ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Casal cai em golpe de venda de carro pela internet, perde veículo e celular em Brumado; polícia investiga o crime

Brumado: Moradores denunciam abandono e risco de desabamento de ponte que liga os bairros São Jorge e Dr. Juracy

Brumado: Após reintegração, Prefeitura demoliu imóvel no bairro São José

Brumado: Caminhão estoura fios e danifica poste no bairro Santa Tereza

Brumado: Polícia prende homem que mantinha ex-namorada em cárcere privado no residencial Brisa II

Famílias celebram Dia Internacional da Síndrome de Down em Brumado

Guanambi: PM prende suspeita de tráfico de drogas é presa com 295 pedras de crack

Cabeceira de ponte começa a desabar na BA-148 entre Brumado à Livramento de Nossa Senhora

Brumado: Idoso recém operado do coração morre dentro de ônibus na Av. Centenário

Brumado: Polícia recupera bens furtados em galpão; três suspeitos foram ouvidos e liberados

Clínica Master: Ginecologia e Obstetrícia

Chuva causa alagamentos em diversos pontos de Brumado; veja fotos

Ex-presidente Michel Temer é preso pela Lava Jato no Rio de Janeiro

Apresentadora Xuxa solta o verbo e diz, 'Estou velha, pele enrugada e não faço plástica', sobre cobranças pelo corpo

Brumadinho: Total de mortes confirmadas sobe para 209

Caetité: Cidade receberá em maio a 'Corrida do Trabalhador'

Brumado: Dois indivíduos tombaram em troca de tiros com o PETO no bairro Irmã Dulce

Bloqueio de celulares irregulares começa no dia 24 de março nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste

Enfim ela chegou: Começa a chover forte em Brumado e na Região Sudoeste

Clínica Master: Atendimento em Psiquiatria


Conquista: Esquema de fabricação de placas frias é denunciado ao Detran-BA

Placas são vendidas através das redes sociais. Núcleos foram descobertos em Vitória da Conquista, Guanambi e Paulo Afonso (Foto: Reprodução)

A atuação de fabricantes de placas frias para carros nas cidades de Paulo Afonso, no Vale SãoFranciscano da Bahia, e também em Guanambi e Vitória da Conquista, no Centro-Sul do estado, foi denunciada ao Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran-BA) pela Associação Baiana de Estampadores de Placas e Tarjetas Automotivas (ABEEP), entre fevereiro e março deste ano. Segundo apurado pelo BNews, meses após a denúncia, o grupo ainda segue atuando na região, A reportagem teve acesso à íntegra de três denúncias enviadas ao órgão estadual. Conforme relata a denunciante, em Paulo Afonso, envolvidos na atividade ilegal comercializam a venda de placas em seus pers no Facebook e no Mercado Livre. “Vale ressaltar que este indivíduo não está credenciado, logo sem autorização e/ou conhecimento técnico para realizar serviços de trocas de placas e tarjetas juntamente com lacre exclusivo do Detran. Razão pela qual sugerimos uma investigação a fim de coibir tais desmandos”, solicitou a ABEEP. O Segundo informou o mesmo, estas placas seriam usadas para realização de uma vistoria e que, em seguida seriam descartadas porque o mesmo já dispunha de novas placas da categoria “aluguel”. Ao consultar o Sistema GPV e constatar que não havia protocolo aberto, o estampador orientou o usuário a buscar a Circunscrição de Trânsito (Ciretran) para resolver a questão”. 

E continua: “O mesmo estampador observou que, no nal da manhã, o mesmo usuário encontravase no pátio de uma vistoria recebendo e pagando por um par de placas cinzas que foram colocadas ali mesmo sobre as vermelhas já existentes. Como o usuário não havia retornado, o estampador, ao observar a troca das placas, decidiu fazer nova consulta ao Sistema GPV, onde constatou que não havia sido aberto nenhum protocolo para a placa em questão”. Sobre esta denúncia, a ABEEP arma ao Detran-BA que além da irregularidade de ter sido confeccionado um par de placas sem protocolo aberto, “cou evidenciado também o fato de as placas não disporem de código de barras, nem de credenciamento de fornecedores de placas e tarjetas de identicação de veículos automotores”. Em Guanambi, uma empresa foi denunciada por outros estampadores de placas por causa de supostas irregularidades que estariam causando prejuízos aos concorrentes. Eles armam que esta empresa confecciona e comercializa placas em desacordo com as determinações do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Entre as ilegalidades apontadas estão a fabricação de placas pequenas em motos, proibida desde 1º de janeiro de 2012 pelo Contran, e sonegação de impostos, já que não emitem nota scal. De acordo com um empresário do ramo, que prefere não se identicar por medo de represália, as placas adquiridas por meio dos denunciados não constam nos cadastros do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), sendo invisível para os órgãos públicos de scalização e segurança, fato que contraria o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).  Os envolvidos também não emitem nota scal, não pagam impostos, nem taxas. Além disso, como compram os materiais para fabricação das placas fora da Bahia, ainda tem evasão do nosso dinheiro”, lamenta. Ao site, ele revela também que os estampadores de placa reclamam que a falta de apuração e punição tem gerado prejuízo. “É possível armar que houve uma queda de 24% de solicitações de placa de reposição, a dianteira. Mais de 25% das placas são produzidas por fora, no mercado ilegal”. Procurada e questionada sobre os casos, a assessoria do Detran-BA enviou uma nota. Leia a íntegra do esclarecimento: 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário