ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Conquista: Manifestantes lotam frente do Fórum da cidade e pedem justiça pela morte do estudante e motorista de aplicativo

Brumado: Superintendente de Trânsito desmente situação de 'bullying' na SMTT

Brumado: Moradores da Vila Presidente Vargas denunciam envenenamento de gatos

Brumado: Bandidos entram em residência e levam R$ 2 mil em joias no bairro Ginásio Industrial

Jovem morre em acidente de moto na zona rural de Aracatu

Carga com mais de 3 toneladas de maconha é apreendida pela PRF na BR-116

Brumado: Após tentar disparar contra PM, suspeito acaba sendo alvejado próximo à Prefeitura

Incêndio florestal em Rio de Contas é controlado por bombeiros

Novembro Azul: Pax Nacional apoia esta ideia

Acusados pela morte do estudante de odontologia e motorista de aplicativo são presos em Vitória da Conquista

RotSat: Rastreamento veicular com qualidade, eficiência e segurança

Família procura por aracatuense, desaparecido há 7 dias

Grave acidente entre os municípios de Tanhaçu e Ituaçu deixa uma vítima fatal na BA-142

PodoClin, Podologia Avançada em Brumado

Brumado: Conseg apresenta projetos em combate a violência contra a mulher

Tremor de terra assusta moradores de cidades do interior do Estado

Inep proíbe o uso de celular a aplicadores do Enem

Mãe é presa suspeita de jogar água quente na filha de 16 anos durante briga

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Lula agradece militância e ataca Lava Jato em 1° discurso após prisão


Prefeito de Santo Sé é condenado a 10 anos de prisão por desvios de recursos e estelionato

(Foto: Reprodução)

O prefeito Ednaldo dos Santos Barros, da cidade de Sento Sé, a 689 km de Salvador, foi condenado a seis anos, dez meses e 24 dias de de prisão, por desvio de recursos públicos, na quinta-feira (23). A decisão foi da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Bahia, que acatou denúncia oferecida pelo MP (Ministério Público) estadual por meio do Núcleo de CAP (Crimes Atribuídos a Prefeitos). De acordo com o MP, Barros também foi condenado a quatro anos e 26 dias de prisão, além de multa, por tentativa de estelionato. Nas duas condenações, a 2ª Câmara determinou que o prefeito faça o ressarcimento dos danos causados aos cofres públicos. O gestor também ficou inapto para exercer função pública por cinco anos, além de inelegível com base na Lei da Ficha Limpa. Segundo o CAP, entre 1998 e 1999, o gestor efetuou aquisições fraudulentas de material de construção por meio de notas fiscais “frias”, configurando desvio de recursos. Já no ano 2000, o prefeito tentou fraudar o erário com a simulação de um litígio judicial, configurando a tentativa de estelionato. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário