ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Aluna brumadense irá representar Brumado na 14ª Edição da Olimpíada Nacional de Matemática 2018

Salvador: Claudia Leitte e outros passageiros são impedidos de voar em aeronave de táxi aéreo irregular

Homicida arrependido se apresenta em Vitória da Conquista e confessa que matou o cunhado em SP

Devido à situação cada vez mais crítica no Distrito de Cristalândia, Lia Teixeira busca o MP para evitar possível colapso no abastecimento

Cruzeiro conquista o hexa da Copa do Brasil

Brumado: 'Campanha do Quilo' arrecada cerca de 150 kg de alimentos não perecíveis

Poções: Estelionatários são presos tentando sacar R$ 68 mil em banco; dinheiro seria usado em campanha política

Veículo funcional de vidraçaria é furtado na madrugada de hoje (18) em Brumado

Cliente apaixonado é levado pela polícia após assediar garota de programa; homem não pagou pelos serviços e queria levar a bela para morar com ele

Livramento: Homem fratura pênis durante relação sexual

Árbitra baiana denuncia assédio sexual por instrutor da FBF; CBF vai apurar o caso

Brumado: Projeto Cidadão do Futuro atende crianças e adolescentes da Vila Presidente Vargas

Crescem as especulações sobre a privatização da Embasa em novo governo de Rui Costa

Brumado: Escola CMEAS conquista 1º lugar no concurso nacional ´Geração Sustentável´

Saúde Pública: Município de Dom Basílio obtém 'ótima' avaliação na atenção básica da saúde bucal

Empresário baiano descobre província de minério nível pré-sal no Sudoeste da Bahia

Universidade do Estado da Bahia prorroga período de inscrição para Vestibular UNEB 2019

Facebook começa a avisar brasileiros que tiveram dados roubados

'Manelão’ agradece os eleitores e garantiu estar com o sentimento do dever cumprido

Mineradores ampliam a mobilização da campanha salarial 2018


CRISE: Cadê o axé music que estava aqui? Baianos estão fora da lista de mais ouvidos em 2017

Foto: Montagem Aratu Online

Todo brasileiro raiz em algum momento da sua existência, principalmente se viveu intensamente os anos 90, já parou para requebrar em algum bate-estaca, encruzilhada, confraternização, batizado, sala de estar, avenida ou até mesmo dormindo ao som de uma música de axé. Contudo, a ascensão de outros ritmos musicais fez com que a crise do ritmo baiano aumentasse a cada dia, obrigando os seus artistas a sentirem saudades da época em que suas músicas chegavam ao topo e conseguiam mobilizar o país com letras que grudavam na cabeça. O movimento foi responsável por emplacar grandes versos no nosso cotidiano como: “Pau que nasce torto nunca se endireita. Menina que requebra a mãe pega na cabeça. Domingo ela não vai. Vai, vai “, “Pra passar batom. De que cor? De violeta, na boca e na bochecha” “Vai buscar Dalila, ligeiro, ligeiro, ligeiro” e “Tá ficando apertadinha, por favor. Abre a rodinha, por favor” que poderiam claramente substituir o lema “Ordem e Progresso” que estampa a bandeira nacional e, aparentemente, em nada representa o nosso país. Mas o que foi tendência nos últimos 20 anos vem perdendo espaço no cenário nacional, fazendo com que o gênero criado na Bahia viva a ressaca da quarta-feira de cinzas constantemente. A situação atual do estilo musical não parece em nada com a época em que Daniela Mercury gritava aos quatro cantos do país que era a cor dessa cidade ou quando o gingado de Carla Perez, junto com o É o Tchan, asssustava as criancinhas nos programas de auditório de Silvio Santos. A questão causa bastante divergência entre especialistas, críticos e os próprios artistas. Enquanto uma parte acredita não existir crise no meio, por conta ainda do grande faturamento das principais estrelas do gênero, principalmente nos carnavais fora de época e na indústria televisiva, outra considera que o movimento não conseguiu se renovar e produzir artistas contemporâneos para bater de frente com as novas especificidades da indústria fonográfica.

“ANALISANDO ESSA CADEIA HEREDITÁRIA”

Diante de uma possível crise, uma coisa não há como negar: o axé não é mais o mesmo. A perda de popularidade do gênero musical, inclusive dentro do seu próprio estado de origem, é algo visto nitidamente nas rádios, festas de largo e nas plataformas de música em streaming. O sertanejo, o funk e até o irmão mais novo da axé, o arrocha, agora dividem as preferências nos ouvidos das pessoas. A prova cabal dos tempos não tão gloriosos  são os dados que mostram as paradas musicais no Brasil em 2017. Nas rádios, o domínio é de artistas sertanejos. Das 10 músicas mais tocadas no último ano, todas são do gênero musical, de acordo com relatório divulgado pelo Instituto Crowley, no primeiro dia de 2018. A música “Acordando o Prédio”, do cantor Luan Santana, foi a canção que liderou o ranking, no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2017, no horário das 7h às 19h. Não muito diferente do líder em execução nas rádios, outros cantores sertanejos fecham o top 10 de mais tocadas como a dupla Henrique e Juliano,  Zé Neto e Cristiano, Maiara e Maraisa, Marcos e Belutti e os solistas Wesley Safadão, Marília Mendonça, Gusttavo Lima e Anitta. As únicas baianas na lista não representam o axé no mercado musical: as irmãs Simone e Simaria, nascidas na cidade de Uibaí, a 515 km de Salvador, colocaram duas canções entre as mais tocadas: “Loka” e “Regime Fechado”. A premissa baseada na Lei de Murphy que diz que “nada é tão ruim que não possa piorar” traduz muito a situação do gênero e artistas baianos no mercado musical nacional. Nenhuma música de axé aparece entre as 100 mais tocadas nas rádios do Brasil. A única baiana que aparece é Ivete Sangalo e em uma canção na qual faz parceria com a cantora sertaneja Naiara Azevedo. Dados do Spotify – serviço de de streaming de música, apontam que a axé e os cantores baianos também não fazem mais parte da preferência dos usuários brasileiros. Dezenove dos 20 artistas mais ouvidos do país são brasileiros, sendo o penetra da lista apenas o britânico Ed Sheeran. Das 20 faixas mais executadas, 17 também são brasileiras. Os destaques do serviço online são as cantoras Anitta e Pabllo Vittar e o Dj Alok. A presença do pop entre as principais opções dos brasileiros no Spotify ainda não inibiu a popularidade dos cantores sertanejos que também dominam a parada por lá, sendo sete entre os 10 principais.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário