem CPF cadastrado ilegalmente no auxilio emergencial do Governo Federal

Vacina brasileira contra a Covid-19 começa a ser testada em animais

Prints e conversas do whatswpp sem autorização judicial é ilegal

Sesab confirma 14.243 casos ativos da Covid-19 na Bahia; número de óbitos se aproximam de 800

Municípios baianos têm até dia 8 deste mês para informar gastos com pandemia

Prefeitura de Caetité lança programa de ajuda emergencial a artistas

RHI Magnesita mantém ciclo sustentável de alto impacto em Brumado

Bolsonaro publica MP que permite repasse de R$ 60 bilhões em ajuda a estados e municípios

Covid-19: Brumado passa a ter 28 casos ativos da doença e 1.335 notificações


Modelo paga aluguel e faculdade no DF com venda de ‘nudes’ na internet

Fotos custam de US$ 25 a US$ 100; maioria dos clientes é de americanos. Alguns a procuram ‘apenas para conversar’, diz; namorado e pais apoiam. (Foto: Reprodução)

Após perder o emprego em um órgão público, uma estudante de arquitetura do Distrito Federal decidiu ganhar a vida vendendo fotos sensuais por um aplicativo na internet. Segundo Jéssica Constantino, de 24 anos, o trabalho é feito por pacotes, que variam de US$ 25 a US$ 100. A maioria dos clientes é de americanos e alguns a procuram apenas para conversar e trocar confidências. Jéssica não revela o quanto ganha por mês, mas diz que se mantém com a venda das fotos. O comércio é feito pelo Snapchat, aplicativo que permite que o usuário tire fotos, grave videos, adicione textos e desenhos à imagem e escolha o tempo que o conteúdo ficará disponível a um contato. Com a venda do conteúdo erótico, a modelo diz conseguir pagar as mensalidades da faculdade particular que cursa, morar em um bairro de classe média em Brasília (Águas Claras) e realizar “sonhos consumistas”. Um deles foi a compra de uma bolsa de uma marca italiana, que custou R$ 8 mil, afirma.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário