ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

BA-142 fica interditada por dois dias após queda de 60 árvores por conta da chuva e ventos fortes

Com promessas de 18 anos, moradores da Fazenda Jacaré solicitam a construção de uma ponte; ‘não dá mais para aguentar’, afirmam

Duas mulheres são baleadas em tiroteio entre suspeitos de tráfico em Santo Antônio de Jesus

Brumado: Futebol Solidário com jogadores profissionais e amadores arrecada quase 800 kg de alimentos

Quatro cidades do sul da Bahia estão sem energia elétrica há três dias por conta do mau tempo

Câmara de Vereadores de Brumado realizará sessão solene para dar posse a suplente Girson Ledo

Brumado: Praça da Prefeitura terá decoração de Natal sustentável

Brumado: Jovem de 23 anos é assassinado no Bairro São Jorge

Em coletiva de imprensa, prefeito de Brumado faz prestação de contas de ações de 2018

Tá chegando a hora: Nesta quarta (12) a loja A4 veículos inaugura as suas modernas instalações em Brumado

Mais da metade da população mundial tem acesso à internet, segundo ONU

Autoteste de HIV vai ser distribuído no SUS em 2019

DF: Estudante tenta reaver R$ 150 após caixa eletrônico entregar notas picadas

Intermunicipal 2018: Itapetinga abre vantagem na decisão e vence Itamaraju por 1 a 0

Calçamento cede e faz caminhões de lixo encalharem em Brumado

Buerarema: Ex-presidiário é acusado de ter matado irmã a facadas

Mistério em Correntina: Corpo de garota é encontrado em pista de motocross

Livramento: Sprinter tomba na pista em colisão com Fiat Uno

Chuvas na Bahia: forte ventania arranca telhado de atacadão

Brumado: menores que estavam desaparecidos são encontrados com substâncias análogas a entorpecentes em mochila


Smart Cities: cidades cada vez mais inteligentes

Seul, capital da Coréia do Sul (Foto: Divulgação)

Nas cidades inteligentes, o cidadão e os serviços essenciais estão conectados, utilizam energia limpa, reaproveitam a água, tratam o lixo, compartilham produtos, serviços e espaços, se deslocam com facilidade e usufruem de serviços públicos de qualidade. Além disso, a cidade inteligente cria laços culturais que une seus habitantes, propicia desenvolvimento econômico e melhoria da qualidade de vida. Em busca do status de Smart City, cidades de todas as regiões do planeta irão investir entre US$ 930 bilhões e US$ 1,7 trilhões ao ano até 2025. Porém, mais do que investimentos, a cidade para ser inteligente, necessita de iniciativas inteligentes do poder executivo e legislativo. A iniciativa privada tem se reunido em fóruns mundiais, como o SmartCity Business America, para apontar soluções e oportunidades de negócios no mercado das Smart Cities. Entre as adaptações, que seguem o desejo da população, estão a adoção de conceitos e tecnologias sustentáveis; inclusão urbana, ao contrário do isolamento das periferias; educação agregadora para evitar a radicalização; foco total na educação presencial e inclusiva até os 18 anos; e planejamento urbano que contemple os espaços para ensino e educação, que hoje não é apenas uma questão acadêmica. 

Com essas novas características, as cidades inteligentes terão um aumento da oferta de emprego nos setores públicos, de hospitalidade e, principalmente, da economia criativa, área que tem crescido exponencialmente, tendo como processo principal o ato criativo e resultando, entre outros, na transformação da cultura local em riqueza econômica. Essa evolução social e cultural promete gerar novo desejos, fazendo com que a cidade seja utilizada cada vez mais por prazer e promovendo ideais como inclusão, aproximação, conectividade, relacionamento e compartilhamento. O conceito aborda, também, a verticalização das cidades, com práticas sustentáveis e encurtando distâncias com soluções inteligentes de transporte, com o carro deixando de ser sonho de consumo; e uma transformação legislativa, que deverá possibilitar e encurtar caminhos para o desejo da maioria. As novas tecnologias vão permitir, ainda, que as pessoas possam trabalhar em casa, além de não precisarem se deslocar para adquirir o básico ou resolverem problemas burocráticos. Não tem mais lógica as pessoas se dividirem diariamente entre dois ambientes (residencial e comercial). Assim como não existe lógica no horário comercial padrão. Por qual motivo a maioria das pessoas é obrigada a se deslocar nos mesmos horários? Veremos, em breve, o fim dos prédios comerciais como conhecemos. Já os prédios residenciais ganharão novos conceitos e funcionalidades. Fica claro que os próximos anos serão de transformações intensas nos grandes centros urbanos. O conceito das Smart Cities tem ganhado força em todos os continentes e, em breve, seus benefícios estarão presentes em nossas vidas. Em um ambiente cada vez mais degradado e com dicotomias religiosas e políticas, as cidades inteligentes, apostando na inclusão, em soluções compartilhadas e em serviços públicos eficazes, podem representar a oportunidade de viver numa sociedade ideal.

*Carlos Rodolfo Sandrini é arquiteto, urbanista e presidente do Centro Europeu (www.centroeuropeu.com.br).



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário