ÚLTIMAS NOTÍCIAS:

Conta de luz subirá até 3,86% com reajuste de receita de hidrelétricas

Conquista: Leilão de carros e motos apreendidos acontece na quinta-feira (19); são lotes com preço mínimo de até R$ 100

Bahia: Recursos para merenda escolar sofrem queda; o corte chega aos R$ 40 milhões

Brumado: Qual o motivo das pessoas deixarem as alianças de ouro em casa?

Malhada de Pedras: Tiro de Guerra 06-024 realiza entrega de Certificado de Dispensa

Morre a segunda vítima atingida por caminhão de entulho em acidente na cidade de Salvador

Boa Notícia: Advogado que desapareceu em Eunápolis é encontrado em Vitória da Conquista

Equipamentos sem manutenção ao lado da Academia de Saúde no Bairro Dr. Juracy se tornam ‘armadilhas’ para crianças

Brumado: Celebrações que antecedem o Dia de São Cristovão são iniciadas

Brumado: Risco de sair à noite e ter celular levado por assaltantes assusta a população

Salvador: Carro de entulho se envolve em acidente e atropela várias pessoas; uma vítima não resistiu e morreu no local

Safra baiana cresce e produção de grãos bate recorde em 2018; milho é a segunda cultura mais importante

Caetité: Duas pessoas morrem e outra fica gravemente ferida em colisão frontal na BR-030

Carreta tem leve colisão com trem e causa congestionamento na BR-030 na manhã desta terça-feira (17)

Vereadora Lia Teixeira visita obras da Creche do Bairro São José

Cuidado: Intoxicação ou envenenamento atinge 37 crianças por dia

Operação Transbordo: Bahia tem 25 mandados de prisão e 36 de busca e apreensão

Mãe de advogado desaparecido nega que ele tenha sido encontrado

Brumadenses conquistam o 4º lugar no Rally Mercosul 2018; foram 3 mil km de prova

Prefeitura de Ibotirama deverá regularizar dívida previdenciária de R$ 45 milhões com a União


CRISE: Cadê o axé music que estava aqui? Baianos estão fora da lista de mais ouvidos em 2017

Foto: Montagem Aratu Online

Todo brasileiro raiz em algum momento da sua existência, principalmente se viveu intensamente os anos 90, já parou para requebrar em algum bate-estaca, encruzilhada, confraternização, batizado, sala de estar, avenida ou até mesmo dormindo ao som de uma música de axé. Contudo, a ascensão de outros ritmos musicais fez com que a crise do ritmo baiano aumentasse a cada dia, obrigando os seus artistas a sentirem saudades da época em que suas músicas chegavam ao topo e conseguiam mobilizar o país com letras que grudavam na cabeça. O movimento foi responsável por emplacar grandes versos no nosso cotidiano como: “Pau que nasce torto nunca se endireita. Menina que requebra a mãe pega na cabeça. Domingo ela não vai. Vai, vai “, “Pra passar batom. De que cor? De violeta, na boca e na bochecha” “Vai buscar Dalila, ligeiro, ligeiro, ligeiro” e “Tá ficando apertadinha, por favor. Abre a rodinha, por favor” que poderiam claramente substituir o lema “Ordem e Progresso” que estampa a bandeira nacional e, aparentemente, em nada representa o nosso país. Mas o que foi tendência nos últimos 20 anos vem perdendo espaço no cenário nacional, fazendo com que o gênero criado na Bahia viva a ressaca da quarta-feira de cinzas constantemente. A situação atual do estilo musical não parece em nada com a época em que Daniela Mercury gritava aos quatro cantos do país que era a cor dessa cidade ou quando o gingado de Carla Perez, junto com o É o Tchan, asssustava as criancinhas nos programas de auditório de Silvio Santos. A questão causa bastante divergência entre especialistas, críticos e os próprios artistas. Enquanto uma parte acredita não existir crise no meio, por conta ainda do grande faturamento das principais estrelas do gênero, principalmente nos carnavais fora de época e na indústria televisiva, outra considera que o movimento não conseguiu se renovar e produzir artistas contemporâneos para bater de frente com as novas especificidades da indústria fonográfica.

“ANALISANDO ESSA CADEIA HEREDITÁRIA”

Diante de uma possível crise, uma coisa não há como negar: o axé não é mais o mesmo. A perda de popularidade do gênero musical, inclusive dentro do seu próprio estado de origem, é algo visto nitidamente nas rádios, festas de largo e nas plataformas de música em streaming. O sertanejo, o funk e até o irmão mais novo da axé, o arrocha, agora dividem as preferências nos ouvidos das pessoas. A prova cabal dos tempos não tão gloriosos  são os dados que mostram as paradas musicais no Brasil em 2017. Nas rádios, o domínio é de artistas sertanejos. Das 10 músicas mais tocadas no último ano, todas são do gênero musical, de acordo com relatório divulgado pelo Instituto Crowley, no primeiro dia de 2018. A música “Acordando o Prédio”, do cantor Luan Santana, foi a canção que liderou o ranking, no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2017, no horário das 7h às 19h. Não muito diferente do líder em execução nas rádios, outros cantores sertanejos fecham o top 10 de mais tocadas como a dupla Henrique e Juliano,  Zé Neto e Cristiano, Maiara e Maraisa, Marcos e Belutti e os solistas Wesley Safadão, Marília Mendonça, Gusttavo Lima e Anitta. As únicas baianas na lista não representam o axé no mercado musical: as irmãs Simone e Simaria, nascidas na cidade de Uibaí, a 515 km de Salvador, colocaram duas canções entre as mais tocadas: “Loka” e “Regime Fechado”. A premissa baseada na Lei de Murphy que diz que “nada é tão ruim que não possa piorar” traduz muito a situação do gênero e artistas baianos no mercado musical nacional. Nenhuma música de axé aparece entre as 100 mais tocadas nas rádios do Brasil. A única baiana que aparece é Ivete Sangalo e em uma canção na qual faz parceria com a cantora sertaneja Naiara Azevedo. Dados do Spotify – serviço de de streaming de música, apontam que a axé e os cantores baianos também não fazem mais parte da preferência dos usuários brasileiros. Dezenove dos 20 artistas mais ouvidos do país são brasileiros, sendo o penetra da lista apenas o britânico Ed Sheeran. Das 20 faixas mais executadas, 17 também são brasileiras. Os destaques do serviço online são as cantoras Anitta e Pabllo Vittar e o Dj Alok. A presença do pop entre as principais opções dos brasileiros no Spotify ainda não inibiu a popularidade dos cantores sertanejos que também dominam a parada por lá, sendo sete entre os 10 principais.



Comentários

    Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

Deixe seu comentário