ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

BA-142 fica interditada por dois dias após queda de 60 árvores por conta da chuva e ventos fortes

Com promessas de 18 anos, moradores da Fazenda Jacaré solicitam a construção de uma ponte; ‘não dá mais para aguentar’, afirmam

Duas mulheres são baleadas em tiroteio entre suspeitos de tráfico em Santo Antônio de Jesus

Brumado: Futebol Solidário com jogadores profissionais e amadores arrecada quase 800 kg de alimentos

Quatro cidades do sul da Bahia estão sem energia elétrica há três dias por conta do mau tempo

Câmara de Vereadores de Brumado realizará sessão solene para dar posse a suplente Girson Ledo

Brumado: Praça da Prefeitura terá decoração de Natal sustentável

Brumado: Jovem de 23 anos é assassinado no Bairro São Jorge

Em coletiva de imprensa, prefeito de Brumado faz prestação de contas de ações de 2018

Tá chegando a hora: Nesta quarta (12) a loja A4 veículos inaugura as suas modernas instalações em Brumado

Mais da metade da população mundial tem acesso à internet, segundo ONU

Autoteste de HIV vai ser distribuído no SUS em 2019

DF: Estudante tenta reaver R$ 150 após caixa eletrônico entregar notas picadas

Intermunicipal 2018: Itapetinga abre vantagem na decisão e vence Itamaraju por 1 a 0

Calçamento cede e faz caminhões de lixo encalharem em Brumado

Buerarema: Ex-presidiário é acusado de ter matado irmã a facadas

Mistério em Correntina: Corpo de garota é encontrado em pista de motocross

Livramento: Sprinter tomba na pista em colisão com Fiat Uno

Chuvas na Bahia: forte ventania arranca telhado de atacadão

Brumado: menores que estavam desaparecidos são encontrados com substâncias análogas a entorpecentes em mochila


Saneamento básico: Apenas 4 cidades do Brasil atingem nota máxima no ranking nacional

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

Com 5.570 municípios no país, penas 4 cidades do Brasil alcançaram a universalização do acesso aos serviços de abastecimento de água, coleta de esgoto, tratamento de esgoto e coleta de resíduos sólidos. É o que aponta ranking divulgado pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES). Segundo o Ranking 2018, de 1.894 cidades avaliadas, 1.613 ou 85% do total ainda estão longe de oferecer saneameto básico para toda a população. Somente 80 cidades, cerca de 15%, atingiram a pontuação para serem classificados na categoria mais alta – Rumo à universalização –, e as únicas que receberam nota máxima (500 pontos), por terem alcançado 100% da população em todos os serviços de saneamento básico foram São Caetano do Sul, Piracicaba, Santa Fé do Sul e Uchoa, todas no estado de São Paulo. Entre as capitais, a melhor avaliada foi Curitiba, a única que atingiu pontuação suficiente para ser classificada na categoria "rumo à universalização" (acima de 489 pontos). A pior avaliada foi Porto Velho, a única enquadrada no patamar mais baixo do ranking: "primeiros passos para a universalização". Em tratamento de esgoto, Curitiba, Salvador, Maceió e Brasília alcançaram a universalização. Mas a Bahia ainda está muito longe de atingir o patamr de 100%. Em 2017, o mesmo levantamento da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES), com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) apontou que na Bahia, para que todos os habitantes do estado tenham suas casas conectadas a redes de tratamento de esgoto seria necessário um investimento de R$ 18 bilhões até 2025. Apesar da alta soma, os benefícios ocasionados pela oferta maior de saneamento gerariam uma economia para o estado bem maior, de R$ 20 bilhões.  

Foto: Luciano Santos l 97NEWS

“A Bahia ainda enfrenta um grave déficit dos serviços e uma persistente incapacidade dos entes públicos no nível estadual e municipal para o enfrentamento deste quadro”, observa Patrícia Borja, professora doutora do Departamento de Engenharia Ambiental da Universidade Federal da Bahia (Ufba). Segundo a especialista, os baixos níveis de participação e controle social e, principalmente, segundo ela, as ameaças da privatização põem em risco a universalização dos serviços no estado. O assunto é controverso e outros especialistas defendem que como os recursos estatais são pequenos, o acesso aos serviços de água e esgoto só será ampliado caso haja maior parceria entre o estado brasileiro e a iniciativa privada. Dos 417 municípios baianos, a Embasa atua em 366 com abastecimento de água e em 122 com o serviço de coleta e tratamento de esgoto. A falta de um marco regulatório para os investimentos e prestação dos serviços de saneamento básico, gerou um atraso no desenvolvimento de ações estruturantes que visassem a ampliação do acesso a esses serviços. Voltando ao assunto ranking nacional de 2018, a pesquisa chama a atenção sobre a falta de destinação adequada dos resíduos sólidos na maioria dos municípios enquadrados na categoria "Primeiros passos para a universalização". Segundo a ABES, a análise dos dados de sanemaneto e e de saúde mostram ainda que quanto maior o acesso aos serviços de água e esgoto, menor a incidência de internações por doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado.

Foto: Luciano Santos l 97NEWS


Comentários

  • luzia

    "incrivel.se nao tiver esgoto aberto nao e bairro de pobre,o caracteristicazinha marcante e vergonhosa."

Deixe seu comentário