ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Carnaval 2020: Latinhas de cerveja podem conter até 45 mil bactérias e 9 mil fungos

Chapada Diamantina: Rio de Contas se prepara para o Carnaval 2020

Lúpus – doença autoimune que afeta mais comumente as mulheres

Voluntários animam rotina no Hospital Público de Brumado

Crea realizará ação especial de fiscalização no mês de março em Brumado e Região

Brumado: Obra da prefeitura quebra tubulação de água da Embasa e moradores do Apertado do Morro estão há vários dias sem abastecimento

Conquista: Familiares acompanham drama de jornalista baleada na França

Brumado: Polícia Civil está de olho em lojas de assistência técnica para celulares

Brumado: Professores da rede estadual paralisam atividades hoje (18) e só voltam depois do carnaval

Brumado: Em menos de três horas, dois acidentes são registrados na Avenida Lindolpho Azevedo em noite de cavalgada

Com aulas gratuitas de marcenaria e pintura, ONG ensina arte à crianças e idosos de Brumado

APDEMB lança edital de convocação da Eleição para escolha da nova diretoria em Brumado

Brumado: Moradores pedem sinalização em cruzamento perigoso no bairro São José

Ituaçuense de apenas 9 naos passa de fase no The Voice Kids e emociona jurados ao cantar 'Folha Seca' de Amado Batista

BA-263: Quatro morrem e 10 pessoas ficam feridas em acidente com van e ônibus entre Belo Campo e Vitória da Conquista

PodoClin: Dicas para pular o carnaval com unhas e pés bem cuidados

Pré-candidato a prefeito de Brumado, Fabrício Abrantes lança plano de governo


Homem passou 38 anos de sua vida sem poder casar e colocar o seu nome na certidão dos filhos

Foto: Whatsapp l 97NEWS

Um morador de Barra do Choça na Região do Planalto da Conquista viveu 38 anos de sua vida sem poder viver na sociedade como um cidadão registrado. José Marcos, de 38 anos, morador da comunidade de Duas Barras, zona rural do município, disse que vive com sua companheira, Maria Dias de Oliveira, com quem tem dois filhos, Edilane e Alan, e passou um grande dilema ao longo de sua vida. Segundo Marcos, ele se mudou para Barra do Choça, quando ainda era criança, sem os seus pais, e nunca pode tirar os documentos. Por conta disso, não pode registrar seus filhos por não ser casado. Ele é mais um brasileiro que vive ‘invisível’, ou seja, não existe para o Estado. José não tinha Certidão de Nascimento, RG, Título de Eleitor, CPF, nenhum outro documento. Ele nunca foi ao médico, não tem conta bancária, não votou e nem estuda. Mas aos 38 anos sua vida começou a mudar quando amigos de José conseguiu pagar uma advogada e conseguiu tirar os meus documentos. "Agora vou poder me casar, colocar o meu nome na Certidão de Nascimento dos meus filhos e começar a estudar”, disse. José Marcos, comentou ainda que, se sentia triste por não poder registrar os seus filhos, "agora graças a Deus poderei ser um cidadão, votar, ou seja ser um cidadão!", finalizou com um sorriso no rosto. 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário