ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Universitários de Brumado fazem campanha para ajudar amiga com câncer

Polícia Militar apreende produtos falsificados em farmácia de Brumado

Delegado Arilano Botelho fala dos seus planos de trabalho à frente da 20ª Coorpin

Mal de Alzheimer: Cuidados essenciais para quem sofre com essa doença

Brumadenses superam a distância entre o sonho e a realidade do futebol feminino

Mineração de urânio da INB traz à tona memória de contaminação nos municípios de Caetité e Lagoa Real

Pax Nacional fecha parceria com faculdade Faveni

Chuva em Brumado surpreende moradores e ameniza temperatura no 'Sertão Produtivo'

Gás de cozinha aumenta nas distribuidoras a partir de hoje (22)

Brumado: PSD não deverá sair das mãos do advogado Thiago Amorim

Brumado: Projeto de Lei que prevê empréstimo de R$ 5 milhões volta à pauta do Legislativo

Auditoria vai apurar como 17 municípios baianos fizeram gastos em saúde

Apae de Brumado realizará assembleia geral ordinária para eleição da nova diretoria executiva

BA-148: Motociclista de 37 anos morre após sofrer acidente próximo ao distrito de 'Fazendinha'

Incêndio de grandes proporções atinge área de vegetação em Rio de Contas

PodoClin, Podologia Avançada em Brumado

Brumado: Tempo continua quente na Região Sudoeste e pode chover na quinta-feira (24)

Modelo brumadense realiza sonho de desfilar na São Paulo Fashion Week

Maetinga: Motorista de 36 anos morre em capotamento na BA-263

Lagoa Real: Idoso morre carbonizado após tentar apagar fogo em lavoura


Polícia prende suspeita de aplicar golpe e acusar Padre Marcelo Rossi de plágio

Foto: Reprodução

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu na última quinta-feira (9), Izaura Garcia de Carvalho Mendes, de 65 anos, suspeita de praticar estelionato ao aplicar um golpe milionário no padre Marcelo Rossi. Uma investigação da Polícia Civil, mostrou que Izaura fraudou o registro de um texto e, em processo na Justiça, alegou que o padre o copiou e o usou sem dar crédito no livro "Ágape". O livro vendeu 10 milhões de exemplares entre 2010, quando foi lançado, até abril deste ano, quando foi retirado de circulação por uma decisão judicial movida por ela. Em 2013, Izaura fez um acordo com a Editora Globo e recebeu R$ 25 mil numa primeira ação. Segundo o site G1, em uma nova ação contra a editora do livro, que manteve na obra o trecho que Izaura diz ser seu, a Justiça determinou, em 11 de abril de 2018, a proibição de venda do "Ágape" e o recolhimento de todos os livros que estão no mercado. Não satisfeita, Izaura ainda fez o pedido de uma indenização de R$ 51,6 milhões. Izaura foi chamada a depor na delegacia. Diante do delegado respondeu que não sabe falsificar documentos e que mostrou toda a documentação às advogadas. "Só sei datilografar", disse. Conforme o G1, após a afirmação, o delegado prendeu Izaura e as duas advogadas. Depois, a polícia fez buscas na casa de Izaura, no bairro do Rio Comprido, na região Central do Rio, onde apreendeu documentos que podem auxiliar nas investigações. Após constatar a fraude, a escritora e as duas advogadas foram presas e posteriormente liberadas para responder o processo em liberdade.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário