ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Eunápolis: Homem é preso suspeito de manter esposa de 18 anos em cárcere privado

Confira os especialistas da semana na Clínica Mais Vida em Brumado

A4 Veículos recebe visita técnica de alunos do Curso de Administração Jovem Aprendiz do Senac

Atualmente morando em São Paulo, brumadense lança sua calorosa e frenética aposta para o verão, a divertida e agitada ‘Tá Calor’

Brumado: 'Nós somos gente, não somos bicho', diz moradora da Virgílio Ataíde que cobra da prefeitura manutenção de escadaria após acidente com caminhão em 2018

Brumado: Através do Conseg, 34ª CIPM receberá doação de um drone e novos equipamentos tecnológicos

Jequié: Governador Rui Costa passa mal durante visita à cidade

Brumado: Em janeiro, acontece a 4ª edição do Campeonato Sub-17 do bairro São Felix

Brumado: Radialistas são vítimas de golpe que clona WhatsApp; polícia investiga o caso

Brumado: Longe da mídia, Yasmin Guimarães a artista brumadense que você precisa conhecer

Brumado ficará sem reforço de verba federal após extinção do NASF

Brumado: Mais de 600 famílias deixa de receber o Garantia Safra por falta do NIS

Caixa libera saque do FGTS para 9,1 milhões nesta sexta

Brumado: Polícia apreende mulher por tráfico de drogas no bairro Irmã Dulce


Rombo nas contas públicas chega a R$ 67 bilhões de janeiro a novembro, revela BC

Foto: Conteúdo l 97NEWS

As contas do setor público consolidado, que abrange governo federal, estados, municípios e empresas estatais, registraram de janeiro a novembro deste ano, um déficit primário de R$ 67.125 bilhões. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (28) pelo Banco Central. O déficit primário ocorre quando as despesas são maiores do que as receitas, sem contar os gastos com juros da dívida pública. Apesar de negativo, o resultado foi o melhor para o período desde 2015. Dessa forma, houve uma queda no déficit de 14,22% na parcial de 2018, em três anos. O resultado notado no acumulado dos últimos onze meses favorece o setor público no objetivo de atingir a meta fiscal, de um rombo de até R$ 161,3 bilhões para este ano. Quando se trata da dívida líquida do setor público, o valor passou de R$ 3.642 trilhões em outubro para R$ 3.644 trilhões em novembro. A dívida líquida leva em conta os ativos do país, como as reservas internacionais, por exemplo, que atualmente estão em torno de US$ 380 bilhões. Já no caso da dívida bruta do setor público, que não considera os ativos dos países, a dívida passou de 77% do Produto Interno Bruto (PIB), em outubro, para 77,3% do indicador. Para especialistas financeiros, uma tendência crescente da dívida pode levar à recomendação para que investidores estrangeiros retirem recursos do Brasil, principalmente se o país permanecer em um cenário de ausência de reformas.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário