ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado atinge quase 7 mil cadastros ambientais; a cidade está em segundo lugar na Bahia

Brumado: Gasolina só é encontrada em posto da BR-030 na Vila Presidente Vargas

Site da Prefeitura de Brumado é hackeado com mensagens contra o governo

Negociações: Associação que representa caminhoneiros estão reunidos com a Casa Civil

Mega-Sena pode pagar R$ 6,5 milhões nesta quarta

Vereador Elias Piau comemora conquista da extensão de rede para a Comunidade de Campo Seco I

Rio do Antônio: Administração municipal rechaça denúncias e garante que princípio da transparência é respeitado

Tremedal e Jânio Quadros: publicada licitação para a construção do Centro de Comercialização de Animais

Brumado: População teme ficar sem gás de cozinha; restrições nas vendas já atingem comércio

Brumado: Protesto de caminhoneiros segue pelo terceiro dia; grupo faz churrasco e música

Ginecologia e obstetrícia na Clínica Master com Dr. David Tanajura

Eunápolis: Treinador de futebol é preso acusado de abuso sexual

Homem é suspeito de matar o próprio cunhado com golpes de faca na cidade de Livramento

Rodrigo Bocardi tem crise de riso ao noticiar caso de ladrão que engoliu alianças

Bahia: Contratados para trabalho são abandonados e denunciam trabalho escravo

Brumado: Aumento dos Combustíveis provoca abuso nas cobranças de mototaxistas

Brumado: Começou no último final de semana o Campeonato sub-16 do bairro São felix

Construção tem continuidade na Exupério Canguçu; Prefeitura garante que proprietário já foi notificado e prevê solução amigável

Brumado: No combate à criminalidade 34ª CIPM recebe denúncias pelo Whatsapp

Bahia: Rui promete chegar ao fim de mandato com 100% de veículos das polícias renovados


Riachão das Neves: Grupo que abriu túmulo de Rosângela responderá por 'violação funerária'

(Fotos: Reprodução)

As pessoas que abriram o túmulo de uma mulher mais de 10 dias após o sepultamento, por acreditarem que ela tinha sido enterrada viva, devem responder por violação de urna funerária, crime que está previsto no artigo 210 do Código Penal, com pena de reclusão de um a três anos. O caso ocorreu no município de Riachão das Neves, no oeste do estado. A informação foi passada na manhã desta quinta-feira (15) pelo delegado Antistenes Benvindo, que atua como plantonista regional da delegacia de Barreiras, também no oeste do estado, e que fez o registro do caso. Ele diz que as investigações preliminares apontam que a situação relatada pelos familiares não se sustenta em nenhum indício plausível. O delegado da cidade de Riachão das Neves, Arnaldo Alves, que assumiu a apuração do caso após registro inicial da delegacia de Barreiras, também contou à reportagem que as informações que levaram familiares a violarem o túmulo não passaram de “boatos”. Rosângela Almeida dos Santos, de 37 anos, estava internada no Hospital do Oeste, em Barreiras, com um quadro de infecção respiratória. No dia 28 de janeiro, ela teve o falecimento atestado pela unidade médica após um quadro de choque séptico, quando a infecção se alastra pelo corpo afetando vários órgãos. No dia seguinte, ela foi sepultada em Riachão das Neves. Onze dias depois do enterro, por acreditar que a mulher tinha sido enterrada viva, um grupo abriu o caixão que tinha sido depositado em uma urna funerária. 

Segundo o delegado Antistenes Benvindo, a mãe da vítima estaria sonhando há dias que a filha estava viva. Após a informação de uma moradora, de que teria ouvido gritos de dentro da sepultura, familiares decidiram violar o caixão. Em entrevista à TV Oeste, afiliada da Rede Bahia, a mãe de Rosângela Almeida disse que o corpo dela foi encontrado revirado no túmulo, com ferimentos nas mãos e testa, como se tivesse tentado sair do caixão. “Até aqueles preguinhos que estavam em cima estavam soltos. A mãozinha tava ferida, como quem estava arrumando, assim, arrumando o caixão para sair”, disse Germana de Almeida. Benvindo, entretanto, disse que as informações não se confirmam. “Ela [a vítma] estava do mesmo jeito, intacta. O irmão dela mesmo disse”. O delegado também contou que as informações sobre ferimentos nas mãos e na testa não são verídicas. Sobre o relato de que o corpo da vítima estava conservado, a polícia disse que informações médicas relatam que o uso de antibióticos durante o internamento e o tempo chuvoso favoreceram uma decomposição mais lenta. O delegado também conta que a mulher foi sepultada mais de 20 horas após o óbito e que, durante todo o processo, que envolveu preparação do corpo para enterro e velório não houve um sinal de vida. Uma perícia foi feita no túmulo, onde o corpo foi recolocado, e um laudo deve esclarecer a situação. O prazo para divulgação do documento não foi divulgado. Segundo o delegado de Riachão das Neves, que assumiu as investigações, todos os envolvidos no caso devem ser ouvidos a partir desta quinta-feira.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário