ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Moradores pedem sinalização em cruzamento perigoso no bairro São José

Ituaçuense de apenas 9 naos passa de fase no The Voice Kids e emociona jurados ao cantar 'Folha Seca' de Amado Batista

BA-263: Quatro morrem e 10 pessoas ficam feridas em acidente com van e ônibus entre Belo Campo e Vitória da Conquista

PodoClin: Dicas para pular o carnaval com unhas e pés bem cuidados

Pré-candidato a prefeito de Brumado, Fabrício Abrantes lança plano de governo

Rio de Contas: Caminhão carregado de lonas cai em ribanceira em curva da BA-148

Brumado: Uneb disponibilizará monitores para melhorar atendimento na pediatria do Hospital Municipal

Jovem acusa ter sido agredido por homofobia após descer de ônibus em Conquista

Alunos envenenam professora em sala de aula

Jovem de 20 anos é encontrado morto dentro de casa em Brumado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado


Impactante: Relato de uma Delegada de Polícia

(Imagem Ilustrativa)

"Há dois anos e sete meses sou delegada de polícia. Embora eu tenha passado no concurso na condição de concurseira e não propriamente na de vocacionada, aprendi muito na polícia civil e com a polícia civil. Aprendi a dar maior valor à vida, porque vi que ela é frágil demais. Aprendi a dar valor ao sono, porque ele é artigo de luxo para um policial. Aprendi a enfrentar situações de risco com mais naturalidade, porque se trabalha com o risco todo dia. Aprendi que garantista mesmo não é aquele que infla falando do assunto, de pantufa, com uma doutrina na mão, e sim aquele que confere as garantias ao preso numa delegacia, há 48h sem dormir, trabalhando em condições precárias, com fome, com sono e diante de um bêbado gritando e ofendendo até a sua quinta geração. Aprendi que há profissões em que a gente acaba pagando para trabalhar, porque os recursos matérias e humanos são parcos e a gente quer muito que aquilo dê certo, que fique bom. Aprendi que servir e proteger não é só um juramento. É um modo de vida. Aprendi a me abnegar, a esgotar as minhas forças e continuar de pé, a enfrentar meus medos e a deixar, muitas vezes, a família e os amigos de lado (é a pior parte) para bem cumprir a minha missão. Os únicos a abrir as portas para as vítimas nas madrugadas frias. Aqueles que são os primeiros a tomar conhecimento do crime e a tomar as primeiras (e mais sacrificantes) providências (ouvir os familiares do morto logo depois do homicídio, comparecer no local do crime, na vila, de madrugada, na chuva, para isolar o local e colher os primeiros elementos de prova...). Aqueles que volta e meia têm que se confrontar com marginais. Generalizar e jogar lama na honra, na coragem e no mérito dos policiais não vai fazer da polícia uma instituição melhor. Apoie o policial. A esmagadora maioria arrisca a vida por você!"



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário