ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Possível descoberta de jazidas de ouro em Brumado deixa população intrigada; prefeitura diz que não foi informada

Começa nesta terça as matrículas de alunos da rede estadual de ensino

Vitória da Conquista: Idoso é morto a tiros dentro de casa no Miro Cairo

Bahia: Energia movida a vento vai gerar 24 mil empregos até 2023

Ministro define 13º para Bolsa Família como prioridade, mas falta o dinheiro

Cachaça de Caetité é presenteada ao governador do Rio de Janeiro que comunicou que irá visitar o município baiano; veja vídeo

Mulher é espancada pelo companheiro com peso de musculação em Jacobina

Na contramão da oposição brumadense, secretário estadual da Fazenda fortalece tendência da privatização da Embasa

Prefeitura de Brumado divulga lista do sorteio eletrônico das vagas das escolas municipais

Brumado: Superintendência de Trânsito inicia vistoria na frota regular de táxi

Brumado: advogado cria polêmica sobre a função de vereador e sobre os preços de bebidas e comidas em evento musical

Advogado Irenaldo Muniz assume assessoria jurídica do Sindsemb

Na luta contra as fake news, WhatsApp limita reenvios de mensagens a 5 destinatários

Rui Costa é entrave no PT a um acordo para ajudar reeleição de Maia, diz coluna

‘Justiça do Trabalho pode ser extinta por inanição’, diz presidente da OAB-BA

Ituaçu: Após ter arrombado residência na zona rural, homem é preso com arma e os produtos do roubo

Contendas do Sincorá: suspeito de tráfico é preso pela Polícia Militar com maconha, cocaína e dinheiro

Ministro anuncia a concessão da Fiol, ferrovia que liga Caetité ao porto de Ilhéus

Secretária Municipal de Saúde de Brumado parabeniza todos os farmacêuticos pela passagem do seu dia

Eclipse com 'superlua' será visível em todo o Brasil


Projeto regulamenta o direito de greve dos servidores públicos

(Foto: Reprodução)

Projeto de Lei do Senado propõe regulamentar o exercício do direito de greve dos servidores públicos da administração pública direta, autárquica ou fundacional de qualquer dos poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. O exercício da greve será autorregulamentado pelas entidades sindicais representativas dos servidores públicos e acolhido pelos Observatórios das Relações de Trabalho, de caráter tripartite, a serem criados no âmbito da União, estados, Distrito Federal e municípios. O projeto de autorregulamentação deverá ser aprovado em instância coletiva e representativa das entidades sindicais dos servidores. O direito de greve deverá levar em conta o juízo de proporcionalidade e razoabilidade, de forma a assegurar o atendimento das necessidades inadiáveis da sociedade. O projeto estabelece que competirá à Justiça Federal julgar as ações sobre as greves ocorridas no âmbito da administração pública federal. No caso dos estados, Distrito Federal e municípios, as ações serão julgadas pela justiça comum. As entidades sindicais ou os servidores, durante a greve em serviços públicos ou atividades estatais essenciais, ficam obrigados a manter em atividade o percentual o mínimo de 60% dos funcionários, como forma de assegurar a continuidade na prestação dos serviços. O percentual será de 80% do total dos servidores se a greve ocorrer nos setores de assistência médico-hospitalar; segurança pública; educação e nos serviços vinculados à distribuição de medicamentos de uso continuado pelo Serviço Único de Saúde (SUS) e ao pagamento de benefícios previdenciários. 

Regulamentação

Autor da matéria, o senador Dalírio Beber (PSDB-SC) observa que o texto busca regulamentar o inciso VII do artigo 37 da Constituição, que prevê o exercício do direito de greve dos servidores públicos. Passados 30 anos da publicação e promulgação da Carta Magna de 1988, o dispositivo ainda continua pendente de regulamentação pelo Congresso Nacional.

Em 2007, quando julgava mandados de injunção impetrados por sindicatos de servidores públicos, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que, até a publicação de norma regulamentadora específica, o direito de greve dos servidores públicos seria exercido com base na Lei 7.783/1989, que define as atividades essenciais e regula o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade.

Essa situação irregular, observa Dalírio Beber, tem sido aceita como regra pela demora da elaboração da norma jurídica, fazendo com que questões relativas ao direito de greve — como corte de remuneração, manutenção de percentual mínimo de servidores, comunicação prévia sobre a deflagração da greve, entre outras — sejam resolvidas de forma pontual e assistemática pelo Poder Judiciário. O senador ressalta ainda que o projeto busca “enxugar” textos sobre a matéria já em tramitação no Senado, como forma de não pormenorizar o diploma legal.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário