ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Após pacientes testarem positivo para a Covid-19, nefrologista destaca protocolos no Instituto de Nefrologia

SEST SENAT vai realizar testes rápidos de covid-19 em 30 mil trabalhadores do transporte

Bate-papo sobre coronavírus domina conversas em apps de relacionamento

Bahia chega a 290 cidades sem transporte intermunicipal suspenso devido à Covid-19

Possível retorno às aulas na rede estadual de ensino em 22 de junho é falso; decisão ainda não foi tomada

Bahia: Governador fala sobre possível subnotificação nos casos de Covid-19: 'Números reais provavelmente são maiores'

Bahia: Procura por seguro-desemprego aumenta 113%

Brumado: Pedido de flexibilização dos serviços não essenciais da DPE é negado pela Justiça

Sobe para 16 o número de pacientes curados da Covid-19 em Brumado

Fabrício Abrantes, Move Mulher e bancada do DEM querem ampliar licença maternidade de servidoras para 180 dias

Barreira sanitária continua: Mais dois veículos foram retidos pelo transporte irregular de passageiros

11 bens minerais extraídos na Bahia coloca o estado na liderança nacional

Caetité: Em teste rápido, funcionários da INB testem positivo para a Covid-19

Brumado: Caminhoneiro com sintomas de Covid-19 passa mal na BR-030 e é socorrido pelo SAMU

Mais um ônibus é retido com 25 passageiros em Brumado

Número de mortos pelo coronavírus foi maior do que o esperado para 63% dos baianos

Brumado: Servidores públicos que pertencem ao grupo de risco serão afastados durante a pandemia

34ª CIPM: 31 policiais testam negativo para o coronavírus após colega contrair o vírus

Veja o número de casos e mortes por coronavírus no Brasil e na Bahia

Macaúbas: Paciente com Covid-19 morre após traumatismo craniano


Aluna será indenizada por ter sido obrigada a fazer oração em sala de aula

Foto: Luciano Santos l 97News

Em um caso não muito frequente, mas também que não é raro, a justiça de São Paulo condenou uma professora e uma escola pública a pagarem idenização a uma aluna. Segundo o Tribunal de Justiça da capital paulista, a professora, com o conhecimento da direção e da coordenação, realizava orações coletivas durante as atividades escolares. A mãe da criança, que a representou no processo, alegou que a filha sofreu danos psicológicos ao ser alvo de bullying por se recusar a participar da oração. Ela e sua família são candomblecistas. A desembargadora Maria Laura Tavares, relatora do processo, avaliou que o pedido de indenização era procedente. “O Estado, especialmente a instituição de ensino pública, não deve promover uma determinada religião ou vertente religiosa de forma institucional e não facultativa”, comentou a magistrada na decisão. A desembargadora completou dizendo que essa atitude pode ocasionar “segregações religiosas, separatismos, discórdias e preconceitos”. De acordo com a relatora, o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) é de que o Estado responde objetivamente pelos danos causados por seus agentes. Segundo a desembargadora, cabe à Administração Pública apurar se houve culpa ou dolo da professora pelos danos causados e, se for o caso, cobrar o devido ressarcimento. O desrespeito à liberdade religiosa e a imposição de prática de cunho religioso de forma institucional e obrigatória em instituição de ensino pública violam o direito da personalidade das autoras, notadamente quanto à liberdade de pensamento, identidade pessoal e familiar.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário