ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Brumado: ‘Os vereadores do bairro são oposição, mas o povo tem que ser a situação da vez’, protestam moradores da Benjamim Santos

Lia Teixeira comemora assinatura do convênio da FUNASA para inícios das obras do sistema de abastecimento de Cristalândia e região

Brumado: Superintendência Municipal de Trânsito e Transportes intensifica ações em frente às escolas

Avicii, DJ e produtor sueco, morre aos 28 anos

Vereador Elias Piau faz requerimento verbal ao Executivo solicitando a capina e a limpeza de vários bairros da cidade

Coordenador do Polo da UAB/Brumado participa de 'Encontro do Fórum Nacional de Coordenadores Estaduais' em Gramado (RS)

Brumado: Vacinação contra gripe começa na próxima segunda-feira (23)

Destruída pelas chuvas há cinco meses, motoristas apontam perigo causado por buracos na Av. Lindolfo Brito

Moradores da Rua São Judas Tadeu, no bairro São Jorge pedem com urgência a pavimentação da via

Jacobina: Professora aparece em vídeo gravado por ela mesma ameaçando criança em creche

Brumado: Prefeito, vice e 7 vereadores anunciam apoio à pré-candidatura de Márcio Moreira

Itagibá: Ciganos são detidos com armas, carros, joias e mais de R$ 18 mil

Com acúmulo de reclamações Coelba lança novo aumento no domingo (22)

Vitória derrota Internacional nos pênaltis e se classifica para as oitavas da Copa do Brasil

Decisão unânime de Turma do TRF1 confirma bloqueio de 20 mi do Fundef recebidos por Paratinga (BA)

Brumado: Passagem de nível será a primeira do país com as novas normas da ANTT

Fann Estourado chama a atenção de produtor musical com reconhecimento nacional e irá gravar seu novo sucesso com ele

Brumado: Motociclista tenta desviar de cão, cai da moto e sofre ferimentos na Virgílio Costa Ataíde

Adolescente e criança quase são atropelados por uma caminhonete na BA-148, próximo à Lagoa do Arroz

Internet Wi-Fi vs Li-Fi: conheça diferenças e semelhanças entre conexões


Precisamos falar sobre Jair Bolsonaro

(Foto: 97NEWS)

Precisamos falar sobre Jair Bolsonaro. A afirmação parece o prelúdio de uma campanha publicitária do Ministério da Saúde contra uma doença. Sim, os casos envolvendo o deputado federal Jair Bolsonaro são uma chaga social brasileira. Segundo colocado nas pesquisas de opinião que medem os possíveis presidenciáveis em 2018, o agora filiado ao PSL está nas rodas de conversas das mais diversas classes sociais. Aparece como o grande defensor da moralidade, bastião da família tradicional brasileira e nome mais honrado para liderar o país a partir de 2019. Ledo engano. Bolsonaro é um ser que deveria provocar asco em qualquer cidadão com consciência do papel que possui na sociedade. Dois exemplos: Ao falar que a deputada Maria do Rosário não merecia ser estuprada, por ser “feia”, o parlamentar deveria ter sido alvo de ojeriza da maior parte da população. Não aconteceu. No contexto em que Maria do Rosário representava a esquerda e a defesa dos Direitos Humanos (pasta da qual ela foi ministra), parcela expressiva da população achou que a declaração dele não foi nada demais. Ao dizer que bateria em dois homens que visse se beijando, Bolsonaro deveria ter sido criticado por desrespeitar minorias e por conclamar a homofobia. 

Não foi o que aconteceu. Para homofóbicos e integrantes de um tradicionalismo que não encontra amparo nas discussões modernas, ele se tornou um “mito”. É a formação do “Bolsomito” que deveria estar em discussão. São as razões para que uma figura nefasta, com ideias tão retrógradas ganhe espaço no processo democrático brasileiro. E não é uma questão de desrespeito ao grupo que pensa como ele. Os ideais dele deveriam até ser debatidos, porém num espaço de diversidade que o próprio parlamentar rechaça. O que incomoda é que, num contexto de racionalidade mínima, não parece haver debate quando se trata do deputado federal por sete vezes cujo trabalho mais relevante foram declarações polêmicas. Bolsonaro é o tal do “mito” para os defensores dele. Na verdade, tudo é um jogo de cena feito por ele para uma plateia afeita por um conservadorismo cego – que prefere manter os próprios privilégios a aceitar que existem pessoas diferentes, grupos diferentes e que o respeito é um caminho melhor do que o radicalismo patético. Isso sem falar nos conceitos de macroeconomia ou mesmo de economia “defendidos” por ele. Se houver alguma entrevista esclarecedora dele, com algum conteúdo diferente da retórica presunçosa que o acompanha, aceito indicações. Precisamos falar sobre Bolsonaro. Essa chaga começa a se espalhar, até mesmo pelo interior da Bahia. Basta cruzar cidades interioranas para ver dezenas de outdoors em uma campanha eleitoral antecipada travestida de apoio a um projeto de nação. Saibam, desde já, que esse projeto de nação não é o mesmo que o meu. 

Texto de autoria de Fernando Duarte publicado no Bahia Notícias 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário