ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Assessoria de Gugu Liberato nega morte de apresentador

Apresentador Gugu Liberato é internado em estado grave após acidente doméstico

Brumado poderá ter novos distritos no Censo de 2020 com imagens de mapeamento aéreo

Brumado: Projeto social 'Ação do Reino' será realizado no bairro São Felix em dezembro

Especialista em psiquiatria fala sobre os problemas com a dependência química e a necessidade da busca do tratamento

Brumado: Dia dedicado a saúde do homem foi promovido em UBS do bairro das Flores

Estelionatário conquistense acusado de aplicar golpes na Região Sudoeste é preso pela PRF em Brasília

Brumado: Polícia prende homem acusado de espancar companheira no bairro do Mercado

Vereador, esposa e outras dez pessoas são presos em operação de combate a corrupção no Detran

Pagamento do 13º do Bolsa Família está garantido, diz Bolsonaro

Operação Faroeste: Presidente da OAB-BA diz que é preciso 'passar Justiça a limpo'

Censo 2020: Mesmo com possível estimativa baixa de crescimento, Prefeito espera aumento populacional em Brumado

Brumado: 'Caminhada Passos que Salvam 2019' acontece no próximo final de semana

Barra da Estiva: Operação das Polícias Civil, Militar e Federal prende traficante foragido da justiça

PF deflagra operação 'Wanderlust' e cumprem 80 mandados de prisão e busca

Bolsa Família não tem dinheiro para pagar o 13º prometido pelo governo federal

Brumado: Atendendo à pedido de agricultores, Prefeitura começa operação para limpeza de aguadas antes das chuvas

Brumado: Após romper com prefeito, vereador Elias Piau anuncia apoio a pré-candidatura de Fabrício Abrantes

Grupo Central das Carnes inaugura mais uma loja em Brumado

Livramento de Nossa Senhora: Neto é preso após ameaçar avó de 81 anos


NOS LABIRINTOS DA SAÚDE PÚBLICA

Se se imagina conhecer sobre a saúde no Brasil, favor adentrar-se um hospital público, ao menos a grande maioria deles. Não falo de um Sara Kubtischeck, tampouco de um Hospital das Clínicas em São Paulo. Afora poucos espalhados por este país continental, qualquer um em que se entre dará a medida certa da nossa saúde: filas, corredores lotados, macas pelo chão, leitos superlotados, falta de medicamentos básicos etc.

Aqui, a intenção não é apontar este ou aquele Governo. O foco está no problema em si. Talvez os números expressem tal realidade, ou, no mínimo, a justifiquem. Para não nos atermos a países europeus, ou tidos como de primeiro mundo, tomaremos por base os africanos em que, segundo a Organização mundial da Saúde (OMS), o investimento do Governo, nesta área, chega a uma média de 10,6% do seu orçamento federal. A média mundial, segundo a mesma OMS, é de 11,7%, ao passo que o Brasil se localiza no patamar de 8,7%. Num país em que (dados de 2012) 64% dos leitos hospitalares ficam com a saúde privada contra somente 36% com a pública, já se pode constatar um jogo elitista para o trato com um bem tão precioso como a vida.

 

É fato que a Carta Magna de 1988, também chamada de Constituição Cidadã, trouxe, no seu bojo de conquistas, o Sistema Único de Saúde, um modelo dos mais modernos do mundo que, dentre outros aspectos, contempla a Equidade, Universalidade, Integralidade da Atenção à Saúde, como primordiais na sua estrutura. Entretanto a realidade não condiz com o modelo idealizado.

Assim, não é de se estranhar deparar-se com um quadro perverso se o assunto for saúde. Ultimamente, vive-se uma pseudo-esperança de que o programa Mais Médicos venha reverter tal quadro. Será? Que vão fazer tais profissionais se, no dia a dia, lhes faltam medicamentos básicos para atendimento? Que milagre farão, por mais preparados que sejam, se não há infraestrutura básica em nossos Postos de Atendimento ou mesmo Hospitais? Que milagre fará um profissional de saúde na falta de uma simples dipirona, podendo levar o paciente a convulsionar-se? Que farão se, ante a necessidade de se regular um paciente (transferi-lo para uma unidade mais aparelhada), esbarram numa ambulância sem combustível, numa unidade recebedora lotada?

Há que se repensar a ordem das prioridades no trato com o dinheiro público. Há que se dar à vida o lugar que ela efetivamente merece: as raiais do sagrado.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário