ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brasil registra mais de 35 mil mortes por covid-19 e ultrapassa mil óbitos nas últimas 24 horas

Homem de 40 anos é encontrado morto na zona rural de Guanambi

Covid-19: Brumado registra 47 casos confirmados, 28 em tratamento, um óbito e quatro pacientes internados

Correios serão opção para fazer cadastro para auxílio emergencial

Brumado: Homem é alvejado com vários disparos de arma de fogo no bairro Santa Tereza

2ª parcela do vale-alimentação estudantil começa na segunda-feira (8)

Eclipse lunar acontece nesta sexta-feira (5) e pode ser acompanhado no Brasil

Brumado: MP abre inquérito para pacientes com Covid-19 que não estão cumprindo medidas de isolamento

Brumado: Confirmada primeira morte por coronavírus no munícipio

Brumado: Servidor público tem CPF cadastrado ilegalmente no auxilio emergencial do Governo Federal

Vacina brasileira contra a Covid-19 começa a ser testada em animais

Prints e conversas do whatswpp sem autorização judicial é ilegal

Sesab confirma 14.243 casos ativos da Covid-19 na Bahia; número de óbitos se aproximam de 800

Municípios baianos têm até dia 8 deste mês para informar gastos com pandemia

Prefeitura de Caetité lança programa de ajuda emergencial a artistas

RHI Magnesita mantém ciclo sustentável de alto impacto em Brumado

Bolsonaro publica MP que permite repasse de R$ 60 bilhões em ajuda a estados e municípios

Covid-19: Brumado passa a ter 28 casos ativos da doença e 1.335 notificações

RHI Magnesita distribui máscaras de tecido em Brumado

Brumado: Após pacientes testarem positivo para a Covid-19, nefrologista destaca protocolos no Instituto de Nefrologia


Presídios baianos devem ganhar alas LGBTs para reduzir violência contra homossexuais

Foto: Divulgação

A Bahia deve ser o próximo estado a implantar alas para lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e trangêneros (LGBTs) como forma de reduzir a violência dentro de presídios. A mudança deve acontecer em unidades que ainda estão em construção e serão entregues em 2014. O modelo já existe em complexos penitenciários de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraíba e Mato Grosso. “A ideia é tirar essas pessoas do convívio dos presos, porque havia denúncias de maus tratos, além da necessidade de oferecer a elas um tratamento apropriado”, explicou o subsecretário de Administração Prisional de Minas, Murilo Andrade. A ala LGBTs no Presídio de São Joaquim de Bicas, em Minas, existe desde 2009. A chefe da Coordenadoria Especial de Políticas de Diversidade Sexual do estado, Walkíria La Roche, afirma que trata-se também de uma questão de saúde. Segundo ela, os homossexuais e travestis abusados sexualmente nas prisões acabam contraindo doenças sexualmente transmissíveis (DST) e, consequentemente, transmitindo a outros homens no ambiente carcerário. “É muito comum no nosso país que essas pessoas sejam usadas como moeda de troca nos presídios. Não há preocupação com a transmissão de DST. E como os homens, depois, recebem visita íntima, pode causar uma epidemia”, declarou. Informações da Agência Brasil.

 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário