ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Carreta de empresa brumadense carregada com cimento tomba na região de Caetité

Menina de sete anos morre após ser atingida por caixa de som em festa

Brumado: Agentes de trânsito e populares salvam criança de 5 anos esquecida em carro no estacionamento do Mercado

Parceria entre TCE e Abin visa apurar irregularidades com recurso público na Bahia

Brumado: Prefeitura realiza assinatura da ordem de serviços para modernização do Campo da Vila Presidente Vargas no valor de R$ 250 mil

Brumado: Moradora denuncia lixo jogado fora de horário por vizinhos no bairro Santa Tereza

Clínica Master: Ecocardiograma

Brumado: Homem passa mal no Mercado Municipal após beber cachaça e morre

Em defesa da democracia e contra a reforma da previdência, Waldenor e Zé Raimundo realizam Plenária em Vitória da Conquista

Brumado: Agricultores brumadenses buscam cada vez mais o recurso 'usucapião'

Brumado: Projeto Cineclube abre caminhos para alunos aprenderem sobre produção audiovisual

Bahia: Pró-semiárido promove capacitação em associativismo na cidade de Umburanas

Ministério Público baiano pede remoção de vídeos com Desafio do Momo que ensina crianças a suicidarem

Bahia: Adutora rompe e quatro casas são atingidas por 'mar de lama'

Adolescente é resgatado por PMs pouco antes de ser morto por suspeitos de tráfico

Falso médico é preso por usar nome de profissional verdadeiro na Bahia

Brumado: Casal fica ferido após colisão entre carro e moto na Av. João Paulo I

Brumado: Pino de segurança de peça hidráulica se solta de caminhão da EPCL e destrói carro no centro

Carro capota após motorista desviar de buraco na Av. Cleóbulo Meira, em Brumado

Embasa liderou ranking de reclamações dos consumidores em 2018 na Bahia


Projeto regulamenta o direito de greve dos servidores públicos

(Foto: Reprodução)

Projeto de Lei do Senado propõe regulamentar o exercício do direito de greve dos servidores públicos da administração pública direta, autárquica ou fundacional de qualquer dos poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. O exercício da greve será autorregulamentado pelas entidades sindicais representativas dos servidores públicos e acolhido pelos Observatórios das Relações de Trabalho, de caráter tripartite, a serem criados no âmbito da União, estados, Distrito Federal e municípios. O projeto de autorregulamentação deverá ser aprovado em instância coletiva e representativa das entidades sindicais dos servidores. O direito de greve deverá levar em conta o juízo de proporcionalidade e razoabilidade, de forma a assegurar o atendimento das necessidades inadiáveis da sociedade. O projeto estabelece que competirá à Justiça Federal julgar as ações sobre as greves ocorridas no âmbito da administração pública federal. No caso dos estados, Distrito Federal e municípios, as ações serão julgadas pela justiça comum. As entidades sindicais ou os servidores, durante a greve em serviços públicos ou atividades estatais essenciais, ficam obrigados a manter em atividade o percentual o mínimo de 60% dos funcionários, como forma de assegurar a continuidade na prestação dos serviços. O percentual será de 80% do total dos servidores se a greve ocorrer nos setores de assistência médico-hospitalar; segurança pública; educação e nos serviços vinculados à distribuição de medicamentos de uso continuado pelo Serviço Único de Saúde (SUS) e ao pagamento de benefícios previdenciários. 

Regulamentação

Autor da matéria, o senador Dalírio Beber (PSDB-SC) observa que o texto busca regulamentar o inciso VII do artigo 37 da Constituição, que prevê o exercício do direito de greve dos servidores públicos. Passados 30 anos da publicação e promulgação da Carta Magna de 1988, o dispositivo ainda continua pendente de regulamentação pelo Congresso Nacional.

Em 2007, quando julgava mandados de injunção impetrados por sindicatos de servidores públicos, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que, até a publicação de norma regulamentadora específica, o direito de greve dos servidores públicos seria exercido com base na Lei 7.783/1989, que define as atividades essenciais e regula o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade.

Essa situação irregular, observa Dalírio Beber, tem sido aceita como regra pela demora da elaboração da norma jurídica, fazendo com que questões relativas ao direito de greve — como corte de remuneração, manutenção de percentual mínimo de servidores, comunicação prévia sobre a deflagração da greve, entre outras — sejam resolvidas de forma pontual e assistemática pelo Poder Judiciário. O senador ressalta ainda que o projeto busca “enxugar” textos sobre a matéria já em tramitação no Senado, como forma de não pormenorizar o diploma legal.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário