ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Descartada suspeita de coronavírus em bebê de um ano internado no sul da Bahia, diz Sesab

São Paulo cria comitê de coronavírus e deve preparar leitos de hospital

Homem de 64 anos morre ao se lançar em um foguete caseiro nos Estados Unidos

Bebê de um ano é internado com suspeita de coronavírus no sul da Bahia, diz Sesab

Ator da Globo abaixa cueca e dança para foliões em Carnaval

Homem vindo da Itália para o Brasil testa positivo para coronavírus

Brumado: Motociclista fica ferido em acidente na BR-030, próximo a fábrica de cimento

Brumado: Caçador foge da PM e abandona espingarda e munições

The Voice Kids: Ituaçuense se despede do programa com muita emoção

Clínica Mais Vida - reumatologista fala sobre diagnóstico e tratamento da fibromialgia

Milhares de prefeituras podem ter seus recursos da saúde bloqueados por falta de dados no SIOPS

Feminicídio cresce na Bahia e segue tendência nacional

Cerveja é a bebida favorita de 92% dos foliões brasileiros

Rio de Contas: Carro de passeio com quatro pessoas cai em ribanceira na BA-148

Consultório Júlio Santos: Glaucoma tem tratamento?

Mega-Sena: Prêmio acumula pela 16ª vez e vai para R$ 200 milhões

PodoClin: Dicas para pular o carnaval com unhas e pés bem cuidados

Governo monitora navios na costa brasileira para evitar entrada de coronavírus

RotSat: Rastreamento de veículos ou de sua frota!


Caiu em si: Governo recua e desiste de criar a nova CPMF

(Foto: Reprodução)

Em decisão na tarde deste sábado (29), o governo federal decidiu sepultar, temporariamente, a recriação da CPMF. De acordo com a Folha de S. Paulo, a cúpula do Palácio do Planalto recuou após o posicionamento contrário de setores empresariais e até do vice-presidente da República, Michel Temer, que demonstrou insatisfação ao ser instado a defender a medida. O encontro que resultou na retirada da proposta reuniu a presidente Dilma Rousseff e os ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e do Planejamento, Nelson Barbosa. No entendimento original, o retorno do imposto tentava cobrir um rombo de R$ 80 milhões no orçamento federal. Apesar da retração, o governo não descarta retomar a discussão sobre financiamentos da área de saúde.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário