ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

‘A demora do Projeto de Esgotamento Sanitário de Brumado se deu porque se priorizou a segurança hídrica da população’, informou diretor de operações da Embasa

Advogado Jorge Malaquias Filho faz alerta sobre as exigências nas listas de materiais escolares

Guanambi: Embasa continuará a cobrar percentual de 80% em taxa de esgoto

Mini salgados da Padaria Divina: fazendo o seu fim de tarde muito mais gostoso

‘A Embasa está cometendo um ato de desobediência civil’, afirma prefeito de Brumado

Assaltantes amarram motorista de empresa brumadense e roubam pneus de carreta em Oliveira dos Brejinhos

Brumado: Motocicleta roubada em São Paulo é recuperada pela 34ª CIPM

‘Depois que ficou acuada é que a Embasa anuncia o esgotamento’, questiona o presidente do Legislativo de Brumado

Bolsonaro assina decreto que flexibiliza a posse de armas

Anúncio do Esgotamento Sanitário de Brumado por parte da Embasa é recebido com descrédito pela população e por boa parte da classe política

Brumado: Bandidos utilizando fardas de empresas comprovam padrão criminal dos assaltos a supermercados na cidade

Matrículas na Rede Municipal de Ensino se iniciam nesta terça-feira (15)

Brumado Privilege com Gusttavo Lima, La Fúria e Donas Bar é neste domingo (20)

BA-262: Colisão entre veículos na manhã desta terça-feira (15) na entrada do posto Jatobá em Brumado

Jequié: Homens arrancam testículos de cachorro no meio da rua

Homens ofereceram R$ 8 mil a policiais para não serem presos por tráfico de drogas

Idoso de 94 anos se forma em Direito e quer fazer pós-graduação

Homem é preso suspeito de estuprar as próprias netas no sul da Bahia

Caculé: Mulher é presa no Terminal Rodoviário com 5kg de maconha

Brumado: Preço da gasolina cai R$ 0,10 mas consumidor diz que valor poderia ser menor


Precisamos falar sobre Jair Bolsonaro

(Foto: 97NEWS)

Precisamos falar sobre Jair Bolsonaro. A afirmação parece o prelúdio de uma campanha publicitária do Ministério da Saúde contra uma doença. Sim, os casos envolvendo o deputado federal Jair Bolsonaro são uma chaga social brasileira. Segundo colocado nas pesquisas de opinião que medem os possíveis presidenciáveis em 2018, o agora filiado ao PSL está nas rodas de conversas das mais diversas classes sociais. Aparece como o grande defensor da moralidade, bastião da família tradicional brasileira e nome mais honrado para liderar o país a partir de 2019. Ledo engano. Bolsonaro é um ser que deveria provocar asco em qualquer cidadão com consciência do papel que possui na sociedade. Dois exemplos: Ao falar que a deputada Maria do Rosário não merecia ser estuprada, por ser “feia”, o parlamentar deveria ter sido alvo de ojeriza da maior parte da população. Não aconteceu. No contexto em que Maria do Rosário representava a esquerda e a defesa dos Direitos Humanos (pasta da qual ela foi ministra), parcela expressiva da população achou que a declaração dele não foi nada demais. Ao dizer que bateria em dois homens que visse se beijando, Bolsonaro deveria ter sido criticado por desrespeitar minorias e por conclamar a homofobia. 

Não foi o que aconteceu. Para homofóbicos e integrantes de um tradicionalismo que não encontra amparo nas discussões modernas, ele se tornou um “mito”. É a formação do “Bolsomito” que deveria estar em discussão. São as razões para que uma figura nefasta, com ideias tão retrógradas ganhe espaço no processo democrático brasileiro. E não é uma questão de desrespeito ao grupo que pensa como ele. Os ideais dele deveriam até ser debatidos, porém num espaço de diversidade que o próprio parlamentar rechaça. O que incomoda é que, num contexto de racionalidade mínima, não parece haver debate quando se trata do deputado federal por sete vezes cujo trabalho mais relevante foram declarações polêmicas. Bolsonaro é o tal do “mito” para os defensores dele. Na verdade, tudo é um jogo de cena feito por ele para uma plateia afeita por um conservadorismo cego – que prefere manter os próprios privilégios a aceitar que existem pessoas diferentes, grupos diferentes e que o respeito é um caminho melhor do que o radicalismo patético. Isso sem falar nos conceitos de macroeconomia ou mesmo de economia “defendidos” por ele. Se houver alguma entrevista esclarecedora dele, com algum conteúdo diferente da retórica presunçosa que o acompanha, aceito indicações. Precisamos falar sobre Bolsonaro. Essa chaga começa a se espalhar, até mesmo pelo interior da Bahia. Basta cruzar cidades interioranas para ver dezenas de outdoors em uma campanha eleitoral antecipada travestida de apoio a um projeto de nação. Saibam, desde já, que esse projeto de nação não é o mesmo que o meu. 

Texto de autoria de Fernando Duarte publicado no Bahia Notícias 



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário