ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: Sobe para 147 casos suspeitos da Covid-19 no município

18ª Ciretran tem atendimento presencial suspenso em Brumado

Embasa suspende corte do fornecimento de água nos casos de falta de pagamento

Covid-19: Prefeito e secretário de saúde de Brumado participam de videoconferência com Rui Costa

Programa de Datena sai do ar enquanto falava sobre efeitos da Cloroquina no combate ao coronavírus

Produtores de cachaça vão doar 70 mil de litros de álcool ao SUS

Bete Fruits: Frutas e Verduras fresquinhas em sua casa!

Ministério da Saúde libera mais de R$ 70 milhões para a Bahia, diz Vilas-Boas

Mortes por coronavírus no Brasil sobem para 77, diz Ministério da Saúde

Medida Provisória vai dar R$ 36 bilhões para ajudar bares e restaurantes do Brasil

Brasil enfrentará 3 epidemias ao mesmo tempo nos próximos meses

Aracatu: Mulher morre vítima de descarga elétrica na zona rural

Brumado: MP vai fiscalizar postos de combustíveis que não repassarem redução

Bahia: Governador pede que prefeitos não fechem rodovias para não desabastecer as cidades'

Brumado: 'Se você parar tudo vai, chegar um ponto que o alimento acaba', diz prefeito com possibilidades de reabrir comércio

Fabrício Abrantes cobra política assistencial a população carente durante crise da Covid-19

Brumado: Já são 124 casos suspeitos da Covid-19

Brumado: PM recupera baú com restrição de roubo e furto no centro da cidade

Bahia deve perder R$ 1,5 bilhão em ICMS por causa do comércio fechado

Medida provisória que criaria 13º permanente no Bolsa Família perde validade


Rombo nas contas públicas chega a R$ 67 bilhões de janeiro a novembro, revela BC

Foto: Conteúdo l 97NEWS

As contas do setor público consolidado, que abrange governo federal, estados, municípios e empresas estatais, registraram de janeiro a novembro deste ano, um déficit primário de R$ 67.125 bilhões. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (28) pelo Banco Central. O déficit primário ocorre quando as despesas são maiores do que as receitas, sem contar os gastos com juros da dívida pública. Apesar de negativo, o resultado foi o melhor para o período desde 2015. Dessa forma, houve uma queda no déficit de 14,22% na parcial de 2018, em três anos. O resultado notado no acumulado dos últimos onze meses favorece o setor público no objetivo de atingir a meta fiscal, de um rombo de até R$ 161,3 bilhões para este ano. Quando se trata da dívida líquida do setor público, o valor passou de R$ 3.642 trilhões em outubro para R$ 3.644 trilhões em novembro. A dívida líquida leva em conta os ativos do país, como as reservas internacionais, por exemplo, que atualmente estão em torno de US$ 380 bilhões. Já no caso da dívida bruta do setor público, que não considera os ativos dos países, a dívida passou de 77% do Produto Interno Bruto (PIB), em outubro, para 77,3% do indicador. Para especialistas financeiros, uma tendência crescente da dívida pode levar à recomendação para que investidores estrangeiros retirem recursos do Brasil, principalmente se o país permanecer em um cenário de ausência de reformas.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário