ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Operação apreende carne comercializada irregularmente no Mercado Municipal de Livramento

Suspeito de agredir idoso em rua é preso após se apresentar em fórum

Provas do Encceja acontece neste domingo (25)

Feira: Cerca de 100 kg de maconha são apreendidos pela PRF

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

Projeto de Lei que retira direito de votação para o cargo de diretor em escolas municipais é aprovado na Câmara sob protestos

Homem é preso suspeito de estuprar criança de 8 anos no norte da Bahia

Brumado: Feirantes não aderem à movimento e manifestação tem poucos participantes

Governo Federal suspende recursos para vigilância em Saúde de 9 cidades baianas

Comerciantes debatem sobre impactos do estacionamento rotativo, em Brumado

Operadora Vivo deixa milhares de clientes sem sinal em Brumado

Policiais Militares da 34ª CIPM participam de palestra sobre funções militares

ONGs preveem onda de ações na Justiça contra Bolsonaro por queimadas

Homenagens marcam cerimônia da Semana do Soldado em Brumado

Motociclista fura bloqueio da PM em Livramento de Nossa Senhora e sofre acidente

Privacidade de dados pessoais dos brasileiros pode ter sido violada pelo Google; diz Senacom

Idoso morre após ser agredido com golpes de facão depois de discussão com enteado

O grupo 'Arte na Praça' convida você e sua família para a 3ª Feira de Artes em Brumado

Bahia: Operação desarticula esquema que sonegou R$ 25 milhões em ICMS


Horas antes de morrer, Boechat comentou 'sucessão de tragédias no Brasil' em programa de rádio

Foto: Reprodução l TV Bandeirantes

Uma coincidência infeliz. É assim que se define o que ocorreu nesta segunda-feira (11). O jornalista Ricardo Boechat, morto em acidente de helicóptero, em São Paulo, fez um comentário de quase 10 minutos na rádio BandNews FM sobre a sucessão de tragédias no Brasil em 2019, cerca de duas horas antes da sua própria tragédia. Boechat relembrou os casos de Brumadinho – que deixou 325 mortos, dos quais 160 ainda não foram encontrados – e do Ninho do Urubu – quando 10 crianças da base do Flamengo morreram em um incêndio. O jornalista alertou para que essas duas tragédias não fiquem no “ôba-oba”. “É preciso que as consequências sejam mais rápidas no campo da polícia, do Ministério Público. Depois é apoiado pelo esquecimento, da nossa velha tradição de deixar para lá e tocar adiante”, afirmou. “Situações que são de responsabilidade do Estado, do campo da prevenção, do legislador, do judiciário. Quando a gente chora, sofre, lamenta o fato ocorrido ontem, a gente parece estar anestesiado ou gostar da anestesia que faz esquecer desse fato tão logo quando surge novo fato de amanhã, que terá o mesmo tratamento”, contou. Veja o vídeo:



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário