ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Associação do Campo Seco se destaca na produção de vassouras e artesanatos em Brumado

Nova vítima do golpe com 'falso depósito' perde carro avaliado em R$ 7 mil

Barreiras: Bombeiros são atacados a tiros enquanto combatia incêndio

Hemoba esclarece falta de 'bolsas' de coleta no hemocentro de Brumado

Clínica Master: Cirurgião Geral Dr. Pedro Thiébaut

Especialistas alertam para risco de pandemias globais em assembleia da ONU

RotSat: Rastreamento veicular com qualidade, eficiência e segurança

Brumado: Câmara vota hoje (23) projeto de lei que insere, altera e revoga dispositivos da Zona Azul

Brasileiros de alta renda são menos tributados na média dos países do G7, diz pesquisa

Inovare Odontologia & Saúde: O que é Gengivite e Periodontite

Brumado: Moradores do bairro São Jorge denunciam queimadas provocadas pela população na margem do Rio do Antônio

Caculé: Homem que estava desaparecido à três dias é encontrado morto; choque elétrico pode ter provocado o óbito

BR-030: Caminhão carregado com maracujina tomba próximo ao distrito de Ibitira

Brumado: Homem é baleado em tentativa de assalto na BA-148, próximo à entrada de Pedra Preta

Homem se afoga após pedido de casamento debaixo d'água

Homem é detido transportando mais de cem celulares sem nota fiscal em Jacobina

Moradora de Guajeru relata susto com roda de ônibus escolar que se soltou enquanto transportava alunos da zona rural

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Livramento de Nossa Senhora: Polícia investiga casos de clonagem de números de telefone na cidade

Brumado: Despesas com saúde pública chega aos 34% com vítimas do trânsito


Brumado: Tribunal de Contas dos Municípios multa prefeito Eduardo Vasconcelos em R$ 8 mil

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

O Tribunal de Contas dos Municípios, na sessão desta terça-feira (30), julgou procedente o termo de ocorrência lavrado contra o prefeito Eduardo Lima Vasconcelos, por irregularidade na movimentação e aplicação dos recursos oriundos do precatório do Fundef, no exercício de 2018. O relator do parecer, conselheiro Paolo Marconi, multou o gestor em R$ 8 mil. De acordo com o relatório técnico, em 24 de julho de 2017, o município recebeu R$ 40.989.318,04, depositados em conta do Banco Bradesco, o que estaria em desacordo com o determinado pela Constituição Federal, especialmente porque na cidade existem agências bancárias do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, instituições financeiras oficiais. Ao analisar o levantamento, o relator concluiu que não houve nenhuma exceção legal que justificasse o depósito em conta de banco privado. O conselheiro apontou ainda o gasto de R$ 16.641.069,15, com recursos do Fundef, com o programa “Caminho da Escola” e o fornecimento de alimentação escolar. A defesa apontou que, em 23 de maio de 2018, a Justiça Federal concedeu tutela de urgência em ação ajuizada pelo município, permitindo a aplicação em investimentos educacionais sem estarem afetados às finalidades específicas do Fundef. Todavia, a Inspetoria regional do TCM reiterou que parte destes pagamentos foi efetuada antes da medida liminar concedida pela Justiça Federal, visto que já em março de 2018 a prefeitura tinha promovido pagamentos de obra com o “Caminho da Escola e com fornecimento de alimentação na ordem de R$ 683.096,38, ou seja, sem autorização judicial, mesmo que liminarmente. 

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

O relator considerou que foram ilegais os gastos realizados pelo prefeito de Brumado, Eduardo Vasconcelos, com verbas de precatórios do Fundef antes da decisão provisória da Justiça Federal, na ação ajuizada pelo município para obter a desvinculação. Já em relação aos gastos realizados posteriormente à concessão judicial da tutela de urgência, a defesa argumentou que “a administração municipal iniciou os gastos com proteção judicial, tendo o Estado-juiz alargado a possibilidade dos gastos no aspecto educacional para mais dos aludidos preceitos”. Entretanto, na fundamentação da sentença, o juiz federal delimitou o alcance da própria decisão, ilustrando com três hipóteses em que os recursos do Fundef não poderiam ser utilizados pelo município de Brumado a pretexto de “investimentos educacionais”. No caso, o prefeito aplicou as verbas justamente em duas das hipóteses proibidas pela Justiça Federal, sob pena de improbidade por desvio de finalidade. Dessa forma, o conselheiro Paolo Marconi considerou ilegais os gastos realizados pela prefeitura após a decisão provisória da Justiça Federal. A relatoria determinou ao gestor que promova, com recursos municipais, a devolução do montante correspondente a R$ 16.641.069,15, à conta-corrente específica do precatório/Fundef. Além disso, o processo foi encaminhado ao juiz federal João Batista de Castro Júnior da 1ª Vara da subseção Judiciária de Vitória da Conquista e também ao Ministério Público do Estado da Bahia para, se assim entender, proceder à investigação de possíveis atos de improbidade administrativa. Cabe recurso da decisão.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário