ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Conquista: Motorista de app pede ajuda aos Bombeiros após carro ficar ilhado com chuva

Brumado: Paralisação dos professores estaduais entra no terceiro dia; categoria comemora com 'Carnaval de Protesto'

Trio elétrico completa 70 anos de desfile no carnaval da Bahia

Aos 94 anos, morre em Brumado um dos primeiros empreiteiros da cidade, o 'Mestre Eufrásio'

Brumado: PETO apreende veículo com documentação irregular no bairro São Felix

Modernização das NRs é tema de palestra para empresas e indústrias de Brumado

Protestos: Senador do Ceará tenta entrar em batalhão da polícia com retroescavadeira e é baleado

Brumado: Programa 'Melhor em Casa' leva atendimento à idosos, pacientes crônicos e pós-cirurgia

Brumado: Moradores da comunidade de Umburanas cobram limpeza e reforma de cemitério antigo

Brumado: Fabrício Abrantes afirma que entrou na política para 'lutar contra o continuísmo'

PRF de Minas Gerais apreende carga de maconha que seria entregue no município de Guanambi

'Não é assédio, é importunação sexual', campanha busca mudança de comportamento dos homens no Carnaval

90ª Zona Eleitoral de Brumado está de olho nos eleitores que realizam transferência de domicílio às vésperas das eleições

PRE inicia operação especial de fiscalização durante o carnaval 2020

Bahia encerra último ciclo da biometria com alcance de mais de 83% do eleitorado

Sem carnaval, foliões de Brumado buscam alternativas em outras cidades

Paralisação: Professores estaduais vão às ruas de Brumado em protesto contra cortes de Rui Costa

Carnaval 2020: Latinhas de cerveja podem conter até 45 mil bactérias e 9 mil fungos

Chapada Diamantina: Rio de Contas se prepara para o Carnaval 2020

Voluntários da Capelania Hospitalar animam rotina no Hospital Público de Brumado


Fraude com CPF tornou possível envio de mensagens em massa pelo WhatsApp na eleição

(Foto: 97NEWS Conteúdo)

O esquema de envio de mensagem em série via aplicativo Whatsapp pagos por empresários em benefício de políticos nas eleições deste ano era feito com base em uso fraudulento de nomes e CPFs de idosos para registrar chips de celulares, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo.  Segundo relato de um ex-funcionário da Kiplix, uma das agências envolvidas, era realizado o cadastro de números com nomes, CPFs e datas de nascimento de pessoas nascidas de 1932 a 1953 (de 65 a 86 anos), que ignoravam o uso de seus dados. Uma vez ativados, os chips eram usados para disparos em massa pelo WhatsApp. Outra irregularidade cometida pelas empresas foi o uso de robôs para disparo de mensagens em massa, algo que é proibido pela legislação eleitoral.  As medidas estão registradas em documentos que foram obtidos pela Folha depois que o ex-funcionário, identificado como Hans River do Rio Nascimento, entrou com uma ação na Justiça do Trabalho contra a agência por condições irregulares de trabalho. Ele chegou a conversar com o jornal sobre as ações de campanha, mas entrou em acordo com a empresa e voltou atrás. A agência Kiplix foi subcontratada pela AM4, empresa que trabalhou na campanha do presidente eleito Jair Bolsonaro e à qual o então candidato declarou ao TSE pagamento de R$ 650 mil. Já a equipe do candidato derrotado Henrique Meirelles (MDB) contratou os serviços da agência Deep Marketing e declarou pagamento de R$ 2 milhões à empresa por "criação e inclusão de páginas da internet". Pelo menos outros 15 candidatos a deputado estadual, federal e senador declararam ao TSE ter contratado os serviços das duas agências.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário