ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumadense suspeito de tentativa de homicídio tem prisão preventiva decretada; ele também poderá responder por falsidade ideológica

Um Coração saudável é um coração feliz, 14 de Agosto dia do Cardiologista

Mistério: Pró-reitor do Ifba é encontrado morto dentro de seu apartamento

Farejador: Durante viagem, policial sente cheiro suspeito e apreende 13 kg de maconha

São Paulo: Jovem leva facadas no rosto e se finge de morta para escapar de namorado, que se suicidou

RotSat: Contrate o rastreamento de seu veículo ou de sua frota onde você tem confiança e qualidade

Rosa Weber assume presidência do TSE nesta terça

Guajeru: Polícia frustra tentativa de feminicídio; 5 armas foram apreendidas

Asfaltamento de estrada entre Itambé e o Tomba/Ribeirão do Largo deve começar dentro de 30 dias

Clidemar Amorim declara apoio a Luciano Ribeiro

Brumado: Congresso das Testemunhas de Jeová reuniu centenas de pessoas da microrregião

Sua moeda de 1 real comemorativa, pode valer ate 700 reais, fique ligado e saiba os valores

Brumado: Feminicídios são considerados como casos esporádicos pela Polícia Civil

Caetiteense que passa por tratamento quimioterápico em Salvador, tem sonho realizado por policiais militares em seu aniversário

‘A galinha da macumba incomoda muito mais do que milhares de jovens negros mortos’, afirma Doutor em Direito Hédio da Silva Jr.

Brumado: Começam os exames feitos por meio da ‘Carreta Mamamóvel’

Caetité: Presidentes de empresas chinesas avaliam obras da Ferrovia Oeste-Leste e exploração de mina de ferro

Projeto quer agilizar medidas protetivas para vítimas de violência

Brumado: Volta à cena o risco de se contrair raiva por meio do consumo de carne e leite clandestinos

Jaques Wagner receberá R$ 1,3 milhão do PT para campanha ao Senado


Riachão das Neves: Grupo que abriu túmulo de Rosângela responderá por 'violação funerária'

(Fotos: Reprodução)

As pessoas que abriram o túmulo de uma mulher mais de 10 dias após o sepultamento, por acreditarem que ela tinha sido enterrada viva, devem responder por violação de urna funerária, crime que está previsto no artigo 210 do Código Penal, com pena de reclusão de um a três anos. O caso ocorreu no município de Riachão das Neves, no oeste do estado. A informação foi passada na manhã desta quinta-feira (15) pelo delegado Antistenes Benvindo, que atua como plantonista regional da delegacia de Barreiras, também no oeste do estado, e que fez o registro do caso. Ele diz que as investigações preliminares apontam que a situação relatada pelos familiares não se sustenta em nenhum indício plausível. O delegado da cidade de Riachão das Neves, Arnaldo Alves, que assumiu a apuração do caso após registro inicial da delegacia de Barreiras, também contou à reportagem que as informações que levaram familiares a violarem o túmulo não passaram de “boatos”. Rosângela Almeida dos Santos, de 37 anos, estava internada no Hospital do Oeste, em Barreiras, com um quadro de infecção respiratória. No dia 28 de janeiro, ela teve o falecimento atestado pela unidade médica após um quadro de choque séptico, quando a infecção se alastra pelo corpo afetando vários órgãos. No dia seguinte, ela foi sepultada em Riachão das Neves. Onze dias depois do enterro, por acreditar que a mulher tinha sido enterrada viva, um grupo abriu o caixão que tinha sido depositado em uma urna funerária. 

Segundo o delegado Antistenes Benvindo, a mãe da vítima estaria sonhando há dias que a filha estava viva. Após a informação de uma moradora, de que teria ouvido gritos de dentro da sepultura, familiares decidiram violar o caixão. Em entrevista à TV Oeste, afiliada da Rede Bahia, a mãe de Rosângela Almeida disse que o corpo dela foi encontrado revirado no túmulo, com ferimentos nas mãos e testa, como se tivesse tentado sair do caixão. “Até aqueles preguinhos que estavam em cima estavam soltos. A mãozinha tava ferida, como quem estava arrumando, assim, arrumando o caixão para sair”, disse Germana de Almeida. Benvindo, entretanto, disse que as informações não se confirmam. “Ela [a vítma] estava do mesmo jeito, intacta. O irmão dela mesmo disse”. O delegado também contou que as informações sobre ferimentos nas mãos e na testa não são verídicas. Sobre o relato de que o corpo da vítima estava conservado, a polícia disse que informações médicas relatam que o uso de antibióticos durante o internamento e o tempo chuvoso favoreceram uma decomposição mais lenta. O delegado também conta que a mulher foi sepultada mais de 20 horas após o óbito e que, durante todo o processo, que envolveu preparação do corpo para enterro e velório não houve um sinal de vida. Uma perícia foi feita no túmulo, onde o corpo foi recolocado, e um laudo deve esclarecer a situação. O prazo para divulgação do documento não foi divulgado. Segundo o delegado de Riachão das Neves, que assumiu as investigações, todos os envolvidos no caso devem ser ouvidos a partir desta quinta-feira.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário